Saúde
13/03/2019 18:14h

Dados do Ministério da Saúde apontam que o público jovem de 20 a 29 anos é o mais afetado pela doença

Baixar áudio

Seis séculos! Isso mesmo. De acordo com registros históricos, desde o século XV a Sífilis circula no mundo. E segundo a Organização Mundial de Saúde, a doença atinge mais de 12 milhões de pessoas no planeta. Em 2016, a Sífilis foi declarada epidemia no Brasil e conforme aponta o Ministério da Saúde, a maior parte dos casos notificados de Sífilis adquirida – aquela transmitida por meio do contato sexual– ocorreu entre jovens de 20 a 29 anos. No Pausa para Saúde de hoje vamos conversar com o médico infectologista Filipe Perini, coordenador-geral de assistência e tratamento HIV/IST do Ministério da Saúde. Acompanhe!

Copiar o texto
Saúde
08/03/2019 17:43h

Fazer testes para ISTs também é uma forma de prevenção

Baixar áudio

O carnaval acabou. E por vezes, surgem sinais e sintomas no corpo que podem indicar a presença de alguma Infecção Sexualmente Transmissível. Se você não lembra ou não tem certeza se usou preservativo durante a relação sexual, ou se teve parceiros desconhecidos, ou por qualquer outra razão está em dúvida se se infectou de alguma forma, procure uma Unidade de Saúde e solicite testes para ISTs. O diretor do departamento de ISTs/Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Gerson Pereira explica quais são eles. 

“Hoje a gente tem testes-rápidos para o HIV, Sífilis e para Hepatite. Esses testes-rápidos são anônimos e você pode fazer sem nenhum constrangimento. Eles têm uma duração e um  resultado muito rápido – de aproximadamente 30 minutos. E a partir dali o paciente ou sai com o diagnóstico definitivo de HIV, ou sai com a suspeição de Hepatite ou Sífilis, para que a gente possa ir para uma Unidade de Saúde fazer a confirmação diagnóstica”.

Uma vez detectada a IST, você será encaminhado para o tratamento indicado. É o que reforça o Gerson Pereira. 
“No caso do HIV, ou no caso da Aids você pode imediatamente começar o tratamento. E logo a partir de três meses, a pessoa que tinha uma carga viral alta já tem uma carga viral indetectável. E isso também é uma medida de prevenção porque a medida em que a carga viral fique indetectável, mesmo que a pessoa não se proteja usando camisinha, a probabilidade dela infectar outra é praticamente nula”. 

Estima-se que mais de 800 mil pessoas vivem com HIV no Brasil. Em média, foram 40,9 mil casos novos nos últimos cinco anos. Portanto, seja no Carnaval ou fora dele, a melhor prevenção contra qualquer IST, é o uso do preservativo. 

“Se a gente pega todas as pesquisas que a gente tem hoje no país, a gente sabe que a maioria da população – são mais de 90% - sabe que a camisinha protege não só do HIV, mas também da Sífilis, da Hepatite, do HPLV, do HPV, da gonorreia...De todas as doenças sexualmente transmissíveis. Então, o conselho é que a gente possa sempre usá-la”.
Neste Carnaval, o Ministério da Saúde distribuiu 12 milhões de camisinhas em todo o país. E durante todo o ano os preservativos estão disponíveis de forma gratuita. Basta procurar um serviço de saúde. Para mais informações acesse: saude.gov.br.

Reportagem, Aline do Valle. 
 

Copiar o texto
Saúde
08/03/2019 12:36h

Acompanhe um bate-papo ao vivo com a coordenadora de Saúde da Mulher, Mônica Nery.

Baixar áudio

Começou nesse 08 de março, os 80 dias de mobilização pela Saúde da Mulher, promovido pelo Ministério da Saúde. O período, que vai até o dia 28 de maio, foi escolhido como forma de relembrar a população do apoio oferecido pelo Sistema Único de Saúde às mulheres de todas as idades. Por isso, a coordenadora-geral do Departamento de Saúde da Mulher do Ministério da Saúde, Mônica Nery, conversou com a gente e deu um panorama das ações, bem como dicas essenciais para o cuidado feminino. Acompanhe!

Copiar o texto
Saúde
07/03/2019 04:34h

A pesquisa Vigitel é realizada pelo Ministério da Saúde desde 2006

Baixar áudio

Se você receber a ligação da equipe de pesquisa do Ministério da Saúde, não desligue. A ligação é oficial e faz parte da Vigitel, uma pesquisa oficial que busca entender hábitos, comportamentos e situação de saúde dos brasileiros. Os dados colaboram para o desenvolvimento de políticas de saúde e também para aprimorar programas de prevenção de doenças e ações de promoção da saúde. 


A pesquisa Vigitel 2019 já começou e vai até o final deste ano. Então, fique atento e saiba como funciona. As ligações serão feitas APENAS para telefones fixos dos 26 estados e Distrito Federal. O questionário leva cerca de 12 minutos.


