Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o usuário realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Política de privacidade

Nós do Brasil 61 coletamos e usamos alguns dados dos nossos leitores com o intuito de melhorar e adaptar nossas plataformas e nossos produtos. Para isso, agimos conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) e nos esforçamos para sermos transparentes em todas nossas atividades.

Para podermos oferecer melhores serviços e veicular peças publicitárias de nossos anunciantes, precisamos conhecer certas informações dos nossos usuários.

COMO O BRASIL 61 COLETA SEUS DADOS

– Quando você se cadastra e cria um usuário no Brasil 61

Quando você entra no nosso site, fornece informações (dados) para a criação do usuário. Estes dados são usados para orientar a estratégia do Brasil 61 e o desenvolvimento de novos serviços e/ou produtos. Essas informações são fornecidas voluntariamente por você leitor e não são compartilhadas com nenhum terceiro.

– Quando você acessa o site do Brasil 61 (www.brasil61.com.br) ou abre uma de nossas newsletters enviadas por e-mail

O Brasil 61 usa tecnologias como cookies e pixel tags para entender como é a sua interação com as nossas plataformas. Esses dados permitem saber, por exemplo, de que dispositivo você acessa o site ou em que links você clicou e quanto tempo permaneceu lendo as notícias. 

COMO O BRASIL 61 USA OS SEUS DADOS

Nós, do Brasil 61, usamos seus dados sempre com a principal intenção de melhorar, desenvolver e viabilizar nossos próprios produtos e serviços a você leitor.

Seus dados são sempre analisados de forma não individualizada, mesmo os que são fornecidos vinculados seu nome ou ao seu endereço de e-mail. 

Os dados em conjunto são analisados para criar relatórios estatísticos de audiência sobre as páginas, textos e meios de acesso ao site e às newsletters. 

Esses relatórios são compartilhados com nossos anunciantes e patrocinadores e servem para modelar estratégias e campanhas institucionais.

As informações que você fornece durante a criação do cadastro do seu usuário no Brasil 61 são utilizadas para a formulação de estratégia comercial e desenvolvimento de novos produtos e/ou serviços.

Essas informações individualizadas podem ser usadas pelo Brasil 61 para o envio de campanhas comerciais e divulgação de serviços e/ou produtos próprios. Não são compartilhadas com nenhum terceiro.

As informações captadas por meio de cookies e pixel tags são usadas em relatórios internos de monitoramento da audiência e também em relatórios para os anunciantes verificarem a efetividade de suas campanhas. Essas informações não estão vinculadas a nome ou e-mail dos leitores e são sempre avaliadas de forma não individualizada.

O Brasil 61 compartilha informações captadas por meio de cookies e pixel tags com terceiros, como anunciantes, plataformas de redes sociais e provedores de serviço – por exemplo, o serviço de envio de e-mails. O Brasil 61 também em seu site cookies de terceiros que captam informações diretamente do usuário, de acordo com suas próprias políticas de privacidade e uso de dados. 

O QUE O BRASIL 61 NÃO FAZ COM SEUS DADOS

– Não monitoramos ou coletamos dados de páginas que não pertencem ao Brasil 61.
– Não compartilhamos ou vendemos para terceiros nenhuma informação identificável.

O QUE VOCÊ PODE FAZER SE NÃO QUISER MAIS QUE SEUS DADOS SEJAM USADOS PELO BRASIL 61

– Caso não queira que o Brasil 61 use nenhum tipo de cookies, altere as configurações do seu navegador. Nesse caso, a exibição de anúncios e mensagens importantes do Brasil 61 e de nossos anunciantes pode ser prejudicada.

– Caso queira deixar de receber algum newsletter ou e-mail de alertas de notícias, basta clicar em “Unsubscribe”, na parte de baixo do e-mail enviado pelo Brasil 61. 

– Caso queira excluir seu usuário e apagar seus dados individuais da base do Brasil 61, basta enviar um e-mail para: privacidade@brasil61.com

 Última atualização: 24 de dezembro de 2020 

Internacional

07/11/2020 16:18h

No começo da tarde deste sábado, Joe Biden foi eleito como o novo presidente dos Estados Unidos, vencendo o atual ocupante da cadeira na Casa Branca

No começo da tarde deste sábado (7), Joe Biden foi eleito como o novo presidente do Estados Unidos, vencendo o atual ocupante da cadeira na Casa Branca, Donald Trump, que não acredita na derrota e diz que vai recorrer à Justiça. É importante destacar que esse resultado está baseado nas  projeções dos maiores veículos de imprensa, como Associated Press, 'New York Times', NBC e CNN, uma vez que o país não possui um órgão de instância jurídica como a Justiça Eleitoral brasileira. Esses dados são apurados junto aos Colégios Eleitorais que, de forma simplificada, é responsável por oficializar a contagem de votos.

