;

Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o usuário realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Política de privacidade

Nós do Brasil 61 coletamos e usamos alguns dados dos nossos leitores com o intuito de melhorar e adaptar nossas plataformas e nossos produtos. Para isso, agimos conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) e nos esforçamos para sermos transparentes em todas nossas atividades.

Para podermos oferecer melhores serviços e veicular peças publicitárias de nossos anunciantes, precisamos conhecer certas informações dos nossos usuários.

COMO O BRASIL 61 COLETA SEUS DADOS

– Quando você se cadastra e cria um usuário no Brasil 61

Quando você entra no nosso site, fornece informações (dados) para a criação do usuário. Estes dados são usados para orientar a estratégia do Brasil 61 e o desenvolvimento de novos serviços e/ou produtos. Essas informações são fornecidas voluntariamente por você leitor e não são compartilhadas com nenhum terceiro.

– Quando você acessa o site do Brasil 61 (www.brasil61.com.br) ou abre uma de nossas newsletters enviadas por e-mail

O Brasil 61 usa tecnologias como cookies e pixel tags para entender como é a sua interação com as nossas plataformas. Esses dados permitem saber, por exemplo, de que dispositivo você acessa o site ou em que links você clicou e quanto tempo permaneceu lendo as notícias. 

COMO O BRASIL 61 USA OS SEUS DADOS

Nós, do Brasil 61, usamos seus dados sempre com a principal intenção de melhorar, desenvolver e viabilizar nossos próprios produtos e serviços a você leitor.

Seus dados são sempre analisados de forma não individualizada, mesmo os que são fornecidos vinculados seu nome ou ao seu endereço de e-mail. 

Os dados em conjunto são analisados para criar relatórios estatísticos de audiência sobre as páginas, textos e meios de acesso ao site e às newsletters. 

Esses relatórios são compartilhados com nossos anunciantes e patrocinadores e servem para modelar estratégias e campanhas institucionais.

As informações que você fornece durante a criação do cadastro do seu usuário no Brasil 61 são utilizadas para a formulação de estratégia comercial e desenvolvimento de novos produtos e/ou serviços.

Essas informações individualizadas podem ser usadas pelo Brasil 61 para o envio de campanhas comerciais e divulgação de serviços e/ou produtos próprios. Não são compartilhadas com nenhum terceiro.

As informações captadas por meio de cookies e pixel tags são usadas em relatórios internos de monitoramento da audiência e também em relatórios para os anunciantes verificarem a efetividade de suas campanhas. Essas informações não estão vinculadas a nome ou e-mail dos leitores e são sempre avaliadas de forma não individualizada.

O Brasil 61 compartilha informações captadas por meio de cookies e pixel tags com terceiros, como anunciantes, plataformas de redes sociais e provedores de serviço – por exemplo, o serviço de envio de e-mails. O Brasil 61 também em seu site cookies de terceiros que captam informações diretamente do usuário, de acordo com suas próprias políticas de privacidade e uso de dados. 

O QUE O BRASIL 61 NÃO FAZ COM SEUS DADOS

– Não monitoramos ou coletamos dados de páginas que não pertencem ao Brasil 61.
– Não compartilhamos ou vendemos para terceiros nenhuma informação identificável.

O QUE VOCÊ PODE FAZER SE NÃO QUISER MAIS QUE SEUS DADOS SEJAM USADOS PELO BRASIL 61

– Caso não queira que o Brasil 61 use nenhum tipo de cookies, altere as configurações do seu navegador. Nesse caso, a exibição de anúncios e mensagens importantes do Brasil 61 e de nossos anunciantes pode ser prejudicada.

– Caso queira deixar de receber algum newsletter ou e-mail de alertas de notícias, basta clicar em “Unsubscribe”, na parte de baixo do e-mail enviado pelo Brasil 61. 

