Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o usuário realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Política de privacidade

Nós do Brasil 61 coletamos e usamos alguns dados dos nossos leitores com o intuito de melhorar e adaptar nossas plataformas e nossos produtos. Para isso, agimos conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) e nos esforçamos para sermos transparentes em todas nossas atividades.

Para podermos oferecer melhores serviços e veicular peças publicitárias de nossos anunciantes, precisamos conhecer certas informações dos nossos usuários.

COMO O BRASIL 61 COLETA SEUS DADOS

– Quando você se cadastra e cria um usuário no Brasil 61

Quando você entra no nosso site, fornece informações (dados) para a criação do usuário. Estes dados são usados para orientar a estratégia do Brasil 61 e o desenvolvimento de novos serviços e/ou produtos. Essas informações são fornecidas voluntariamente por você leitor e não são compartilhadas com nenhum terceiro.

– Quando você acessa o site do Brasil 61 (www.brasil61.com.br) ou abre uma de nossas newsletters enviadas por e-mail

O Brasil 61 usa tecnologias como cookies e pixel tags para entender como é a sua interação com as nossas plataformas. Esses dados permitem saber, por exemplo, de que dispositivo você acessa o site ou em que links você clicou e quanto tempo permaneceu lendo as notícias. 

COMO O BRASIL 61 USA OS SEUS DADOS

Nós, do Brasil 61, usamos seus dados sempre com a principal intenção de melhorar, desenvolver e viabilizar nossos próprios produtos e serviços a você leitor.

Seus dados são sempre analisados de forma não individualizada, mesmo os que são fornecidos vinculados seu nome ou ao seu endereço de e-mail. 

Os dados em conjunto são analisados para criar relatórios estatísticos de audiência sobre as páginas, textos e meios de acesso ao site e às newsletters. 

Esses relatórios são compartilhados com nossos anunciantes e patrocinadores e servem para modelar estratégias e campanhas institucionais.

As informações que você fornece durante a criação do cadastro do seu usuário no Brasil 61 são utilizadas para a formulação de estratégia comercial e desenvolvimento de novos produtos e/ou serviços.

Essas informações individualizadas podem ser usadas pelo Brasil 61 para o envio de campanhas comerciais e divulgação de serviços e/ou produtos próprios. Não são compartilhadas com nenhum terceiro.

As informações captadas por meio de cookies e pixel tags são usadas em relatórios internos de monitoramento da audiência e também em relatórios para os anunciantes verificarem a efetividade de suas campanhas. Essas informações não estão vinculadas a nome ou e-mail dos leitores e são sempre avaliadas de forma não individualizada.

O Brasil 61 compartilha informações captadas por meio de cookies e pixel tags com terceiros, como anunciantes, plataformas de redes sociais e provedores de serviço – por exemplo, o serviço de envio de e-mails. O Brasil 61 também em seu site cookies de terceiros que captam informações diretamente do usuário, de acordo com suas próprias políticas de privacidade e uso de dados. 

O QUE O BRASIL 61 NÃO FAZ COM SEUS DADOS

– Não monitoramos ou coletamos dados de páginas que não pertencem ao Brasil 61.
– Não compartilhamos ou vendemos para terceiros nenhuma informação identificável.

O QUE VOCÊ PODE FAZER SE NÃO QUISER MAIS QUE SEUS DADOS SEJAM USADOS PELO BRASIL 61

– Caso não queira que o Brasil 61 use nenhum tipo de cookies, altere as configurações do seu navegador. Nesse caso, a exibição de anúncios e mensagens importantes do Brasil 61 e de nossos anunciantes pode ser prejudicada.

– Caso queira deixar de receber algum newsletter ou e-mail de alertas de notícias, basta clicar em “Unsubscribe”, na parte de baixo do e-mail enviado pelo Brasil 61. 

– Caso queira excluir seu usuário e apagar seus dados individuais da base do Brasil 61, basta enviar um e-mail para: privacidade@brasil61.com

 Última atualização: 24 de dezembro de 2020 

Psiquiatria

11/09/2021 04:00h

Pesquisa da Coalizão COVID-19 Brasil, que integra estratégia da OMS para o enfrentamento à Long COVID, mostra que o número de mortalidade geral pós-alta, em 6 meses, chega a 7%

Baixar áudio

Dados do Ministério da Saúde revelam que, até o momento, cerca de 20 milhões de pessoas infectadas com o coronavírus já se recuperam da Covid-19. O problema é que boa parte desses pacientes ainda sofre com as sequelas da doença, mesmo no pós-alta, como explica o médico intensivista e pesquisador do Hospital Moinhos de Vento, Regis Rosa.

“Os pacientes frequentemente apresentam fraqueza muscular, cansaço e, eventualmente, até dor crônica. Os pacientes que tiveram ventilação mecânica podem apresentar lesões na traqueia, redução da sua capacidade física, alteração de memória e também redução da velocidade de raciocínio”, destaca.