Após três dias de contagem manual das cédulas, essas projeções revelaram que Joe Biden conquistou 270  delegados,  número necessário para garantir a vitória na 46° eleição americana. Essa disputa conquistou algumas marcas na história do País por Joe Biden ser o mais velho a exercer esse cargo — ele terá 78 anos na data da posse. Outro detalhe é que Donald Trump acaba de se tornar o primeiro presidente nos últimos 25 anos a perder a reeleição. Além disso, sua vice na chapa é Kamala Harris, senadora democrata e mulher negra, filha de imigrantes. Será a primeira vez que os Estados Unidos terá uma mulher neste cargo.

Eleitores vão poder justificar ausência por meio do aplicativo e-Título

Eleição 2020: indícios de irregularidades em doações de campanhas já ultrapassam R$ 35 milhões

Joe Biden tem longa carreira política, com algumas passagens marcantes como a eleição como senador pela primeira vez em 1972, aos 29 anos; em 1987, lançou sua primeira candidatura à Casa Branca; por fim, foi vice-presidente de Barack Obama durante seus dois mandatos. As diferenças no discurso entre Biden e Trump estão cercadas de expectativas por todo o mundo, no que diz respeito à condução das políticas sociais e no comércio exterior.
 

Copiar o texto
Internacional
21/09/2020 10:50h

Governador de Roraima comemora repasse e afirma que ajuda é fundamental

Baixar áudio

Em visita a Boa Vista, capital de Roraima, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, anunciou que os Estados Unidos vão investir mais de US$ 30 milhões no gerenciamento da crise migratória de venezuelanos no Brasil. Pompeo compareceu na última sexta-feira (18) às instalações da Operação Acolhida, na capital de Roraima.

O objetivo da visita do secretário de Estado, que também foi a outros países da região amazônica, foi de pressionar de pressionar o regime do presidente venezuelano Nicolás Maduro e expressar o alinhamento norte-americano com essas nações. Em Boa Vista, Pompeo chegou a dizer que Maduro era “traficante de drogas”.

Municípios brasileiros tentam driblar a crise econômica e mantêm empregos com iniciativas locais

O governador de Roraima,  Antonio Denarium, acompanhou a visita da autoridade americano em Boa Vista e disse que a ajuda dos Estados Unidos é fundamental. Segundo ele, atualmente Roraima abriga 100 mil venezuelanos. Ele afirmou que o estado não tem como gerenciar a crise migratória sozinho.

Copiar o texto
Internacional
25/05/2020 09:24h

Medida começa a valer no dia 29 de maio e visa frear curva de contágio da doença

Baixar áudio

Está suspensa a entrada nos Estados Unidos de qualquer estrangeiro ou de brasileiro que tenha estado no Brasil no período de 14 dias antes do pedido de entrada no país norte-americano. A medida tomada pelo presidente Donald Trump visa frear o aumento do contágio pela covid-19.

A medida não se aplica a cidadãos norte-americanos ou residentes permanentes legais e entra em vigor à 00h59 (meia-noite e cinquenta e nove) de 29 de maio deste ano, horário de Brasília. A proclamação presidencial também não se aplica a pessoas a bordo de voos programados para chegar nos EUA que tenham partido antes desse horário no dia 29 de maio. 

Em março, o Brasil implementou restrições semelhantes à entrada de estrangeiros, inclusive dos EUA, prorrogando a medida por duas vezes desde então. As restrições que continuam em vigor são medidas de saúde pública para reduzir o potencial de transmissão do vírus. 

Atualmente, o Brasil está em segundo lugar no número de casos confirmados da covid-19, perdendo justamente para os Estados Unidos, que já contabilizam mais de um milhão e seiscentos mil casos e quase cem mil mortos. 
 

Copiar o texto
Internacional
25/03/2020 09:48h

Novo coronavírus já atinge 160 países. 17.241 pessoas já morreram pela doença

Baixar áudio

Em todo o mundo, países intensificam as medidas para conter o novo coronavírus. Na Índia, o primeiro-ministro, Narendra Modi, determinou que todo o país fique de quarentena durante três semanas. Parte do comércio será fechado, além de fábricas, oficinas e templos. No pronunciamento, Modi justificou a medida dizendo que os especialistas em saúde o alertaram que o isolamento de pelo menos 21 dias é crucial para quebrar o ciclo de infecções do coronavírus no país. A Índia já registrou mais de 500 casos da doença e 10 mortes. Vale lembrar que o país é o segundo mais populoso do mundo - são 1,3 bilhão de habitantes.

