Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o usuário realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Política de privacidade

Nós do Brasil 61 coletamos e usamos alguns dados dos nossos leitores com o intuito de melhorar e adaptar nossas plataformas e nossos produtos. Para isso, agimos conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) e nos esforçamos para sermos transparentes em todas nossas atividades.

Para podermos oferecer melhores serviços e veicular peças publicitárias de nossos anunciantes, precisamos conhecer certas informações dos nossos usuários.

COMO O BRASIL 61 COLETA SEUS DADOS

– Quando você se cadastra e cria um usuário no Brasil 61

Quando você entra no nosso site, fornece informações (dados) para a criação do usuário. Estes dados são usados para orientar a estratégia do Brasil 61 e o desenvolvimento de novos serviços e/ou produtos. Essas informações são fornecidas voluntariamente por você leitor e não são compartilhadas com nenhum terceiro.

– Quando você acessa o site do Brasil 61 (www.brasil61.com.br) ou abre uma de nossas newsletters enviadas por e-mail

O Brasil 61 usa tecnologias como cookies e pixel tags para entender como é a sua interação com as nossas plataformas. Esses dados permitem saber, por exemplo, de que dispositivo você acessa o site ou em que links você clicou e quanto tempo permaneceu lendo as notícias. 

COMO O BRASIL 61 USA OS SEUS DADOS

Nós, do Brasil 61, usamos seus dados sempre com a principal intenção de melhorar, desenvolver e viabilizar nossos próprios produtos e serviços a você leitor.

Seus dados são sempre analisados de forma não individualizada, mesmo os que são fornecidos vinculados seu nome ou ao seu endereço de e-mail. 

Os dados em conjunto são analisados para criar relatórios estatísticos de audiência sobre as páginas, textos e meios de acesso ao site e às newsletters. 

Esses relatórios são compartilhados com nossos anunciantes e patrocinadores e servem para modelar estratégias e campanhas institucionais.

As informações que você fornece durante a criação do cadastro do seu usuário no Brasil 61 são utilizadas para a formulação de estratégia comercial e desenvolvimento de novos produtos e/ou serviços.

Essas informações individualizadas podem ser usadas pelo Brasil 61 para o envio de campanhas comerciais e divulgação de serviços e/ou produtos próprios. Não são compartilhadas com nenhum terceiro.

As informações captadas por meio de cookies e pixel tags são usadas em relatórios internos de monitoramento da audiência e também em relatórios para os anunciantes verificarem a efetividade de suas campanhas. Essas informações não estão vinculadas a nome ou e-mail dos leitores e são sempre avaliadas de forma não individualizada.

O Brasil 61 compartilha informações captadas por meio de cookies e pixel tags com terceiros, como anunciantes, plataformas de redes sociais e provedores de serviço – por exemplo, o serviço de envio de e-mails. O Brasil 61 também em seu site cookies de terceiros que captam informações diretamente do usuário, de acordo com suas próprias políticas de privacidade e uso de dados. 

O QUE O BRASIL 61 NÃO FAZ COM SEUS DADOS

– Não monitoramos ou coletamos dados de páginas que não pertencem ao Brasil 61.
– Não compartilhamos ou vendemos para terceiros nenhuma informação identificável.

O QUE VOCÊ PODE FAZER SE NÃO QUISER MAIS QUE SEUS DADOS SEJAM USADOS PELO BRASIL 61

– Caso não queira que o Brasil 61 use nenhum tipo de cookies, altere as configurações do seu navegador. Nesse caso, a exibição de anúncios e mensagens importantes do Brasil 61 e de nossos anunciantes pode ser prejudicada.

– Caso queira deixar de receber algum newsletter ou e-mail de alertas de notícias, basta clicar em “Unsubscribe”, na parte de baixo do e-mail enviado pelo Brasil 61. 

– Caso queira excluir seu usuário e apagar seus dados individuais da base do Brasil 61, basta enviar um e-mail para: privacidade@brasil61.com

 Última atualização: 24 de dezembro de 2020 

22/01/2021 00:00h

Sistema Fibra auxilia empresários com dúvidas; prazo para envio de sugestões termina em 29 de janeiro

Baixar áudio

Até 29 de janeiro, empresários, empregados, sindicatos e outras categorias podem contribuir com a revisão de seis normas regulamentadoras (NR) que serão atualizadas pelo governo federal.

Tais normas são disposições presentes na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e tratam a respeito das obrigações, direitos e deveres a serem cumpridos por empregadores e trabalhadores com o objetivo de garantir um trabalho seguro. Diante disso, a Gerência de Relações do Trabalho e Apoio Sindical da Federação das Indústrias do Distrito Federal (Fibra) está auxiliando empresários interessados em contribuir com a revisão.

