30/11/2022 04:00h

Na Bahia, o Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado da Bahia (Oceb) representa, perante o Estado, os direitos e interesses dos empregadores das cooperativas

Baixar áudio

O Brasil possui 5,4 mil sindicatos patronais cadastrados junto ao Ministério do Trabalho e Previdência. Na Bahia, são mais de 200 organizações do tipo com cadastro ativo. As entidades sindicais são estruturadas em forma de pirâmide. Segue a ordem: Sindicatos, Federações, Confederações e Centrais Sindicais. As confederações atuam em esfera nacional e representam as federações, que atuam em campo interestadual, e os sindicatos precisam de uma base territorial mínima de um distrito para atuar.

Dentro do sistema cooperativista, a Confederação Nacional das Cooperativas (CNCoop) está no topo da pirâmide. Criada em 2005, é o órgão máximo de representação sindical das cooperativas.

“A Confederação Nacional das Cooperativas defende os interesses das cooperativas, enquanto categoria econômica. Quando a gente fala categoria econômica no âmbito do cooperativismo, quer dizer enquanto empregadora. A gente vem para auxiliar e promover a defesa dessas cooperativas. Além disso, também promovemos a integração com os sindicatos das federações que compõem a base da confederação, para que a gente tenha uma atuação mais alinhada, mais homogênea”, explica Bruno Vasconcelos, Coordenador Sindical da CNCoop.

“Além do mais, a gente possui assento junto ao governo para debater as principais políticas trabalhistas a serem implementadas. Enfim, qualquer tipo de discussão que envolva relações de trabalho, cooperativa e empregado, a CNCoop está à frente dessas discussões”, complementa Vasconcelos.

No meio da pirâmide estão as dez federações, como a Federação dos Sindicatos das Cooperativas dos Estados de Alagoas, Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais e Santa Catarina (Fecoop Sulene), que representa e defende as cooperativas com abrangência interestadual e base territorial dos respectivos estados.

Os 50 sindicatos patronais formam a base da pirâmide. Um deles é o Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado da Bahia (Oceb), fundado como Organização em 1970. Desde 1999, representa, defende e auxilia as cooperativas baianas, também, como sindicato patronal. 

“É uma organização que tem 52 anos de representação institucional junto aos governos e à sociedade civil, que representa a vontade das cooperativas do estado da Bahia nas negociações de melhores políticas públicas, e, principalmente, o trabalho de unir as cooperativas no sentido que elas se sintam representadas junto aos governos nos trabalhos do cooperativismo”, explica o presidente do Sistema Oceb, Cergio Tecchio.

A atuação da OCEB, junto à Assembleia Legislativa da Bahia e nas discussões com o Executivo estadual sobre políticas públicas favoráveis, contribuiu para a instituição da Política Estadual de Apoio ao Cooperativismo (Lei 11.362/09), em 2009. 

“É uma lei fruto de toda atuação da Oceb na defesa dos interesses das cooperativas, e é uma lei na qual a gente se apoia muito para defesa dos nossos interesses internos”, destaca Jaqueline Azevedo Gomes, assessora jurídica do Sicoob Central Bahia. Ela conta que sempre recebe apoio da Oceb, especialmente em casos de convenção coletiva, de reajuste salarial e benefícios. 

“A gente precisa de uma representação política para ter esse contato com o Executivo, o Legislativo e o Judiciário. Uma instituição, uma cooperativa, quando vai fazer um acordo coletivo com um sindicato ou quando precisa que uma norma a atenda, quando precisa de um apoio de capacitação maior, ter um sindicato que tem ‘know-how’, que tem a penetração junto a outros órgãos e que represente melhor, isso é muito importante”, ressalta Jaqueline.

Como sindicato patronal, o presidente destaca que o trabalho da Oceb é focado em representar todas as cooperativas do estado da Bahia nas negociações coletivas com a representação de trabalhadores das cooperativas, desde 2010.  Todo esse esforço é para garantir trabalho e desenvolvimento econômico e social no segmento econômico. 

“Todos os anos, é realizado esse trabalho com data-base em 1º de janeiro de cada ano. Então, é feito uma assembleia, tanto pelos trabalhadores, como pelas cooperativas baianas, e são levadas as propostas para serem  feitas as negociações. Isso traz para o cooperativismo baiano uma tranquilidade aos seus dirigentes, a seus funcionários, de que temos uma relação de trabalho muito salutar no cooperativismo do estado da Bahia. Isto é muito bom para todas as partes”, esclarece Cergio Tecchio.

Legislação e função

Previstas na Constituição Federal de 1988 e regulamentadas pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), essas entidades sindicais representam, perante o poder público e a sociedade civil, os direitos e interesses dos empregadores de um mesmo segmento econômico. Uma das principais funções é garantir o ambiente de negociações, em convenções coletivas de trabalho.