Na África, a República Democrática do Congo declarou estado de emergência e fechou as fronteiras. A capital, Kinsasa está totalmente isolada, já que foram proibidas todas as viagens que tivessem a cidade como destino.

O vírus já está presente em 160 países. São 395.647 pessoas infectadas e 17.241 mortes. A Itália é o país mais afetado - tem quase 64 mil casos e mais de 6 mil mortes - mais do que na China, onde o vírus começou a se espalhar. No país asiático são 3.281 mortes.

No Brasil, 1.891 pessoas já foram infectadas e 34 já morreram por conta do novo coronavírus.

Copiar o texto
Internacional
25/03/2020 08:53h

O comunicado lista as opções de voos que irão sair de aeroportos brasileiros com destino aos Estados Unidos

Baixar áudio

A Embaixada dos Estados Unidos no Brasil publicou um comunicado, nesta terça-feira (24), solicitando que todos os norte-americanos que estão ou residem no território brasileiro “devem providenciar um retorno imediato aos Estados Unidos” devido à pandemia do coronavírus. 

O órgão listou as opções de voos do Brasil para os Estados Unidos disponíveis em aeroportos brasileiros.  Segundo o comunicado da Embaixada norte-americana, as “opções de voos comerciais permanecem disponíveis com saída do Brasil para os Estados Unidos, porém esperamos que esse número diminua. Os cidadãos norte-americanos que desejam retornar aos Estados Unidos devem fazê-lo o mais rápido possível pois a situação de viagem está mudando muito rapidamente e a disponibilidade de voos está sujeita a alterações. Os horários de voos domésticos no Brasil também estão sendo reduzidos significativamente”. 

As entrevistas de visto de imigrante e não imigrante estão canceladas por tempo indeterminado na Embaixada e nos consulados norte-americanos no Brasil. A embaixada está realizando apenas serviços de emergência para os cidadãos norte-americanos no Brasil.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou nesta terça-feira (24) que devido à aceleração muito grande dos casos do Covid-19 nos Estados Unidos, o país pode se tornar o novo centro da epidemia no mundo. 
 

Copiar o texto
Internacional
24/03/2020 18:11h

Com a crise do novo coronavírus, brasileiros cumprem quarentena em hotéis em outros países

Baixar áudio

Pelo menos 11 mil brasileiros estão no exterior, sem poder voltar para casa, por conta da crise do novo coronavírus. Os dados são da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que está coletando informações de todos os brasileiros que estavam no exterior, a turismo, mas que agora estão ilhados, sem poder sair do hotel, por conta da quarentena. Já o Itamaraty, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil, tem o registro de 6 mil brasileiros que foram até embaixadas ou consulados para pedir ajuda para voltar para o território nacional. Desses, 3 mil já conseguiram voltar para o Brasil.

De acordo com os dados da Anac, a maioria dessas pessoas está em Portugal, Peru, México e África do Sul.

Aqui na América do Sul, o Brasil está com as fronteiras fechadas com oito países vizinhos, impedindo a entrada de 10 mil pessoas que circulavam pelas fronteiras todos os dias, de acordo com o levantamento da Polícia Federal.

Copiar o texto
Internacional
07/03/2020 03:43h

Países cancelaram aulas para evitar a proliferação do vírus. O número de infectados no mundo já beira os 100 mil

Baixar áudio

Pelo menos 300 milhões de estudantes estão sem aulas em todo o mundo por conta do surto do novo coronavírus, de acordo com estimativa da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). De acordo com o órgão, 13 países já decretaram o fechamento total de escolas. Outras nove nações cancelaram as aulas nas regiões mais atingidas pela doença.

Na itália, por exemplo, o governo decidiu manter fechadas todas as escolas e universidades até o dia 15 de março. 148 pessoas já morreram no país, que tem o maior número de mortos por coronavírus fora da China. Por lá foram registradas 41 novas mortes em um único dia. 

Na Coreia do Sul, as férias de inverno foram prolongadas por mais três semanas em escolas e creches. No Irã, as escolas vão ficar fechadas por um mês e eventos culturais e esportivos foram suspensos. 

Nos Estados Unidos o governo da Califórnia declarou estado de emergência depois que a primeira do estado foi registrada. Em Nova York, em um dia, o número de casos do novo coronavírus dobrou - passou de 11 para 22. No mundo todo, o número de infectados já beira os 100 mil e os mortos chegam a 3.400 - a maior parte na China.

Copiar o texto
Internacional
03/03/2020 17:09h

Taxa básica passa para a faixa entre 1 e 1,25% na tentativa de conter os impactos do vírus na economia global.