As perguntas têm como principais temas o hábito de fumar, consumo alimentar e de bebidas alcoólicas, prática de atividade física, presença de diabetes e hipertensão. Também podem existir outros questionamentos não relacionados diretamente à saúde, mas EM NENHUM MOMENTO os pesquisadores vão perguntar número de RG,  CPF, sobrenome, salário, número de conta bancária, endereço residencial, local de estudo e/ou trabalho e seus horários de chegada e saída. Eles também NÃO VÃO SOLICITAR  NENHUM depósito bancário de qualquer valor. 


As ligações são feitas entre segunda e sexta-feira das nove da manhã às nove da noite - do horário de Brasília. Já aos sábados, domingos e feriados o horário para receber as ligações é de dez da manhã às quatro da tarde.  Em 2018, mais de 52 mil pessoas colaboraram. A Vigitel existe desde 2006 e foi criada devido ao grande número de doenças crônicas que afetam a população brasileira. 
 

Copiar o texto
Saúde
06/03/2019 15:52h

nessa edição do Pausa para Saúde, vamos abordar os riscos da prática de tomar remédios por conta própria sem buscar orientação de um profissional da saúde.

Baixar áudio

Medicamentos servem para ajudar a reestabelecer a saúde de pessoas doentes e, por serem feitos com substâncias químicas, mesmo aqueles feitos de para serem mais naturais, podem trazer riscos quando ingeridos de forma inadequada, principalmente quando falamos sobre a automedicação. Por isso, nessa edição do Pausa para Saúde, vamos abordar os riscos da prática de tomar remédios por conta própria sem buscar orientação de um profissional da saúde.

Copiar o texto
Saúde
05/03/2019 07:36h

Até o final de março deste ano, 3,2 milhões de Cadernetas serão enviadas a todos os estados

Baixar áudio

Até o final de março deste ano, o Ministério da Saúde vai enviar mais de três milhões de Cadernetas de Saúde da Criança – Passaporte da Cidadania aos estados e ao Distrito Federal. Ao recebê-las os gestores devem distribuir os documentos nas maternidades públicas e privadas e também nas unidades básicas  de saúde 

Na caderneta os responsáveis reúnem todos os dados da criança que vão desde nome, telefone e endereço, até referências da certidão de nascimento, do cartão SUS e outros. No documento, os pais também podem consultar o calendário básico de vacinação da criança, dicas de amamentação e alimentação. E deixar registrado informações de consultas de saúde bucal, saúde ocular e auditiva. Além de acompanhar o gráfico de crescimento e peso dos filhos desde o nascimento até os nove anos de idade. 

O ideal, é que o documento acompanhe a criança em todas as consultas. E os dados devem ser compartilhados com os profissionais de saúde responsáveis pelos atendimentos. A distribuição da caderneta é gratuita e até o final deste mês estará em todos os estados brasileiros, exceto no Paraná – já que o estado optou por imprimir os documentos dentro do próprio estado. 
 

Copiar o texto
Saúde
05/03/2019 01:00h

"A febre é um alerta, não um mecanismo de defesa", diz o infectologista Leandro Machado.

Baixar áudio

Crianças, jovens, adultos, idosos. Todos já tiveram pelo menos um episódio de febre. Há quem diga que ela é um tipo de defesa. Outros, que é um mal necessário. Já há aqueles que têm medo da reação. Para esclarecer as dúvidas, o infectologista Leandro Machado explica o papel da febre no organismo. 

 “Na verdade, a febre é um alerta, igual a dor. Ela te avisa que alguma coisa não está indo como deveria ir. A grande maioria das bactérias e de vírus têm uma temperatura ótima que eles gostam de ficar – 36,37 graus. O aumento dessa temperatura desnatura as proteínas das baterias ajudando no combate. Mas isso não significa que você deva deixar a pessoa com febre”.

A febre é a resposta fisiológica do nosso organismo que pode ser causada por diversos estímulos. Por exemplo, quando nosso sistema de defesa destrói alguma bactéria, algumas substâncias são liberadas no sangue: os chamados pirógenos. Eles enviam um alerta ao hipotálamo – nosso centro de controle de temperatura localizado no cérebro – que em resposta, aumenta a temperatura do corpo a fim de terminar de destruir os invasores.  Acontece que, da mesma forma como a febre consegue desnaturar – ou seja “derreter” – vírus e bactérias, quando permanece por muito tempo, a febre pode prejudicar o nosso corpo – levando, por exemplo a danos no sistema nervoso central, como alerta o especialista. 

 “A febre leva a um dano. Ela tem que ser enxergada como um alerta de que alguma coisa não está certa. Buscar atendimento médico quando você tiver febre para diagnosticar a causa e não entender ela como um mecanismo de defesa. Ela é um mecanismo de alerta. Ela tem um papel na defesa, mas ela é mais um mecanismo de alerta do que de defesa”. 