O especialista é o representante brasileiro no grupo de trabalho formado pela OMS para o enfrentamento da Long COVID e reabilitação dos pacientes. Um dos estudos elaborados pelo grupo é o Coalisão VII. Dados parciais da pesquisa apontam que o número de mortalidade geral pós-alta, em 6 meses, chega a 7%.

Quando se trata de pacientes que precisaram de ventilação mecânica, esse número é de 24%. A reospitalização geral, no mesmo período, é de 17%, enquanto a de pacientes que necessitaram de ventilação mecânica chega a 40%.

Regis Rosa afirma, ainda, que, tanto pacientes graves quanto de casos leves ou moderados estão sujeitos às sequelas duradouras. Esses problemas, segundo ele, causam prejuízos à saúde física, mental e até social das vítimas, como é o caso de quem não consegue retornar ao trabalho ou aos estudos.

“Eles precisam ser avaliados por um médico, por uma equipe interdisciplinar, para que se faça um diagnóstico e, a partir disso, se estabeleça um plano de reabilitação. Porque grande parte dessas sequelas, tanto em pacientes graves quanto não graves, são reversíveis. Quanto mais rápido o paciente tiver acesso a medidas de reabilitação, mais rápido ele vai recuperar a qualidade de vida”, considera.

O estudo é um dos nove desenvolvidos pela aliança formada por Hospital Israelita Albert Einstein, HCor, Hospital Sírio-Libanês, Hospital Moinhos de Vento, Hospital Alemão Oswaldo Cruz, BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, o Brazilian Clinical Research Institute (BCRI) e Rede Brasileira de Pesquisa em Terapia Intensiva (BRICNet).

Entre as principais sequelas da Covid-19, algumas estão relacionadas à parte psicológica das vítimas. É comum que pacientes que passaram por todos os transtornos provocados pela doença sofram, por exemplo, com ansiedade ou depressão. Os dados parciais da coalizão mostram que casos de ansiedade, seis meses após alta médica, atingem 22% dos pacientes. Já o estresse pós-traumático acomete 11%.

Covid-19 afeta sistema renal das vítimas

Câncer: entenda o diagnóstico

Camila de Oliveira, 31 anos, foi diagnosticada com Covid-19 em outubro de 2020. Ela mora na França e, por lá, nessa mesma época, a pandemia estava no auge da segunda onda e o governo local decretava lockdown. O distanciamento social levou a estudante a ter problemas psicológicos.

“A gente fica angustiada, porque surge um cansaço. Eu não saí da cama e fiquei com medo de não conseguir mais respirar, de ninguém poder me socorrer. Com isso, a gente fica apreensivo, se perguntando se vai ficar em estado grave, se vai parar de respirar durante a noite e não ter ninguém para ajudar”, relata.

Segundo o médico Fabrício da Silva, especialista em cardiologia, clínica médica e emergências clínicas pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e pelo Instituto de Cardiologia do Distrito Federal, os problemas psicológicos relacionados à pandemia não são exclusividade de pessoas que foram infectadas pelo coronavírus.

“Isso não é exclusivo ao paciente que foi acometido pela Covid-19, mas aos familiares que acompanharam de perto internações ou que eventualmente perderam um ente querido. Já temos um tema do transtorno do estresse pós-traumático. O paciente que tem uma internação prolongada em UTI tem depois dificuldade com o sono, transtorno de ansiedade, e que necessitam de um apoio profissional de psicólogo ou de psiquiatras”, pontua.

Copiar o texto
09/07/2021 10:15h

Vice-presidente do Conselho Federal de Psicologia, Anna Carolina Lo Bianco, avalia que casos de ansiedade e estresse em pacientes recuperados também podem estar associados à frustração, já que nem sempre a recuperação é rápida

Baixar áudioBaixar áudio

Os problemas relacionados à Covid-19 vão além das superlotações de unidades de saúde e da redução do ritmo econômico. Segundo a vice-presidente do Conselho Federal de Psicologia, Anna Carolina Lo Bianco, os pacientes infectados com coronavírus, mesmo após a recuperação, podem sofrer com transtornos de ansiedade e até depressão.  

A especialista avalia que esse tipo de transtorno também pode estar associado a uma frustração, já que nem sempre a recuperação é rápida e efetiva, o que causa decepções nesses indivíduos.

“Dependendo da idade, o estado de imobilidade que se fica durante muito tempo, tomando medicamentos muito pesados e às vezes comprometedores do resto das funções, as pessoas ficam com uma debilidade grande pós-covid-19 e isso traz ansiedade. Isso porque eles veem que a recuperação não está se dando num ritmo que esperavam. E, essa recuperação é difícil. Também vejo que as pessoas ficam muito ansiosas e deprimidas”, pontua.