COOPERATIVISMO: funções dos sindicatos patronais

O Coordenador Sindical da CNCoop, Bruno Vasconcelos elenca as principais funções dos sindicatos patronais: 

  1. Função negocial: participar e auxiliar na construção de convenções coletivas de trabalho, para promover um ambiente mais seguro das relações de trabalho;
  2. Função Assistencial: prestar assistência jurídica, realizar assembleias e reuniões, apoio na elaboração da reforma estatutária da cooperativa;
  3. Função de Colaboração: atuar como um órgão de colaboração especialmente na questão trabalhista sindical, em órgãos do governo e privado. Participar de debates e consultas públicas, dando as suas contribuições e atuando de maneira ativa para gerar um ambiente mais seguro para as cooperativas.
  4. Função de Representação: representar e defender o interesse das cooperativas perante o governo e instituições privadas. 

Para mais informações acesse somoscooperativismo-ba.coop.br e as redes sociais do Sistema Oceb.

Copiar o texto
23/11/2022 18:11h

Em 2021, o faturamento das cooperativas baianas apresentaram acréscimo de quase 20% em relação a 2020, totalizando R$ 6,4 bilhões.

Baixar áudio

Após dois anos de pandemia, muitos negócios ainda estão recuperando seu lugar no mercado. Mesmo os consolidados, como da Cooperativa Agropecuária Familiar de Canudos, Uauá e Curaçá (Coopercuc), fundada há 18 anos, sentiram o impacto econômico negativo em 2020. 

“Tivemos uma queda de cerca de 78% do faturamento das nossas receitas. Isso obrigou a gente a se reposicionar no mercado e buscar novas estratégias para poder sobreviver diante de toda essa dificuldade”, explica Dailson Andrade, gerente geral da cooperativa.

A principal estratégia da Coopercuc é o fortalecimento da agricultura familiar, visto que a cooperativa é fruto da organização popular dos agricultores de Canudos, Uauá e Curaçá, que tinham como objetivo principal valorizar o bioma da caatinga aproveitando suas potencialidades. 

São 283 cooperados que dedicam seu tempo, conhecimento e força de trabalho para produção de doces, geleias, polpas e bebidas alcoólicas oriundos de frutas nativas desse bioma, especialmente o umbu e o maracujá da Caatinga. Esses produtos são comercializados em mercados do Brasil e de países europeus, como França e Alemanha, além da loja online.

Apesar das dificuldades e contando com a dedicação de cada cooperado, a Coopercuc conseguiu ampliar seu lugar no mercado privado, abrindo Centros de Distribuição em Brasília, São Paulo e Salvador, ainda em 2020, e adquiriu novos equipamentos para fortalecer sua agroindústria, em 2021. Assim, a cooperativa já recuperou 63% do faturamento. “Esses números são importantes porque mostram que, mesmo na dificuldade, com tudo que foi a pandemia, o cooperativismo se reinventa”, analisa Dailson.

Essa retomada econômica reflete nos índices do cooperativismo a nível estadual. Em 2021, os ingressos – também chamado de faturamento – das cooperativas baianas apresentaram acréscimo de quase 20% em relação a 2020, totalizando R$ 6,4 bilhões. Os dados são do Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado da Bahia (Oceb), órgão que representa as cooperativas do estado perante o poder público e a sociedade civil, e também é sindicato patronal.

De acordo com o presidente do Sistema Oceb, Cergio Tecchio, o cooperativismo na Bahia apresenta constante potencial de expansão. “Nós crescemos em média quase 20% em todos os nossos indicadores econômicos nesse período [de pandemia]. A perspectiva é crescer cada vez mais, pois nosso trabalho dentro do Sescoop/BA e da Oceb para capacitação da governança e da gestão, e dos profissionais que trabalham no cooperativismo, vem crescendo e está começando a dar resultado”, afirma.

O presidente também destaca que dentre os sete ramos estabelecidos dentro do cooperativismo, o Agropecuário, de Crédito e de Saúde se mostram mais resilientes e continuaram crescendo no estado. “Eles se destacaram devido à postura dos dirigentes das cooperativas, dos seus gestores, enfim, dos próprios cooperados que procuraram as cooperativas, principalmente na área de crédito, para realização de negócios. O agropecuário pela sua característica de produção de alimentos, essa atividade não pôde parar e o cooperativismo cresceu junto com seus cooperados, junto com sua comunidade, para gerar alimentos para a população. Saúde também se destacou, pois os cooperados fizeram parte fundamental para superação dos problemas causados pela pandemia”, explica. 

