Vírus - Foto: Mattthewafflecat/Pixabay
Vírus - Foto: Mattthewafflecat/Pixabay

Saiba diferenciar a gripe da Covid-19

Com o inverno brasileiro chegando as doenças respiratórias aparecem de forma mais intensa e casos da Covid-19 tendem a aumentar


Com o inverno brasileiro chegando as doenças respiratórias aparecem de forma mais intensa. Isso porque as temperaturas caem e as pessoas tendem a ficar confinadas facilitando não apenas a transmissão de vírus e bactérias que causam a gripe, como também a transmissão da Covid-19.

A mudança de temperatura nesse período diminui a umidade do ar, fazendo com que ele fique mais frio e seco, o que agride bem mais as vias respiratórias, tornando-as passíveis de receber agentes infecciosos. “Quanto mais as mucosas são agredidas, mais inflamadas ficam e se tornam suscetíveis a infecção por vírus e bactérias. As secreções do trato respiratório fazem com que as bactérias aumentem, projetando a infecção em outras pessoas”, explica o infectologista e diretor científico da Sociedade de Infectologia do Distrito Federal, José David Urbaez. 

Do ponto de vista comportamental, o frio faz com que as pessoas se mantenham por mais tempo em ambientes fechados e com pouca ventilação. Essa atitude pode aumentar os casos de infecção do coronavírus no outono/inverno brasileiro, que tem início dia 20 de maio. “É esperado um aumento dessa transmissão e aumento no número de casos da Covid-19 nesse período”, afirma Urbaez.

Produtos tecnológicos prometem eliminar o coronavírus

Covid-19: plasma pode ajudar no tratamento de infectados

Vacina em pó é aposta da UFPR contra Covid-19

Segundo o Boletim Epidemiológico n°14 divulgado no final de abril de 2020 pelo Ministério da Saúde, o Brasil tinha 61.888 casos confirmados da doença e 4.205 óbitos. Com a chegada do inverno, que teve início em 21 de junho do ano passado, o boletim n°20 mostrou que o país havia atingido a marca de 1.313.667 pessoas contaminadas e 57.070 mortes. 

Atualmente o país soma mais de 14 milhões e 930 casos, totalizando mais de 414 mil mortes por decorrência do vírus. De acordo com a Saúde, 75.594.620 doses da vacina contra a Covid-19 foram distribuídas pelo Brasil e 45.909.958 pessoas já foram vacinadas. 

Como diferenciar a gripe da Covid-19?

Como o coronavírus apresenta sintomas parecidos com a gripe, as pessoas tendem a confundir as doenças. O infectologista José David Urbaez, explica que são poucas as diferenças entre elas.

A gripe é uma infecção viral causada pela Influenza com diversos sintomas distintos, como respiratório, coriza, congestão nasal, dor de garganta e febre, podendo evoluir para a síndrome respiratória aguda grave. 

A rinite, bastante confundida com outras doenças virais causadas por bactérias, é a inflamação da mucosa nasal, podendo acontecer nas formas aguda, crônica, infecciosa e alérgica. Os casos agudos são causados por vírus.

Com a chegada do frio, a técnica em enfermagem, Patrícia Dannielle, diz que tem pioras no quadro de rinite alérgica e tenta se proteger para a doença não evoluir. “Se pegar friagem sem nenhuma proteção na cabeça logo o meu nariz fica obstruído e tenho que usar soro. Torna-se um ciclo vicioso. Fico tomando antialérgico para melhorar e se não cuidar da maneira correta, pode agravar para uma bronquite.”

Portadora de asma, a brasiliense Lívia Cardoso afirma que o inverno é a época em que mais prejudica sua saúde. “Essa época do ano é terrível, pois é quando tenho crise de asma junto com sinusite. Por conta do frio e pouco sol acabo ficando mal, e não tem remédio que cure.”

Para diminuir os impactos dos sintomas ela costuma sair de casa bem agasalhada, não lava o cabelo a noite e evita tomar bebidas geladas.

Em relação aos principais cuidados para não transmitir doenças virais, o infectologista Urbaez destaca que o uso da máscara de proteção sempre foi o melhor caminho, apesar do uso se popularizar apenas durante a pandemia do coronavírus. “As máscaras devem ser usadas por quem está com coriza e tosse. A higienização das mãos também é importante.”

Urbaez indica que a população tome a vacina contra a gripe, que teve início no dia 12 de abril, em todo o país. “Se você está no grupo prioritário da vacinação contra a Influenza, tome a vacina. É uma ferramenta de cuidado importante nesse momento”, alerta.

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Com o inverno brasileiro chegando, as doenças respiratórias aparecem de forma intensa, isso porque as temperaturas caem e as pessoas tendem a ficar confinadas por mais tempo, facilitando não apenas a transmissão de vírus e bactérias que causam a gripe, como também a transmissão da Covid-19. 

Como o coronavírus apresenta sintomas parecidos com uma gripe, as pessoas tendem a confundir os dois. O infectologista José David Urbaez, explica que são poucas as diferenças entre as doenças.

TEC./SONORA: José David Urbaez, infectologista
 

“É muito difícil diferenciar o que acontece clinicamente entre essas viroses, porque todas atacam o sistema respiratório e tem sintomas semelhantes na sua manifestação. Você pode me dizer que talvez a perda do olfato, a perda do paladar, seja um pouco mais específica, de fato é, porque tem um processo inflamatório que pode afetar terminações neurológicas nesses sentidos, mas isso é mais direcionado para a Covid.”

LOC.: Com a chegada do frio muitas pessoas têm pioras em quadros de doenças do trato respiratório. A técnica em enfermagem, Patrícia Dannielle, tem rinite e diz tentar se proteger para a doença não evoluir durante o inverno.

TEC./SONORA: Patrícia Dannielle, técnica em enfermagem
 

“Se eu pegar friagem sem nenhuma proteção na cabeça logo o meu nariz fica obstruído e tenho que usar soro. Torna-se um ciclo vicioso. Fico tomando antialérgico para melhorar minha via respiratória e se eu não cuidar da maneira correta, pode agravar para uma bronquite, piorando o quadro.”

LOC.: A gripe é uma infecção viral causada pela influenza com diversos sintomas distintos, como coriza, congestão nasal e febre. A rinite é a inflamação da mucosa nasal, podendo acontecer nas formas aguda, crônica, infecciosa e alérgica. 

Reportagem, Laísa Lopes