“Falta de acompanhamento médico adequado durante o início dos sintomas pode contribuir para quadros graves da Covid-19”, afirma especialista

Testes para Covid-19 não servem para medir nível de anticorpos, alerta Anvisa

Especialistas e lideranças educacionais defendem retomada das aulas presenciais

Para Anna Carolina, a atenção às pessoas que sofrem com os efeitos da pandemia, infectado ou não, precisa ser ampla, de forma humanizada. Dessa maneira, quem passa pelos problemas se sente mais acolhido e fica menos propenso a desenvolver casos de ansiedade ou depressão. “Isso vai trazer um certo conforto. Quando o paciente se sente amparado, de certa forma, ele tem mais condição de vencer os desafios e cuidar de si”, defende.

Em entrevista exclusiva ao portal Brasil61.com, o médico especialista em cardiologia, clínica médica e emergências clínicas pela Unesp e pelo Instituto de Cardiologia do Distrito Federal, Dr. Fabricio da Silva, afirmou que essas adversidades também afetam os familiares das vítimas do vírus, assim como pessoas que, de alguma forma, não conseguem encarar o atual quadro com mais estabilidade.

“As pessoas ficam muito mais restritas dos seus convívios sociais, dos seus hábitos e hobbies e isso também gera impacto. Assim ficam mais estressadas. Também existe um conceito do transtorno do estresse pós-traumático, bastante comum em condições graves, por exemplo, acidentes, mortes ou pandemias, como a gente está vivendo, na qual o indivíduo tem transtorno psiquiátrico sério, por consequência de uma internação ou de perda de algum familiar”, considera.

Dr. Fabricio da Silva afirmou, ainda, que percebe um trabalho mais humanizado sendo desenvolvido pelos psicólogos do que pelos psiquiatras. “Os psicólogos são muito ativos dentro das UTIs, dentro das internações, mas a psiquiatria em si ainda age pouco e acho que a sociedade brasileira de psiquiatria tem que assumir essa responsabilidade e também puxar para si esse papel de se debruçar sobre esse assunto”, avalia.

Isolamento social x distanciamento social

Com o intuito de evitar a propagação do coronavírus e, consequentemente, o aumento de pessoas infectadas, uma das principais recomendações das autoridades de saúde é manter o distanciamento social. O membro da Comissão de Saúde do Conselho Regional de Psicologia do Distrito Federal, Marcelo Pedra, conta que essa orientação é importante, mas precisa ser interpretada de maneira a não propiciar a aparição de outros problemas como depressão, estresse ou ansiedade.

“A gente não pode falar de isolamento social, mas de distanciamento. Isso não é só um jogo de palavras. Enquanto boa parte da população brasileira não estiver vacinada, é importante que a gente tenha esse distanciamento, mas não que estejamos isolados. O isolamento para o ser humano abre uma porta traumática muito significativa. Então, é fundamental que a gente mantenha os laços, mais distantes, cumprimentando com os cotovelos, cumprimentando à distância. É fundamental que a gente mantenha a relação de pertencimento”, salienta.

Nesse sentido, o conselheiro do Conselho Regional de Psicologia de Minas Gerais, Luiz Felipe Viana, destaca que algo a ser levado em consideração é o momento atual da pandemia, no qual sentir tristeza e ansiedade é normal. Além disso, ele garante que é preciso pensar que nem toda tristeza ou ansiedade nesse contexto se torna patológica. No entanto, ele afirma que quando esses quadros se tornarem extremos e acentuados, a procura por ajuda profissional é indispensável.

“Entre os sintomas que poderíamos dizer em relação a ansiedade estão palpitação, aquela sensação de coração acelerado, suor com frequência, tremor, sensação de falta de ar, desmaio, náusea entre outros. Já na depressão, há uma tristeza intensa, que não é momentânea, perca do interesse pelas atividades que a pessoa costumava fazer na sua rotina. Também mudança no hábito de alimentação”, explica.

Atendimento à família

Dados do Ministério da Saúde reunidos no Painel Covid-19 do Brasil 61 mostram que o país ultrapassou a marca de 525 mil óbitos por Covid-19 e soma mais de 18.700 milhões casos confirmados da doença. Diante desse quadro, o vice-presidente do Conselho Regional de Psicologia do Maranhão, Eliandro Araújo, afirma que o sofrimento dos familiares dessas vítimas é algo natural.

Nesse sentido, Araújo ressalta que o atendimento de psicólogos aos parentes e amigos das pessoas que morreram em decorrência da Covid-19, assim como de quem se encontra em um quadro mais grave, é fundamental. “No caso de pacientes que vêm a óbito, os familiares sofrem o impacto disso e podem ser assistidos pelo psicólogo”, diz.

“A psicologia tem um trabalho muito forte com o luto. Cada evento impacta emocionalmente de uma maneira diferente nas pessoas. É importante ter o olhar do profissional para que ele possa avaliar se aquela tristeza é momentânea ou está caminhando para se tornar um quadro de depressão, por exemplo, para que o psicólogo possa trabalhar exatamente na recuperação dessas emoções”, complementa.

Copiar o texto
Brasil 61