Fiesc abre inscrições para voluntários que queiram elaborar projetos para o terceiro setor

Alunos do Sesi Planalto (GO) desenvolvem solução que impede a proliferação do novo coronavírus em superfícies

Amanda Caroline advogada especialista em direito trabalhista afirma que as normas devem ser seguidas por todo o setor produtivo e elas trazem vantagens tanto para empregadores, como para empregados.

“As normas regulamentadoras são orientações de cunho obrigatório para todas as empresas. Elas versam sobre segurança e mecanismos que garantam que a integridade física do trabalhador seja respeitada no ambiente de trabalho.  Elas beneficiam ambas as partes”, explica.

As revisões em aberto pelo governo federal abarcam diversos segmentos produtivos, como mineração, plataformas de petróleo e empresas de carne e derivados. A revisão de normas de Segurança e Saúde no Trabalho pelo governo federal começou em 2019.  Ao todo, 11 disposições já foram modificadas e, atualmente, 36 normas estão em vigor. 

Amanda explica que a formulação dessas determinações segue um caminho mais simplificado, em comparação à elaboração de leis. “As normas regulamentadoras seguem o sistema tripartite, ou seja, três partes são ouvidas no momento da criação. Essas partes são compostas por representantes do governo, de trabalhadores e de empregadores.”

Trâmite

As revisões podem ser enviadas diretamente para www.gov.br/participamaisbrasil. Cada tenham dúvidas, os empresários podem entrar em contato com a Gerência de Relações do Trabalho e Apoio Sindical da Federação das Indústrias do Distrito Federal (Fibra) pelo telefone (61) 3362-6115, de segunda à sexta, das 9h ao meio-dia e das 13h às 18h, ou por e-mail: assessoriasindical@sistemafibra.org.br

Copiar o texto
21/01/2021 00:00h

Informação foi dada pela Fieac; Senai e Sebrae do estado promovem cursos de capacitação para profissionais da área

Baixar áudio

Apesar da crise econômica ocasionada pela pandemia do novo coronavírus, a venda das indústrias de cerâmica do estado do Acre cresceram no ano passado. A constatação foi feita pela Federação das Indústrias do Estado do Acre (Fieac). Um balanço do segmento ainda precisa ser fechado. 

Por meio do “Reage, Indústria”, o Senai do Acre, em parceria com o Sebrae, está promovendo uma capacitação com empresas do setor cerâmico nos municípios de Rio Branco, Brasiléia, Cruzeiro do Sul e Acrelândia.

Márcio Agiolfi, presidente do Sindicato das Indústrias Cerâmicas do Estado do Acre (Sindicer/AC), afirma que, para este ano, o segmento possui boas perspectivas. “O setor de cerâmica tem se preparado. Entre agosto e dezembro, houve uma aquecida no mercado e isso trouxe bastante confiança no empresário e apostamos que 2021 seja um ano muito bom”, relatou.

De acordo com a Fieac, as indústrias do segmento no estado possuem diversos entraves, como por exemplo o alto custo da energia e o fato da lenha utilizada para a queima da cerâmica ter de ser comprada de Rondônia. Tais fatores contribuem no aumento do produto que é vendido no mercado local. 

Somado a isso, devido a um longo período chuvoso no estado, Agiolfi explica que a construção civil no Acre apresenta bons resultados durante seis meses do ano. “Aqui há uma sazonalidade, em que o setor da construção civil funciona mesmo de julho até dezembro. No resto do ano, o segmento apresenta uma redução de até 40%”, diz. 

Fiesc abre inscrições para voluntários que queiram elaborar projetos para o terceiro setor

Inflação

O Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), indicador do IBGE que mede a inflação no setor, fechou 2020 com alta de 10,16%.  Em 2019, o índice havia aumentado 6,13%. O custo nacional por metro quadrado fechou 2020 com o valor de R$ 1.276,40, sendo R$ 710,33 relativos aos materiais e R$ 566,07 à mão de obra.

Copiar o texto
13/01/2021 14:00h

Segundo o Ministério da Saúde, foram encontradas mutações nessa variante do coronavírus

Baixar áudio

A Fiocruz Amazônia investiga a variante do coronavírus encontrada em quatro pessoas que estiveram no estado. Segundo os pesquisadores, provavelmente essa variante resulta de uma linhagem do vírus que circula no estado do Amazonas.

A linhagem foi identificada por pesquisadores do Japão em quatro viajantes que vieram para a Amazônia. Felipe Naveca, que lidera a pesquisa, afirma que ainda é necessário medir a circulação dessa variante para, dessa forma, estimar se ela impactou no aumento de casos do novo coronavírus no estado.

