Foto: Arquivo/EBC
Foto: Arquivo/EBC

Reforma Tributária: aprovação é urgente e garante simplificação do sistema de arrecadação de impostos

Para o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), “a reforma tributária é fundamental”, mas “não deve gerar aumento de carga aos contribuintes brasileiros.”


A complexidade do atual sistema tributário brasileiro mantém acesa a discussão sobre a urgência de o País atualizar as regras que tratam da cobrança de impostos. Parlamentares, no Congresso Nacional, tentam aprovar a reforma tributária, que contém, entre outros pontos, itens que visam simplificar o atual modelo. 

Segundo o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), atual presidente da Casa, os congressistas precisam votar a reforma tributária com celeridade, já que se trata de uma temática urgente para o Brasil. No entanto, segundo ele, a reforma precisa atender aos anseios da sociedade.

“A reforma tributária é fundamental, urgente e precisamos simplificar o sistema de arrecadação, mas sem gerar aumento de carga aos contribuintes brasileiros. Há uma comunhão de esforços entre as duas Casas, devidamente alinhada com o poder executivo, para que possa haver a mais ampla possível reforma tributária no Brasil”, avalia. 

Entre janeiro e abril de 2021, a arrecadação do ICMS em Minas Gerais foi de mais de 27 bilhões, ou seja, uma variação positiva de 20,92% em relação ao mesmo período do ano passado. Em 2020, o estado arrecadou cerca de R$ 22 bilhões. Os dados são do Conselho Nacional de Política Fazendária (CONFAZ), do Ministério da Economia

Custo Brasil

Dados de um estudo publicado pelo Movimento Brasil Competitivo (MBC) e associações do setor produtivo apontam que as empresas brasileiras passam por dificuldades, quando comparadas com o mesmo setor de países desenvolvidos. Os impedimentos estão diretamente ligados ao chamado Custo Brasil.

Trata-se de um conjunto de dificuldades estruturais, burocráticas, trabalhistas e tributárias, que travam o crescimento da produção industrial e do comércio, impedindo o desenvolvimento sustentável da economia do País. 

Após questionamento da Undime, FNDE esclarece ajuste realizado nas contas do Fundeb em 2021

Melhorias no ambiente de negócios no País depende da resolução de problemas do Custo Brasil

Governo federal anuncia que Plano Safra 2021/2022 vai contar com R$ 251,2 bi

A pesquisa, que foi encomendada pelo Ministério da Economia, comparou o Brasil com membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).  O resultado aponta que as companhias nacionais pagam R$ 1,5 trilhão a mais para realizarem seus negócios. Esse valor corresponde a 22% do Produto Interno Bruto (PIB).

A complexidade e burocracia do sistema atual contribui para elevação dos custos de fabricação dos produtos brasileiros, cria insegurança jurídica, diminui a competitividade do país no mercado internacional, promove a fuga de investimentos e aumenta o Custo Brasil.

“A reforma tributária pode contribuir para a redução do Custo Brasil. O Brasil é um país com uma das tributações mais complexas do mundo. A reforma tributária é extremamente importante e urgente, porque equaliza os setores em termos de tributação. Assim, a indústria seria beneficiada com menor tributação relativa ao que é hoje, e sabemos a importância desse setor para a geração de emprego e inovações”, avalia Helder Ferreira Filho, especialista em economia. 
 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: A complexidade do atual sistema tributário brasileiro mantém acesa a discussão sobre a urgência de o país atualizar as regras que tratam da cobrança de impostos. Segundo o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), os congressistas precisam votar a reforma tributária com celeridade, já que se trata de uma temática urgente para o Brasil. No entanto, segundo ele, a reforma precisa atender aos anseios da sociedade.

TEC./SONORA: senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG)

“A reforma tributária é fundamental, urgente e precisamos simplificar o sistema de arrecadação, mas sem gerar aumento de carga aos contribuintes brasileiros. Há uma comunhão de esforços entre as duas Casas, devidamente alinhada com o poder executivo, para que possa haver a mais ampla possível reforma tributária no Brasil.”
 

LOC.: Segundo o diretor de Economia e Estratégia da Fiesp, André Rebelo, a reforma também pode ajudar a reduzir o Custo Brasil, relacionado a dificuldades estruturais. Segundo ele, a medida, além de melhorar as negociações internacionais, também contribui para o comércio interno.

TEC./SONORA: André Rebelo, diretor de Economia e Estratégia da Fiesp

“Uma reforma tributária que simplifique o processo de apuração e recolhimento de impostos e que isente o investimento e a exportação, vai reduzir o Custo Brasil e, por tanto, ela vai ajudar na competitividade das empresas brasileiras. Tudo isso vale para o ICMS.”
 

LOC.: Entre janeiro e abril de 2021, a arrecadação do ICMS em Minas Gerais foi de mais de 27 bilhões, ou seja, uma variação positiva de 20,92% em relação ao mesmo período do ano passado. Em 2020, o estado arrecadou cerca de R$ 22 bilhões. Os dados são do Conselho Nacional de Política Fazendária (CONFAZ), do Ministério da Economia. 

Reportagem, Marquezan Araújo
 

NOTA

LOC.: A complexidade do atual sistema tributário brasileiro mantém acesa a discussão sobre a urgência de o país atualizar as regras que tratam da cobrança de impostos.

Segundo o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), os congressistas precisam votar a reforma tributária com celeridade, já que se trata de uma temática urgente para o Brasil. No entanto, segundo ele, a reforma precisa atender aos anseios da sociedade.

Nesse sentido, o parlamentar afirma que “a reforma tributária é fundamental, urgente e precisa simplificar o sistema de arrecadação, mas sem gerar aumento de carga aos contribuintes brasileiros.”

Entre janeiro e abril de 2021, a arrecadação do ICMS em Minas Gerais foi de mais de 27 bilhões, ou seja, uma variação positiva de 20,92% em relação ao mesmo período do ano passado. Em 2020, o estado arrecadou cerca de R$ 22 bilhões. Os dados são do Conselho Nacional de Política Fazendária (CONFAZ), do Ministério da Economia. 

Reportagem, Marquezan Araújo