Os sintomas da febre devem ser combatidos logo no início. Cuidado: não tome nenhum medicamento sem indicação médica! Lembre-se de que a causa da febre precisa ser estudada e diagnosticada por profissionais capacitados. Em crianças e pessoas com o sistema imunológico comprometido por alguma doença precisam de cuidado redobrado. Saiba mais em: saude.gov.br
 

Copiar o texto
Saúde
01/03/2019 15:38h

Manter a rotina do sono em finas de semana e feriados é fundamental para o rendimento dos pequenos

Baixar áudio

O sono é uma necessidade essencial. Para as crianças ele é mais importante ainda! Com o cérebro descansado, elas desenvolvem melhor a memória, a capacidade cognitiva e também o físico.  Mas o que fazer para que os pequenos consigam ter um sono de qualidade? O segredo está nas pequenas atitudes e em uma palavrinha essencial: rotina. A pediatra Dayse Oliveira dá algumas dicas para que as crianças aproveitem melhor o momento do sono.


 “Uma orientação importante é que se mantenham rituais de sono e que a criança saiba que naquele momento está chegando a hora de dormir.  Então que as brincadeiras sejam mais tranquilas. Usar assim: é hora de tomar o banho, hora de escovar os dentes, uma leitura. A luz já meia luz. Evitar o uso das mídias, da televisão nos momentos que antecedem o sono.  E respeitar bastante o ritmo da criança. No momento em que ela está sentindo sono, que ela já possa estar preparada para dormir”. 

Mas atenção! Todo o esforço pode ir por água a baixo se a rotina não for levada a sério todos os dias da semana. A pediatra explica o porquê.


 “É importante lembrar que não se deve mudar muito a rotina de sono e os hábitos no final de semana e nos feriados pra que o relógio biológico seja respeitado e o sono seja bem aproveitado. Por mais que a criança nesses dias não tem atividades escolares. Mas o corpo precisa do descanso adequado e desse ritmo adequado”.


Aproveitar a energia dos pequenos durante o dia também é essencial. Então, permita que a criança tenha contato com a natureza e atividades ao ar livre. No dia a dia, diminua atividades com grande estímulo como televisão e jogos de celular. Procure alimentar os pequenos com alimentos naturais, pouco ou nenhum açúcar. E lembre-se de dar um bom exemplo. Afinal, hora de dormir é hora de descansar. 

Copiar o texto
Saúde
01/03/2019 15:31h

Acidentes envolvendo menores no trânsito é uma das principais causas de morte em crianças de 0 a 14 anos

Baixar áudio

Segundo levantamento do Ministério da Saúde, só no ano passado, cerca de mil e cem crianças morreram em acidentes de trânsito no Brasil. Por isso, a atenção dos motoristas durante esse período de volta às aulas deve ser redobrada, já que a movimentação de crianças nas ruas aumenta consideravelmente. O fiscal de trânsito Wilson Martins, faz o alerta. 


 “O motorista tem que ficar atento porque a criança é um ser imprevisível. Então como a própria lei já estabelece, eles devem primeiramente ter observância pelas placas de advertência. E em locais onde tem aglomeração como porta de escola, creches – esse tipo de coisa. Eles devem reduzir a velocidade ao se aproximar desses locais. Sendo até uma infração deixar de reduzir a velocidade nesses locais”. 


Mas não é só quem está dirigindo que precisa estar atento. Os responsáveis pelas crianças também precisam ter muita atenção. Não deixe a criança atravessar de um lado para o outro da rua sem segurá-la pelo punho, nem mesmo pelas mãos. Essa é uma medida de segurança para evitar que as mãos escorreguem em uma emergência. E SEMPRE PROCURE uma faixa de segurança para fazer a travessia, como indica o especialista. 


 “O ideal é que sempre procure a faixa mais próxima. A lei, o código de trânsito estabelece que o pedestre deve atravessar na faixa quando a faixa está a menos de 50 metros dele. A forma correta é que o pedestre, a criança, o adulto, ele deve sinalizar e evitar atravessar fora da faixa”. 


Acidentes envolvendo menores no trânsito é uma das principais causas de morte em crianças de 0 a 14 anos –Saiba mais em: saude.gov.br.
 

Copiar o texto
Saúde
27/02/2019 15:54h

É muito possível que o Carnaval seja a festa mais popular, comemorada e aguardada pelo brasileiro. Ao longo do tempo, esses dias de folia se tornaram um elemento emblemático na cultura nacional e, provavelmente, é uma das maiores exposições que o Brasil tem no exterior. Mas apesar de tudo isso, o carnaval não é uma invenção brasileira e muito menos, realizada apenas por aqui. A História do Carnaval remonta à Antiguidade, tanto na Mesopotâmia quanto na Grécia e em Roma, mas como não estamos em um podcast sobre história, vamos ao que interessa, pois o tema dessa edição são os cuidados que devemos ter durante esses dias de festa!

Copiar o texto
Brasil 61