RJ terá regulação única de leitos de Covid-19, entre estado, prefeitura e Ministério da Saúde

A nota técnica da Fiocruz Amazônia explica que essa variante circula no estado desde abril do ano passado. Até o momento, segundo o Ministério da Saúde, já foram constatadas 12 mutações nessa variante do coronavírus.

Copiar o texto
04/12/2020 01:00h

Dados constam no anuário Multi Cidades, publicado pela Frente Nacional de Prefeitos

Baixar áudio

A participação nos gastos com o Sistema Único de Saúde (SUS) por parte dos municípios vem aumentando ao longo dos últimos anos. Entre 2009 e 2019, a participação desses entes federativos com despesas em ações e serviços públicos de saúde passou de 28% para 31%. Em contrapartida, a presença da União no orçamento da área caiu de 47% para 42%. Nesse período, a participação dos estados se manteve no patamar de 26%. 

Os dados constam no anuário Multi Cidades, publicado pela Frente Nacional de Prefeitos (FNP). Segundo a entidade, “a austeridade fiscal vem levando à diminuição da presença federal no financiamento do SUS ao longo do tempo”.  

De acordo com estudo do Observatório de Informações Municipais (OIM), o total de recursos aplicados pelas prefeituras na área de Saúde no ano passado foi cerca de R$ 164,4 bilhões. Desse total de recursos, 61,76% são provenientes dos cofres
municipais, 34,96% da União e 3,28% dos estados. 

O economista François Bremaeker, autor do estudo da OIM, lembra que o aumento contínuo dos gastos em Saúde pelos municípios não é tão benéfico para os cofres das prefeituras, pois outras áreas acabam perdendo investimentos. Segundo ele, a Constituição Federal prevê que municípios precisam gastar pelo menos 15% do orçamento na área, mas os gestores acabam aplicando até 25%. 

“Obviamente que o aumento na demanda pelo serviço de saúde não é benéfico para as finanças dos municípios. Com isso, as prefeituras têm que gastar além do que haviam previsto”, diz. 

“Poderia se tornar uma grande fragilidade para o SUS o andamento desse tipo de agenda por parte do governo”, afirma especialista em saúde sobre privatização do sistema de saúde

Pandemia

Segundo a FNP, no primeiro semestre deste ano, as despesas com saúde nos municípios tiveram um aumento de 11,5%, comparado ao ano passado. O acréscimo se deu por conta da pandemia do novo coronavírus. O aumento mais significativo ocorreu em municípios da região Norte (16,5%), seguido pelo Nordeste (14,6%), Sudeste (10,7%), Centro-Oeste (9,6%) e Sul (9,2%). 

Para a execução de diversos serviços, entre eles a abertura de leitos de UTI destinados a pacientes com Covid-19, estados e municípios tiveram que recorrer ao Ministério da Saúde, lembra Carla Pintas, professora do curso de Saúde Coletiva na Universidade de Brasília (UnB). “Em especial, os municípios de grande porte tiveram que executar novos serviços, abrir novos leitos e também contratar mais pessoal, mesmo que de forma temporária”, diz. 

Painel mantido pelo Ministério da Saúde com informações relacionadas ao enfrentamento da pandemia mostra que, até o momento, a pasta habilitou 16.068 leitos em todo o País. 
 

Copiar o texto
Brasil
27/10/2020 12:30h

Capital do Piauí é a primeira cidade do País a receber a iniciativa

Baixar áudio

Teresina (PI) será a primeira cidade brasileira a contar com um projeto de mobilidade feito pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). 

De acordo com o governo federal, a ação será realizada em três regiões da capital piauiense, que foram selecionadas para serem conectadas por meio de corredores de transporte público. O estudo para realização das obras foi feito por um consórcio internacional em colaboração com a Prefeitura de Teresina e o Governo do Piauí.

Empresas de ônibus ganham fôlego com suspensão de parcelas do Refrota

As próximas cidades brasileiras a serem contempladas pela parceria entre o Ministério do Desenvolvimento Regional e BID serão Natal (RN), Belo Horizonte (MG) e Brasília (DF)

Copiar o texto
17/10/2020 00:00h

Governo estadual afirma que obras possibilitará diminuição no tempo das viagens

Baixar áudio

Obras em rodovias do Amapá irão possibilitar a diminuição no tempo de viagens de motoristas, segundo o governo do estado. Por meio do Plano Rodoviário Estadual, a rodovia AP-070 terá 36,5 quilômetros asfaltados. Já na AP-340 serão erguidos 55 metros de uma estrutura em concreto armado.