Outro indicador financeiro positivo de 2021 foi o de lucro – ou sobras, na linguagem cooperativista. Foram R$ 99,6 milhões, um acréscimo de 24% em relação a 2020. No cooperativismo, essas sobras representam o resultado positivo anual e devem ser distribuídas aos associados/cooperados proporcionais aos serviços utilizados. Ou seja, em uma cooperativa de crédito, por exemplo, quanto mais o cooperado utiliza os produtos ou serviços, como conta corrente, investimentos e operações de crédito, mais ele ganha.

Com a volta da normalidade no pós-pandemia, as expectativas para os índices de 2022 são boas. “Continuamos fazendo nosso trabalho, nossos cursos e eventos, com isso nós vamos ganhando, cada vez mais conhecimento para ter mais competitividade e levar as cooperativas, de uma forma sustentável, para   atender a sua comunidade, aos seus cooperados e seus familiares”, pontua Cergio Tecchio.

Lá na Coopercuc, Dailson garante que os planos já estão sendo traçados. “Para 2023 a 2025, o nosso planejamento é ultrapassar a meta de R$ 4 milhões de faturamento ao ano. E, em 2025, também queremos chegar a 500 cooperados e consolidar a Coopercuc com uma cooperativa modelo para agricultura familiar no Brasil”, complementa. 

Panorama nacional do cooperativismo

O cooperativismo também cresceu a nível nacional. Em 2021, o ativo total, que é a soma dos recursos que existem dentro das cooperativas ao final de cada ano, alcançou a marca de R$ 784,3 bilhões, um aumento de 20% em relação a 2020. Os ingressos somaram R$ 524 bilhões, 26% maior na comparação. Os dados são do Anuário Coop 2022, divulgado pelo Sistema OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras), órgão máximo de representação do cooperativismo no país.

Os destaques nacionais entre os sete Ramos são Crédito e Saúde, assim como na Bahia, mas também vale ressaltar o Ramo Infraestrutura:

  • Crédito: As cooperativas do ramo somaram R$ 518 bilhões em ativos totais. As sobras (lucros) totalizaram mais de 10 bilhões. 
  • Saúde: As cooperativas do ramo somaram R$ 53 bilhões em ativos, um aumento de 9% em relação a 2020. Os ingressos foram de R$ 89 bilhões, 17% a mais que no ano anterior.
  • Infraestrutura: As cooperativas do ramo somaram R$ 6 bilhões em ativos totais, um aumento de 23% em relação a 2020. Os ingressos totalizaram R$ 4 bilhões, 16% a mais que no ano anterior.

Outro ponto positivo que ajudou na retomada econômica do cooperativismo foi a geração de empregos. Enquanto a taxa média de desocupação no Brasil atingia 11,1%, resultando em mais de 12 milhões de pessoas desempregadas, o movimento gerava 493.277 empregos diretos, um aumento de 8% frente a 2020. Com destaque para o Ramo Agropecuário, que criou 16,1 mil empregos, e o Ramo Saúde, com 10,2 mil, somente em 2021. 

“É um movimento que traz muitos impactos positivos para vida dos brasileiros. Ele impacta o cooperado, ou seja, o associado da cooperativa, os colaboradores, ou seja, os funcionários que trabalham na cooperativa. Aonde ele está inserido ele traz benefícios para todas as pessoas que estão, de alguma forma, envolvidos nesse movimento de cooperação”, afirma Samara Araújo, gerente de comunicação do Sistema OCB.

Por fim, o cooperativismo injetou mais de R$ 17 bilhões em tributos nos cofres públicos, que são revestidos em melhorias e avanços para toda sociedade. Outros R$ 18 bilhões foram destinados ao pagamento de salários e benefícios, impulsionando o poder de consumo dos colaboradores e de suas famílias. 

Para mais informações, acesse somoscooperativismo-ba.coop.br e as redes sociais do Sistema Oceb.

Copiar o texto
21/11/2022 04:00h

Diferente dos outros modelos de sociedade, que visam sobretudo a obtenção de lucros, as cooperativas atendem as necessidades de seus membros e as demandas das comunidades onde estão presentes.

Baixar áudio

Segundo o Código Civil, no Brasil existem dois tipos de sociedades: as sociedades simples e as sociedades empresárias. As Cooperativas são classificadas como sociedades simples, porém, seus atos constitutivos devem ser registrados na Junta Comercial do Estado, na Bahia – Juceb. Para que uma cooperativa possa ser constituída é obrigatório a participação de, no mínimo, 20 (vinte) pessoas físicas. Se for cooperativa do ramo trabalho, poderá ser constituída com, no mínimo, 07 (sete) pessoas.

Para facilitar a representação, organização e atuação junto ao governo, o Sistema OCB distribuiu as cooperativas em ramos, que são: Agropecuário, Consumo, Crédito, Infraestrutura, Saúde, Transporte, ou de Trabalho, Produção de Bens e Serviços. No Brasil, são 4,8 mil cooperativas registradas, segundo o Anuário do Cooperativismo Brasileiro 2022, da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB). Na Bahia, segundo o anuário, são 185 cooperativas registradas na OCEB, situadas em 58 municípios, totalizando 271.208 cooperados, e geram 3.373 empregos.