Baixar áudio

O Federal Reserve (também conhecido como Fed e equivalente ao Banco Central dos Estados Unidos) promoveu, de maneira extraordinária, um corte de 0,5% na taxa básica de juros. A medida foi tomada em resposta aos possíveis impactos do novo coronavírus na economia global.

É o primeiro corte de emergência realizado pelo Banco Central americano desde 2008, quando uma forte crise afetou a economia de diversos países. A taxa de juros é reajustada nos encontros do Comitê Federal do Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês). O último encontro do Comitê foi em janeiro e o próximo está agendado para os dias 17 e 18 de março.

No comunicado oficial, o Fomc afirmou que a economia dos EUA segue forte, mas o crescimento no número de casos do novo coronavírus representa um risco às atividades econômicas do país: “o Comitê está monitorando de perto os desenvolvimentos e as implicações para as perspectivas econômicas e usará suas ferramentas e atuará conforme apropriado para apoiar a economia”, dizia o comunicado.

A decisão nos Estados Unidos também afeta a economia brasileira. Ao longo do dia, a bolsa de valores de São Paulo (Ibovespa) ultrapassou os 108 mil pontos, mas caiu para 106 mil pontos no meio da tarde. O valor do dólar também foi afetado pela decisão do Fed: apesar de uma queda momentânea, a moeda americana registrou cotação acima de R$4,51 no fim da tarde.

Reportagem, Rafael Montenegro.

Copiar o texto
Internacional
03/03/2020 10:03h

Eleições preliminares do Partido Democrata definirão quem será o concorrente de Donald Trump, do Partido Republicano.

Baixar áudio

Hoje é um dia importante para o Partido Democrata na corrida presidencial dos Estados Unidos. O concorrente de Donald Trump nas eleições de novembro pode ser determinado a partir dos resultados de hoje, quando serão eleitos delegados em 14 estados. Os favoritos são o senador Bernie Sanders e o ex-vice-presidente Joe Biden.

O processo eleitoral nos Estados Unidos não é como no Brasil, onde há o voto direto. O processo começa com campanhas dentro dos partidos para eleger quem será o candidato, as chamadas “primárias”. Ao todo, são 3.979 delegados distribuídos nos 50 estados do país. Hoje serão eleitos 1.357, um terço deles. Os delegados eleitos são comprometidos com um pré-candidato e devem representá-lo na convenção nacional. Dessa forma, no encontro, o pré-candidato que tiver mais delegados vira o representante na eleição.

Historicamente, quem vence as prévias da Super-Terça sai como favorito para o restante das primárias, que se encerram em junho. Por enquanto, quem está na frente é o senador Bernie Sanders, tido como o candidato mais radical. Concorrendo com ele está Joe Biden, que foi vice-presidente no mandato de Barack Obama (2009-2017) e é considerado moderado. Correndo por fora tem o magnata Michael Bloomberg, que investiu US$ 350 milhões em publicidade para a Super-Terça.

O Partido Republicano também elege delegados hoje, mas a situação no partido é diferente. Como a candidatura do atual presidente, Donald Trump, é quase certa, muitos estados  estão cancelando as primárias. A nomeação dos candidatos de cada partido será definida em junho e as eleições estão marcadas para o dia 3 de novembro.

Reportagem, Rafael Montenegro
 

Copiar o texto
Internacional
21/02/2020 20:58h

O número chegou a 45% de aumento em relação a 2018 sendo o maior índice nos últimos 14 anos

Baixar áudio

De acordo com dados do Departamento de Estado norte-americano, o número de vistos negados pelo EUA aos brasileiros teve um considerável aumento de 45%, o maior dos últimos 14 anos, se comparada a taxa do ano fiscal anterior, entre outubro de 2017 e setembro de 2018. O total chegou a 18,5% de vistos negados pelo governo norte-americano. 

Durante o mesmo período, houve quase 18 mil brasileiros detidos nos centros de detenção do departamento de imigração, que tentaram entrar em território norte-americano de forma irregular. 

Dados do Departamento de Estado mostram que desde 2006 a parcela de vistos negados a brasileiros foi caindo daquele ano, em que estava em torno de 13%, até o ano de 2014, quando chegou a quase 3,2%. Já em 2012 a 2014, as negativas estiveram próximas de 3%. 

Em 2016 este cenário mudou, quando as negativas saltou para 16,7% e em 2017 e 2018, ficaram acima de 12% para então saltarem para os 18,5% atuais.

O número de brasileiros detidos e as negativas de visto têm como principais motivos o aumento do controle das fronteiras e a intenção de dissuadir novas levas de imigrantes.

Reportagem: Fellipe Thomas

Copiar o texto