Governo cria sistema para centralizar dados sobre projetos de investimento em infraestrutura

O governo de Amapá também planeja construir pontes ao longo da AP-070. Na rodovia AP-110, será realizada a pavimentação da estrada, entre São Joaquim do Pacuí e o município de Cutias do Araguari. 


 

Copiar o texto
Saúde
22/08/2020 04:00h

Secretaria de Saúde do Amazonas diz que regras permitem maior celeridade em compras públicas

Baixar áudio

A implementação de novas diretrizes para a realização de licitações no governo do Amazonas possibilitou a redução dos preços de produtos e serviços contratados pela Secretaria de Saúde do estado. De acordo com a pasta, todas as aquisições abaixo de R$ 17,6 mil ficam sob a sua responsabilidade e as que estão acima desse valor ficam sob encargo do Centro de Serviços Compartilhados (CSC-AM), órgão responsável pelas licitações no estado.

Senado aprova MP que flexibiliza regras de licitações durante pandemia

Marcellus Campêlo, secretário de Saúde interino do Amazonas afirma que essas regras têm possibilitado maior celeridade, transparência e segurança jurídica nas aquisições da pasta. 

Campêlo cita que, recentemente, foi realizado um pregão eletrônico de utensílios hospitalares cujo preço referência do produto era de R$ 1.070, mas após análise, os materiais foram comprados por R$ 270. 
 

Copiar o texto
14/08/2020 07:00h

Produto é desenvolvido pela Embrapii e pelo Senai

Baixar áudio

A Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) desenvolvem um projeto de filtro de ar condicionado capaz de reter partículas biológicas e evitar que elas se espalhem pelo ambiente. Segundo os pesquisadores à frente do projeto, o filtro pode evitar a dissipação do novo coronavírus.

De acordo com as instituições que financiam a iniciativa, os modelos de ar-condicionado disponíveis no mercado atualmente possuem diferentes tipos de filtros, que apenas atuam como barreira mecânica a poeiras ou partículas maiores suspensas no ar. Além disso, o protótipo de  filtro que está sendo produzido é reutilizável. 

15 projetos contam com apoio do SENAI para frear pandemia da Covid-19

A Embrapii é uma organização social com contrato de gestão com diversos órgãos do governo federal. 
 

Copiar o texto
10/08/2020 14:11h

Cada cidade receberá R$ 180 mil, divididos em três parcelas de R$ 60 mil

Baixar áudio

O Ministério da Saúde liberou cerca de R$ 48,5 milhões que serão destinados a 218 municípios para o enfrentamento à Covid-19. Cada cidade, receberá um total de R$ 180 mil, que serão repassados em um período de três meses. Os repasses estão em uma portaria publicada na última sexta-feira (7). 

Na última semana, a pasta já havia liberado R$ 13,2 milhões para que 277 leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) de 19 municípios continuassem funcionando. Nesse caso, a liberação dos recursos será feita em parcela única. A cidade com o maior número de leitos reabilitados é Fortaleza (CE), sendo que o Hospital Leonardo da Vinci vai receber R$ 2,8 milhões para que 60 leitos continuem atendendo pacientes de forma completa durante o mês. 

O brilho em meio ao caos: como o Samu vem atuando em meio à maior crise sanitária do século

Segundo o Ministério da Saúde, desde maio o governo federal habilitou 11.302 leitos de UTI exclusivos para tratar de pacientes graves ou gravíssimos do coronavírus em todo o Brasil. 

Copiar o texto
Economia
09/08/2020 10:00h

Palácio do Planalto tem reiterado que o setor de Infraestrutura contribuirá para retomada econômica

Baixar áudio

O governo federal recebeu nesta semana as propostas de empresas interessadas em participar dos primeiros leilões de Parcerias Público-Privadas (PPPs) apoiadas pelo Fundo de Estruturação de Projetos (FEP). Os editais estão relacionados a projetos de iluminação pública de Aracaju (SE) e Franco da Rocha (SP).

Foram apresentadas 15 propostas para a PPP de Aracaju e oito para a de Franco da Rocha. Em 10 de agosto, serão recebidas as propostas para projetos de Iluminação Pública em Feira de Santana (BA). Segundo o governo federal, os três municípios terão mais de 100 mil pontos de iluminação modernizados, o que demandará investimentos privados de cerca de R$ 178 milhões.

MDR destina verba para que 84 cidades do Brasil estruturem serviços de iluminação pública

De acordo com o governo, as obras podem proporcionar uma redução de 50% na economia de energia. O Palácio do Planalto tem reiterado que o setor de Infraestrutura será o grande motor da retomada econômica no pós-pandemia. 
 

Copiar o texto