Diferente dos outros modelos de sociedade, que visam sobretudo a obtenção de lucros, as cooperativas objetivam atender as necessidades de seus membros e as demandas das comunidades onde estão presentes. Além disso, possuem administração democrática, permitindo o voto e a participação livre de todos, independentemente do capital que cada um possui.

“A cooperativa é uma sociedade de pessoas, sem fins lucrativos e tem como objetivo atender as necessidades dos seus cooperados. Não é uma sociedade de capital, mas usa o capital para viabilizar os negócios dessas pessoas para atingimento dos seus objetivos pelos quais elas se reúnem em cooperativa”, explica Cergio Tecchio, presidente do Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado da Bahia – Oceb, que representa as cooperativas no estado perante o poder público e a sociedade civil.

No município de Barreiras o cooperativismo se mostrou uma escolha acertada, que trouxe prosperidade para um grupo de pais e bancários. Eles montaram, há três décadas, a Cooperativa Educacional de Barreiras (Coopeb). Atualmente, a cooperativa atende cerca de 630 alunos e emprega 100 pessoas, entre professores e profissionais de diversos serviços. De acordo com o presidente da cooperativa, David Schmidt, a receita anual é de R$ 8,2 milhões, sendo que 65% do valor é para pagar os salários dos colaboradores.

Além dos ganhos para a comunidade local, a Coopeb possibilita aos pais e responsáveis ter um vínculo maior na educação dos filhos, na avaliação do presidente.

“Somos uma cooperativa de pais, um pouco diferente do que habitualmente são as escolas. Nós - pais - contratamos professores e colaboradores para capacitar, para dar aula aos nossos filhos. Você pode, como pai, participar da direção, pode participar do alinhamento estratégico, do alinhamento pedagógico. Então, você participa do futuro dos seus filhos e isso é muito legal. Acho que isso é um diferencial de mercado que a cooperativa proporciona”, ressalta.

Segundo a lei que define a Política Nacional de Cooperativismo (Lei 5.764/71), uma cooperativa é formada por “pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir com bens ou serviços para o exercício de uma atividade econômica, de proveito comum, sem objetivo de lucro”. Por isso, os valores são focados na cooperação, transformação e equilíbrio, sempre em busca do desenvolvimento econômico e social, do individual e coletivo.

“O cooperativismo segue um grupo de princípios e valores. Os princípios são sete, mundialmente conhecidos e são definidos pela Aliança Cooperativa Internacional (ACI). A maioria desses princípios são de 1844, quando a primeira cooperativa foi constituída, na Era Moderna”, esclarece Cergio Tecchio.
As 4,8 mil cooperativas registradas no país devem seguir os princípios, quais sejam: de adesão livre e voluntária; gestão democrática; participação econômica; autonomia e independência; educação, formação e informação; intercooperação e interesse pela comunidade.

A gerente de Comunicação e Marketing do Sistema OCB, Samara Araújo, destaca que o cooperativismo está presente em todos os setores da economia. “Está nos alimentos que chegam na mesa dos brasileiros, no transporte de passageiros, no transporte de cargas, na saúde, nos serviços financeiros, geração de energia, infraestrutura, na prestação de serviços.

Todo esse sistema movimentou R$ 784,3 bilhões, em 2021, e injetou mais de R$ 17 bilhões em tributos nos cofres públicos, de acordo com dados do Anuário do Cooperativismo Brasileiro 2022. Além disso, são mais de 18,8 milhões de cooperados que trabalham para o funcionamento das cooperativas, espalhados pelo Brasil. Ainda em 2021, o cooperativismo gerou mais de 493 mil empregos diretos, um aumento de 8% frente ao ano anterior.

Para mais informações acesse somoscooperativismo-ba.coop.br e as redes sociais do Sistema Oceb.

Copiar o texto
02/10/2022 21:10h

Segundo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), cerca de 0,6% das urnas foram substituídas, totalizando 3.222 em todo o país

Baixar áudio

A Operação Eleições 2022 registrou 920 crimes eleitorais em todo o país, neste domingo (2), até às 18h15. De acordo com boletim do Ministério da Justiça e Segurança Pública, foram 310 casos de boca de urna, 60 de compra de votos/corrupção eleitoral, 55 violações ou tentativas de violar o sigilo do voto e 44 ocorrências de transporte ilegal de eleitores. 

Ao todo, 287 pessoas foram presas apenas neste domingo. A operação apreendeu mais de R$ 117 mil e 11 armas de fogo. A pasta confirma 88 incidentes de segurança pública e defesa civil e 29 casos de queda de energia elétrica, sendo 11 somente no estado de Minas Gerais. 

