Foto: Arquivo/EBC
Foto: Arquivo/EBC

Reforma Tributária ampla simplifica sistema e garante segurança jurídica

O atual sistema tributário brasileiro é o responsável pela baixa competitividade do País, pelo quadro de baixo crescimento da economia e pela perda da posição relativa da indústria no PIB


Entre janeiro e junho de 2021, o estado da Paraíba arrecadou um total de R$ 3,79 bilhões de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). O total representa uma variação positiva de 25,77% frente ao mesmo período do ano passado. Em 2020, a Unidade da Federação coletou R$ 3,02 bilhões referentes ao tributo. Os números são do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz).

Mesmo com esse quadro, o deputado federal Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) entende que o Brasil precisa atualizar as regras de cobranças de impostos com urgência. Além disso, o parlamentar defende que Congresso Nacional aprove uma reforma tributária ampla, com a união de impostos federais, estaduais e municiais, com o intuito de simplificar o sistema e garantir segurança jurídica.

“Os principais problemas tributários em relação ao consumo estão exatamente no ICMS, que é o imposto que mais arrecada, e não poderíamos atacar um problema sem atacar outro. Não adianta você mudar uma legislação e permanecer com outras, como aconteceu na história do sistema tributário brasileiro”, avalia.

O atual sistema tributário brasileiro é o responsável pela baixa competitividade do País, pelo quadro de baixo crescimento da economia e pela perda da posição relativa da indústria no Produto Interno Bruto (PIB) nacional. Inclusive a Paraíba pode ser afetada. O estado possui, atualmente, PIB industrial de R$ 8,8 bilhões, equivalente a 0,7% da indústria brasileira. Ao todo, o setor emprega 109.825 trabalhadores na indústria. Os dados dão da Confederação Nacional da Indústria.

PL que proíbe despejos na pandemia aguarda sanção presidencial

Defensoria Pública tem déficit de 4,7 mil profissionais no país

Municípios vão receber mais de R$ 4,8 bi por meio de emendas impositivas ao Orçamento 2021

Diante disso, o professor de Direito Tributário do Ibmec Brasília, Thiago Sorrentino, acredita que somente uma reforma tributária ampla, com inclusão de impostos cobrados pela União, estados e municípios, será capaz de colocar o Brasil nos trilhos do desenvolvimento, com geração de emprego e renda.

“A reforma tributária tem que ser ampla. Não adianta fazê-la de forma pontual, nem fatiada. O Brasil é um dos países que têm a maior carga para se obedecer a legislação tributária. Não me refiro nem ao custo do tributo em si, mas o custo para se saber como pagar corretamente esse tributo. Ele é muito alto e chaga à casa de 1.500 horas por ano para uma empresa média”, considera.

Vantagens

Dados que englobam pesquisas de profissionais renomados, que fazem parte de instituições como o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a LCA Consultores e a Fundação Getúlio Vargas (FGV) apontam que a Reforma Tributária Ampla pode aumentar em até 20% o ritmo de crescimento do PIB do Brasil nos próximos 15 anos.

Esse resultado será consequência de ganhos de competitividade da produção nacional em relação aos competidores externos e da melhor alocação dos recursos produtivos.

De acordo com o IPEA, por exemplo, com as alterações na forma de se cobrar impostos no Brasil, a pressão dos tributos poderá sofrer uma queda para o cidadão de menor renda, contribuindo para a diminuição das desigualdades sociais.
 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Entre janeiro e junho de 2021, o estado da Paraíba arrecadou um total de R$ 3,79 bilhões de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). O total representa uma variação positiva de 25,77% frente ao mesmo período do ano passado.
Mesmo com esse quadro, o deputado federal Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) entende que o Brasil precisa atualizar as regras de cobranças de impostos com urgência.

Além disso, o parlamentar defende que Congresso Nacional aprove uma reforma tributária ampla, com a união de impostos federais, estaduais e municiais, com o intuito de simplificar o sistema e garantir segurança jurídica.
 

TEC./SONORA.: Aguinaldo Ribeiro, deputado federal

“Os principais problemas tributários em relação ao consumo estão exatamente no ICMS, que é o imposto que mais arrecada, e não poderíamos atacar um problema sem atacar outro. Não adianta você mudar uma legislação e permanecer com outras, como aconteceu na história do sistema tributário brasileiro.”
 

LOC.: O professor de Direito Tributário do Ibmec Brasília, Thiago Sorrentino, acredita que somente uma reforma tributária ampla, com inclusão de impostos cobrados pela União, estados e municípios, será capaz de colocar o Brasil nos trilhos do desenvolvimento, com geração de emprego e renda.

TEC./SONORA: Thiago Sorrentino, professor de Direito Tributário do Ibmec Brasília

“A reforma tributária tem que ser ampla. Não adianta fazê-la de forma pontual, nem fatiada. O Brasil é um dos países que têm a maior carga para se obedecer a legislação tributária. Não me refiro nem ao custo do tributo em si, mas o custo para se saber como pagar corretamente esse tributo. Ele é muito alto e chaga à casa de 1.500 horas por ano para uma empresa média.”
 

LOC.: Dados que englobam pesquisas de profissionais renomados, que fazem parte de instituições como o IPEA, UFMG, e FGV, apontam que a reforma tributária ampla pode aumentar em até 20% o ritmo de crescimento do PIB do Brasil nos próximos 15 anos.

Reportagem, Marquezan Araújo