– Caso queira excluir seu usuário e apagar seus dados individuais da base do Brasil 61, basta enviar um e-mail para: privacidade@brasil61.com

 Última atualização: 24 de dezembro de 2020 

Ferrovia. Foto: Beth Santos/Secretaria-Geral da PR
Ferrovia. Foto: Beth Santos/Secretaria-Geral da PR

Concessões de ferrovias devem reduzir custo do transporte e melhorar eficiência logística

Para o deputado federal Hugo Leal, as ferrovias são alternativas logísticas com maior potencial de escoamento da produção brasileira e que, agora, devem ajudar a impulsionar o desenvolvimento econômico do País


O Ministério da Infraestrutura garantiu mais de R$ 31 bilhões de investimentos contratados para as ferrovias brasileiras em pouco mais de dois anos. Os próximos objetivos são os avanços nas obras dos trechos 2 e 3 da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol) e a construção da Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (Fico). 
 
Para o deputado federal Hugo Leal (PSD-RJ), as ferrovias são alternativas logísticas com maior potencial de escoamento da produção brasileira que devem atrair investimentos, impulsionando assim o desenvolvimento econômico do País.
 
“Com todos os investimentos previstos através das concessões, nossa malha ferroviária pode dobrar e chegar a trinta por cento da matriz de transporte na próxima década. Isso significaria duplicar a malha ferroviária do país, reduzindo o custo do transporte, melhorando a eficácia e a eficiência logística”, afirmou.


 
O parlamentar avaliou ainda que o sucesso do investimento no transporte ferroviário de carga pode também, a médio prazo, criar uma alternativa de transporte passageiro através de ferrovias, como na Europa e nos Estados Unidos, que pode ser replicado também no Brasil.
 
A concessão mais recente realizada no País ocorreu em 8 de abril, quando o Ministério da Infraestrutura concedeu à iniciativa privada 537 quilômetros da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol) no trecho ferroviário entre Ilhéus e Caetité, na Bahia. A empresa Bahia Mineração S/A (Bamin) agora é a responsável pela finalização do empreendimento e operação do trecho 1, durante os próximos 35 anos.
 
Ao todo serão investidos R$ 3,3 bilhões no trecho, sendo que R$ 1,6 bilhão será utilizado em 20% restante para a conclusão das obras. Estima-se ainda a criação de 55 mil empregos diretos, indiretos e de efeito-renda ao longo da concessão. 

Leilões de concessões de ferrovias dinamizam a economia, avalia Zé Silva

Diretor da FGV Transportes, Marcus Quintella, avalia resultados da Infra Week

Resultado do leilão dos aeroportos demonstra força do Brasil no olhar de investidores, diz Carlos Viana

Ampliação no segmento

De acordo com dados do Ministério da Infraestrutura, atualmente, a malha ferroviária corresponde a 15% da matriz de transporte brasileira, e há o objetivo de dobrar essa porcentagem nos próximos 10 anos, para reduzir o custo do transporte e melhorar a eficiência logística do agronegócio.
 
O modelo de concessões vem sendo aplicado em situações estratégicas nos últimos anos. Em 2019, o leilão da Ferrovia Norte-Sul, na região central do Brasil, garantiu R$ 2,7 bilhões de investimentos. 
 
Ao longo de 2020, o ministério também viabilizou as renovações antecipadas de contrato com a Rumo, pela Malha Paulista, com mais R$ 5,7 bi, e com a Vale, com mais R$ 8,2 bi pela Estrada de Ferro Carajás (EFC) e R$ 8,8 bi com a Estrada de Ferro Vitória Minas (EFVM).
 
Na visão de Thiago Sorrentino, professor de direito financeiro do IBMEC/DF, as concessões na área da infraestrutura podem ajudar o Brasil nesta situação de crise sanitária, econômica e social, causada principalmente pela pandemia da Covid-19. 
 
“A racionalidade do nosso sistema está baseada na organização pelo mercado, com a intervenção pontual do Estado naqueles momentos ou instâncias em que o mercado não consegue se auto-organizar, seja por algum vício ou seja por alguma deficiência. Então, pode sim ser uma solução viável. Claro, não vai ser suficiente, você precisa ter outras medidas secundárias a essas concessões de infraestrutura, mas elas fazem parte de um plano mais abrangente para conseguir fazer com que o Brasil entre em um rumo mais virtuoso do que ele se encontra agora.”

Destaques

Três ferrovias são observadas pelo governo federal como essenciais para o desenvolvimento. Neste ano, há um destaque para a Fiol. A concessão do primeiro trecho da Ferrovia Oeste-Leste ligará o minério de Caetité ao Porto de Ilhéus, na Bahia. Essa ferrovia tem 570 quilômetros e vai transportar carga agrícola e de minério, as principais da região. 
 