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), das 472.075 urnas de votação, 0,6%, ou 3.222, foram substituídas no Brasil. A corte disse que recebeu 4.872 denúncias de propaganda eleitoral irregular, encaminhadas por meio do aplicativo Pardal, até às 17h deste domingo. 

Operação

A Operação Eleições 2022 visou garantir a segurança dos brasileiros durante a votação. Ela é composta por representantes dos 26 estados e do Distrito Federal, do TSE, das polícias Federal, Civil e Militar, da Polícia Rodoviária Federal (PRF), dos Corpos de Bombeiros Militares, do Ministério da Defesa, da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), das Secretarias de Segurança Pública e Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sedec). 

Segundo o Ministério da Justiça, cerca de 500 mil agentes de segurança pública foram mobilizados neste primeiro turno. A operação conta com 70 mil viaturas, três aeronaves e nove embarcações de prontidão. 
 

Copiar o texto
15/09/2022 04:15h

Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e de Multivacinação para Atualização da Situação Vacinal de Crianças e Adolescentes menores de 15 anos de idade

Baixar áudioBaixar áudio

As Unidades Básicas de Saúde de todo o País estão mobilizadas na Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e de Multivacinação para atualização da caderneta de vacinação da criança e do adolescente. Essa é também mais uma oportunidade de proteger crianças de seis meses a menores de cinco anos de idade contra o sarampo - doença viral aguda grave, transmissível e altamente contagiosa que pode evoluir com complicações e óbito, chama atenção  gestores e profissionais de saúde.

No Brasil, entre janeiro e agosto de 2022, foram registrados mais de 2 mil casos suspeitos de Sarampo, desses, 44 foram confirmados. Destaca-se que em 2016, o país recebeu o certificado de “País livre do vírus do sarampo”. No entanto, em 2018, a doença foi reintroduzida levando à perda da referida certificação em 2019. 

Atenta à saúde dos dois filhos e preocupada com os casos de sarampo, a dona de casa paranaense Patrícia vai levar os pequenos ao posto de saúde para vacinar. A mãe conta que teve o cuidado em manter as cadernetas de vacinação dos pequenos em dia, mesmo durante a pandemia da Covid-19. 

E a Patrícia traz um recado para todos os pais e responsáveis:

“Vacinem! Vacinem, porque tem doenças que já estavam eliminadas no Brasil e que podem voltar. Então, tem que vacinar, sim! Para proteger tanto o seu filho como as outras crianças.”

Segundo a pediatra Natalia, o sarampo é uma doença de alta transmissibilidade. Diante disso, ela reforça a importância da vacinação. Não deixe de proteger seu filho!  

“[A tríplice viral] É uma vacina que está disponível em todos os postos de vacinação do SUS, de forma gratuita”.

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e de Multivacinação vai até o dia 30 de setembro de 2022. São 18 vacinas do Calendário Nacional de Vacinação, do Programa Nacional de Imunizações, que previnem doenças como poliomielite, rubéola, sarampo, caxumba, entre outras. Mantenha o calendário vacinal atualizado! 

A vacina tríplice viral previne contra o sarampo, rubéola e caxumba e está disponível nas, aproximadamente, 40 mil salas de vacina distribuídas em todo o país.

A tríplice viral encontra-se indicada com esquema de duas doses, sendo a primeira, com 12 meses, e a segunda, com 15 meses de idade. Para as pessoas que perderam a oportunidade de receber a vacina quando criança, são recomendas duas doses até os  29 anos de idade. Para pessoas com idade entre 30 e 59 anos, não vacinadas, recomenda-se uma dose da vacina. 

Saiba mais:

Copiar o texto
14/09/2022 04:15h

Contando com o apoio dos gestores e dos profissionais de saúde, o objetivo é proteger a população-alvo e aumentar a cobertura vacinal de crianças e adolescentes que deixaram de receber os imunizantes previstos no Calendário Nacional de Vacinação.

Baixar áudio

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e Multivacinação, vai até o dia 30 de setembro. O esforço é para proteger as crianças e adolescentes  e aumentar a cobertura vacinal nestes grupos.

Essa estratégia da multivacinação foi implementada pelo Ministério da Saúde em 2012. Contando com o apoio dos gestores das três esferas de governo, bem como dos profissionais de saúde, a ação é realizada em um período de um pouco mais de um mês.

Para a pediatra Natalia, essa mobilização é essencial para lembrar aos pais e responsáveis a importância de manter a Caderneta de Vacinação de seus filhos em dia, mesmo depois de crescidos.

"Vamos fazer uma campanha, vamos chamar esse público que por algum motivo esquecem que as crianças crescem e têm que estar fazendo a vacinação de tétano, coqueluche, sarampo. Então, esse chamado para essas campanhas é para poder atualizar todas as situações vacinais e colocar todas essas crianças e adolescentes protegidas contra doenças Imunopreveníveis. E para não permitirmos o retorno, para o nosso meio, de doenças que foram eliminadas.”

O filho da Karina nasceu no período da pandemia de Covid-19. Como médica, ela sabe muito bem a importância das vacinas para o crescimento saudável da criança. Por isso, nunca deixou a caderneta de vacinação desatualizada.

“Isso é uma segurança para nós, pais, que sabemos que é importante ter o calendário de vacinação em dia. Acho de suma importância, pelo desenvolvimento saudável que a minha criança vai ter. E por saber que ela vai estar protegida, que vai ter anticorpos contra determinadas doenças.”

Durante esse período da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e Multivacinação, cerca de 40 mil salas de vacinação em todo o país estarão abertas para aplicar doses de 18 tipos de imunizantes previstos no Calendário Nacional de Vacinação.

Para as crianças e adolescentes estão disponíveis as vacinas BCG; hepatite A, hepatite B; penta; pneumocócica 10-valente; pneumocócica 23-valente; poliomielite inativada(VIP) e poliomielite oral(VOP); rotavírus humano; meningocócica C (conjugada), meningocócica ACWY (conjugada); febre amarela; tríplice viral; tetraviral; tríplice bacteriana (DTP); dupla adulto (dT); varicela e HPV quadrivalente.

A atualização da situação vacinal aumenta a proteção contra as doenças imunopreveníveis, evitando a ocorrência de surtos e hospitalizações, sequelas, tratamentos de reabilitação e óbitos. Todos os imunizantes são seguros e estão registrados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Saiba mais:

Copiar o texto
14/09/2022 04:00h

Pais e responsáveis da cidade de Boa Vista, aproveitem a mobilização nas unidades de saúde do SUS para atualizar a caderneta de vacinas de seus filhos e protegê-los de doenças graves

Baixar áudio

As unidades de saúde do SUS de todo o País já aplicaram mais de 3,6 milhões de doses da vacina contra a paralisia infantil, desde o começo da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e de Multivacinação, iniciada no último dia 8 de agosto.

Em Boa Vista, são mais de 4 mil doses aplicadas contra a pólio. O dado preliminar é do painel montado pelo Ministério da Saúde, com base nas notificações feitas em tempo real por estados e municípios. O público-alvo é de 28 mil bebês e crianças menores de cinco anos. Exemplo a ser seguido por pais e responsáveis de todo o estado é o da Ivanez, que mora na cidade. Ela mantém a caderneta de vacinação dos quatro filhos atualizada. Para ela, vacinar também é uma forma de proteção coletiva.

“A importância de vacinar meus filhos é para proteger contra doenças potencialmente graves, para a proteção individual e coletiva. As vacinas salvam vidas! Portanto, vacine! Proteja o seu filho! A vacinação é um ato de amor e carinho!”

O objetivo da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite, também conhecida como paralisia infantil, é vacinar 95% da população menor de cinco anos de idade. Além de reduzir o número de crianças e adolescentes menores de 15 anos que estão com vacinas atrasadas, com a Campanha da Multivacinação.
A infectologista Joana D’arc alerta: o Brasil apresenta redução nas coberturas vacinais, o que pode ser um risco para a população.

“Essa campanha é importante porque a gente tem tido uma redução muito grande do número de pessoas vacinadas no Brasil e isso faz com que a gente tenha risco de reintrodução de doenças, podendo ter surtos e epidemias de doenças já controladas. Vacinar é um gesto de amor porque a gente tem a certeza de que nossos filhos vão estar protegidos.”

POLIOMIELITE: Entenda os riscos de não vacinar as crianças

CADERNETA DE VACINAÇÃO: Pais devem manter documento atualizado

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e de Multivacinação vai até o dia 30 de setembro nas unidades básicas. Para as crianças e adolescentes estão disponíveis as vacinas BCG; hepatite A, hepatite B; penta; pneumocócica 10-valente; pneumocócica 23-valente; poliomielite inativada (VIP) e poliomielite oral (VOP); rotavírus humano; meningocócica C (conjugada), meningocócica ACWY (conjugada); febre amarela; tríplice viral; tetraviral; tríplice bacteriana (DTP); dupla adulto (dT); varicela e HPV quadrivalente. 

Em Boa Vista, a mobilização acontece em todas as unidades básicas de saúde da capital, das sete e meia da manhã às cinco e meia da tarde.
A atualização da caderneta vacinal aumenta a proteção das crianças e adolescentes contra as doenças imunopreveníveis, evitando a ocorrência de surtos, hospitalizações e óbitos. Todos os imunizantes são seguros e estão registrados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa.