Após o encerramento do leilão, a expectativa é de que o trecho 1 entre em operação em 2025, transportando mais de 18 milhões de toneladas de carga. O Ministério da Infraestrutura ainda calcula que esse volume deve mais que dobrar em 10 anos, superando os 50 milhões de toneladas em 2035.
 
Outro grande projeto da pasta prevê a construção de uma ferrovia ligando a produção do norte do Mato Grosso aos portos de Miritituba, no Pará, pela Ferrogrão. Ela deve contar com quase mil quilômetros de extensão, sendo fundamental para o escoamento da produção de milho e soja da região de Sinop, em Mato Grosso. 
 
A previsão para a ferrovia é chegar a mais de 40 milhões de toneladas sendo escoadas pelo eixo norte na próxima década. Além das novas concessões, o governo federal também pretende renovar antecipadamente, por mais 30 anos, o contrato com a concessionária de ferrovias MRS, que atua na região Sudeste e tem como foco o transporte de minério de ferro e relevância na carga geral que trafega em São Paulo e no Rio de Janeiro. 
 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O Ministério da Infraestrutura garantiu mais de R$ 31 bilhões de investimentos contratados para as ferrovias brasileiras em pouco mais de dois anos. 
 
Para o deputado federal Hugo Leal (PSD-RJ), as ferrovias são alternativas logísticas com maior potencial de escoamento da produção brasileira que devem atrair investimentos, impulsionando assim o desenvolvimento econômico do País.
 
 

“Com todos os investimentos previstos através das concessões, nossa malha ferroviária pode dobrar e chegar a trinta por cento da matriz de transporte na próxima década. Isso significaria duplicar a malha ferroviária do país, reduzindo o custo do transporte, melhorando a eficácia e a eficiência logística."

LOC.: A concessão mais recente realizada no país aconteceu em 8 de abril, quando o Ministério da Infraestrutura concedeu à iniciativa privada 537 quilômetros da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol) no trecho ferroviário entre Ilhéus e Caetité, na Bahia.
 
Na visão de Thiago Sorrentino, professor de direito financeiro do IBMEC/DF, as concessões na área da infraestrutura podem ajudar o Brasil nesta situação de crise sanitária, econômica e social, causada principalmente pela pandemia da Covid-19.
 

“Você precisa ter outras medidas secundando essas concessões de infraestrutura, mas elas fazem parte de um plano mais abrangente para conseguir fazer com que o Brasil entre em um rumo mais virtuoso do que ele se encontra agora.”
 

LOC.: De acordo com dados do Ministério da Infraestrutura, atualmente, a malha ferroviária corresponde a 15% da matriz de transporte brasileira, e há o objetivo de dobrar essa porcentagem nos próximos 10 anos, para reduzir o custo do transporte e melhorar a eficiência logística do agronegócio.
 
Reportagem, Alan Rios e Rafaela Gonçalves
 
 

NOTA

LOC.: O Ministério da Infraestrutura garantiu mais de R$ 31 bilhões de investimentos contratados para as ferrovias brasileiras em pouco mais de dois anos. 
 
Para o deputado federal Hugo Leal (PSD-RJ), as ferrovias são alternativas logísticas com maior potencial de escoamento da produção brasileira que devem atrair investimentos, impulsionando assim o desenvolvimento econômico do País.
 
A concessão mais recente realizada no país aconteceu em 8 de abril, quando o Ministério da Infraestrutura concedeu à iniciativa privada 537 quilômetros da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol) no trecho ferroviário entre Ilhéus e Caetité, na Bahia.

Na visão de Thiago Sorrentino, professor de direito financeiro do IBMEC/DF, as concessões na área da infraestrutura podem ajudar o Brasil nesta situação de crise sanitária, econômica e social, causada principalmente pela pandemia da Covid-19.
 
De acordo com dados do Ministério da Infraestrutura, atualmente, a malha ferroviária corresponde a 15% da matriz de transporte brasileira, e há o objetivo de dobrar essa porcentagem nos próximos 10 anos, para reduzir o custo do transporte e melhorar a eficiência logística do agronegócio.

Reportagem, Alan Rios e Rafaela Gonçalves