Saiba mais:

Copiar o texto
14/09/2022 03:30h

Pais e responsáveis da cidade de Belo Horizonte, aproveitem a mobilização nas unidades de saúde do SUS para atualizar a caderneta de vacinas de seus filhos e protegê-los de doenças graves

Baixar áudio

As unidades de saúde do SUS de todo o País já aplicaram mais de 3,6 milhões de doses da vacina contra a paralisia infantil, desde o começo da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e de Multivacinação, iniciada no último dia 8 de agosto.

Em Belo Horizonte, são cerca de 47 mil doses aplicadas contra a pólio. O dado preliminar é do painel montado pelo Ministério da Saúde, com base nas notificações feitas em tempo real por estados e municípios. O público-alvo é de cerca de 104 mil bebês e crianças menores de cinco anos.  A Bruna mora na cidade e mantém a caderneta de vacinação do filho em dia.  

“A orientação que eu dou é essa: busque conhecimento. Busque entender o que é [vacina], para que serve, como é o processo. E você vai ver que é o maior benefício que você pode deixar para o seu filho e dar a ele saúde.”

O objetivo da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite, também conhecida como paralisia infantil, é vacinar 95% da população menor de cinco anos de idade. Além de reduzir o número de crianças e adolescentes menores de 15 anos que estão com vacinas atrasadas, com a Campanha da Multivacinação.

A infectologista Joana D’arc alerta: o Brasil apresenta redução nas coberturas vacinais, o que pode ser um risco para a população. “Essa campanha é importante porque a gente tem tido uma redução muito grande do número de pessoas vacinadas no Brasil e isso faz com que a gente tenha risco de reintrodução de doenças, podendo ter surtos e epidemias de doenças já controladas. Vacinar é um gesto de amor porque a gente tem a certeza de que nossos filhos vão estar protegidos.”

CADERNETA DE VACINAÇÃO: Pais devem manter documento atualizado

POLIOMIELITE: Entenda os riscos de não vacinar as crianças

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e de Multivacinação vai até o dia 30 de setembro nas unidades básicas. Para as crianças e adolescentes estão disponíveis as vacinas BCG; hepatite A, hepatite B; penta; pneumocócica 10-valente; pneumocócica 23-valente; poliomielite inativada (VIP) e poliomielite oral (VOP); rotavírus humano; meningocócica C (conjugada), meningocócica ACWY (conjugada); febre amarela; tríplice viral; tetraviral; tríplice bacteriana (DTP); dupla adulto (dT); varicela e HPV quadrivalente. 

Em Belo Horizonte, a mobilização acontece de segunda a sexta-feira em todos os centros de saúde. O endereço das unidades e os horários de funcionamento podem ser consultados no site da prefeitura da capital: prefeitura.pbh.gov.br.

A atualização da caderneta vacinal aumenta a proteção das crianças e adolescentes contra as doenças imunopreveníveis, evitando a ocorrência de surtos, hospitalizações e óbitos. Todos os imunizantes são seguros e estão registrados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa.

Saiba mais:

Copiar o texto
14/09/2022 03:30h

Pais e responsáveis da cidade de Natal, aproveitem a mobilização nas unidades de saúde do SUS para atualizar a caderneta de vacinas de seus filhos e protegê-los de doenças graves

Baixar áudio

As unidades de saúde do SUS de todo o País já aplicaram mais de 3,6 milhões de doses da vacina contra a paralisia infantil, desde o começo da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e de Multivacinação, iniciada no último dia 8 de agosto.

Em Natal, são 5 mil doses aplicadas. O dado preliminar é do painel montado pelo Ministério da Saúde, com base nas notificações feitas em tempo real por estados e municípios.

O público-alvo é de cerca de 41 mil bebês e crianças menores de cinco anos. A Pétala Maria mora na cidade e acredita que a melhor forma de proteger sua filha de 2 anos contra a paralisia infantil é a vacinação. “É fundamental vacinar! Vacina é vida! Sou mãe de uma pequenininha e aconselho as minhas amigas e todo mundo a vacinar, sim! Isso é uma proteção e, como mãe, é o nosso dever proteger e cuidar de nossos filhos.”

O objetivo da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite, também conhecida como paralisia infantil, é vacinar 95% da população menor de cinco anos de idade. Além de reduzir o número de crianças e adolescentes menores de 15 anos que estão com vacinas atrasadas, com a Campanha da Multivacinação.

A infectologista Joana D’arc alerta: o Brasil apresenta redução nas coberturas vacinais, o que pode ser um risco para a população. “Essa campanha é importante porque a gente tem tido uma redução muito grande do número de pessoas vacinadas no Brasil e isso faz com que a gente tenha risco de reintrodução de doenças, podendo ter surtos e epidemias de doenças já controladas. Vacinar é um gesto de amor porque a gente tem a certeza de que nossos filhos vão estar protegidos.”

POLIOMIELITE: Entenda os riscos de não vacinar as crianças

CADERNETA DE VACINAÇÃO: Pais devem manter documento atualizado

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e de Multivacinação vai até o dia 30 de setembro nas unidades básicas. Para as crianças e adolescentes estão disponíveis as vacinas BCG; hepatite A, hepatite B; penta; pneumocócica 10-valente; pneumocócica 23-valente; poliomielite inativada (VIP) e poliomielite oral (VOP); rotavírus humano; meningocócica C (conjugada), meningocócica ACWY (conjugada); febre amarela; tríplice viral; tetraviral; tríplice bacteriana (DTP); dupla adulto (dT); varicela e HPV quadrivalente.

Em Natal, a mobilização acontece nas salas de vacina de todas as unidades básicas de saúde, sempre de segunda à sexta-feira, das oito da manhã às três e meia da tarde. O estado realizará o Dia D de vacinação no próximo sábado, dia 3 de setembro de 2022.

A atualização da caderneta vacinal aumenta a proteção das crianças e adolescentes contra as doenças imunopreveníveis, evitando a ocorrência de surtos, hospitalizações e óbitos. Todos os imunizantes são seguros e estão registrados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa.

Saiba mais:

Copiar o texto
14/09/2022 03:30h

Pais e responsáveis da cidade de João Pessoa, aproveitem a mobilização nas unidades de saúde do SUS para atualizar a caderneta de vacinas de seus filhos e protegê-los de doenças graves

Baixar áudio

As unidades de saúde do SUS de todo o País já aplicaram mais de 3,6 milhões de doses da vacina contra a paralisia infantil, desde o começo da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e de Multivacinação, iniciada no último dia 8 de agosto.

Em João Pessoa, são mais de 13 mil doses aplicadas. O dado preliminar é do painel montado pelo Ministério da Saúde, com base nas notificações feitas em tempo real por estados e municípios.

O público-alvo da vacinação contra a pólio é de 41 mil bebês e crianças menores de cinco anos. De acordo com a prefeitura da cidade, somente no Dia D, ocorrido no último dia 20, foram aplicadas 2,8 mil doses contra a poliomielite.  Em relação às vacinas do calendário básico de imunização das crianças e adolescentes, os postos aplicaram 4,6 mil doses. A Isabel mora na cidade, é mãe de duas crianças, e mantém a caderneta de vacinação dos pequenos em dia. 

“Primeiro pela prevenção. Depois, para não contagiar outras pessoas. É importante vacinar, principalmente por conta do contágio das crianças na escola. Sabe? [A vacinação] É um meio de prevenção tanto para o seu filho quanto para o do próximo.”

O objetivo da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite, também conhecida como paralisia infantil, é vacinar 95% da população menor de cinco anos de idade. Além de reduzir o número de crianças e adolescentes menores de 15 anos que estão com vacinas atrasadas, com a Campanha da Multivacinação.
A infectologista Joana D’arc alerta: o Brasil apresenta redução nas coberturas vacinais, o que pode ser um risco para a população.

“Essa campanha é importante porque a gente tem tido uma redução muito grande do número de pessoas vacinadas no Brasil e isso faz com que a gente tenha risco de reintrodução de doenças, podendo ter surtos e epidemias de doenças já controladas. Vacinar é um gesto de amor porque a gente tem a certeza de que nossos filhos vão estar protegidos.”

POLIOMIELITE: Entenda os riscos de não vacinar as crianças

CADERNETA DE VACINAÇÃO: Pais devem manter documento atualizado

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e de Multivacinação vai até o dia 30 de setembro nas unidades básicas. Para as crianças e adolescentes estão disponíveis as vacinas BCG; hepatite A, hepatite B; penta; pneumocócica 10-valente; pneumocócica 23-valente; poliomielite inativada (VIP) e poliomielite oral (VOP); rotavírus humano; meningocócica C (conjugada), meningocócica ACWY (conjugada); febre amarela; tríplice viral; tetraviral; tríplice bacteriana (DTP); dupla adulto (dT); varicela e HPV quadrivalente. 

Em João Pessoa, a mobilização acontece nas mais de 100 Unidades de Saúde da Família (USF). Há postos de vacinação também nas policlínicas municipais e no Centro Municipal de Imunização (CMI). Localizado na Avenida Ruy Barbosa, s/n, Torre, o centro fica aberto de segunda a sexta-feira, das sete às onze da manhã e do meio dia às quatro da tarde.

A atualização da caderneta vacinal aumenta a proteção das crianças e adolescentes contra as doenças imunopreveníveis, evitando a ocorrência de surtos, hospitalizações e óbitos. Todos os imunizantes são seguros e estão registrados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa.

Saiba mais:

Copiar o texto
Brasil 61