Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o usuário realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Política de privacidade

Nós do Brasil 61 coletamos e usamos alguns dados dos nossos leitores com o intuito de melhorar e adaptar nossas plataformas e nossos produtos. Para isso, agimos conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) e nos esforçamos para sermos transparentes em todas nossas atividades.

Para podermos oferecer melhores serviços e veicular peças publicitárias de nossos anunciantes, precisamos conhecer certas informações dos nossos usuários.

COMO O BRASIL 61 COLETA SEUS DADOS

– Quando você se cadastra e cria um usuário no Brasil 61

Quando você entra no nosso site, fornece informações (dados) para a criação do usuário. Estes dados são usados para orientar a estratégia do Brasil 61 e o desenvolvimento de novos serviços e/ou produtos. Essas informações são fornecidas voluntariamente por você leitor e não são compartilhadas com nenhum terceiro.

– Quando você acessa o site do Brasil 61 (www.brasil61.com.br) ou abre uma de nossas newsletters enviadas por e-mail

O Brasil 61 usa tecnologias como cookies e pixel tags para entender como é a sua interação com as nossas plataformas. Esses dados permitem saber, por exemplo, de que dispositivo você acessa o site ou em que links você clicou e quanto tempo permaneceu lendo as notícias. 

COMO O BRASIL 61 USA OS SEUS DADOS

Nós, do Brasil 61, usamos seus dados sempre com a principal intenção de melhorar, desenvolver e viabilizar nossos próprios produtos e serviços a você leitor.

Seus dados são sempre analisados de forma não individualizada, mesmo os que são fornecidos vinculados seu nome ou ao seu endereço de e-mail. 

Os dados em conjunto são analisados para criar relatórios estatísticos de audiência sobre as páginas, textos e meios de acesso ao site e às newsletters. 

Esses relatórios são compartilhados com nossos anunciantes e patrocinadores e servem para modelar estratégias e campanhas institucionais.

As informações que você fornece durante a criação do cadastro do seu usuário no Brasil 61 são utilizadas para a formulação de estratégia comercial e desenvolvimento de novos produtos e/ou serviços.

Essas informações individualizadas podem ser usadas pelo Brasil 61 para o envio de campanhas comerciais e divulgação de serviços e/ou produtos próprios. Não são compartilhadas com nenhum terceiro.

As informações captadas por meio de cookies e pixel tags são usadas em relatórios internos de monitoramento da audiência e também em relatórios para os anunciantes verificarem a efetividade de suas campanhas. Essas informações não estão vinculadas a nome ou e-mail dos leitores e são sempre avaliadas de forma não individualizada.

O Brasil 61 compartilha informações captadas por meio de cookies e pixel tags com terceiros, como anunciantes, plataformas de redes sociais e provedores de serviço – por exemplo, o serviço de envio de e-mails. O Brasil 61 também em seu site cookies de terceiros que captam informações diretamente do usuário, de acordo com suas próprias políticas de privacidade e uso de dados. 

O QUE O BRASIL 61 NÃO FAZ COM SEUS DADOS

– Não monitoramos ou coletamos dados de páginas que não pertencem ao Brasil 61.
– Não compartilhamos ou vendemos para terceiros nenhuma informação identificável.

O QUE VOCÊ PODE FAZER SE NÃO QUISER MAIS QUE SEUS DADOS SEJAM USADOS PELO BRASIL 61

– Caso não queira que o Brasil 61 use nenhum tipo de cookies, altere as configurações do seu navegador. Nesse caso, a exibição de anúncios e mensagens importantes do Brasil 61 e de nossos anunciantes pode ser prejudicada.

– Caso queira deixar de receber algum newsletter ou e-mail de alertas de notícias, basta clicar em “Unsubscribe”, na parte de baixo do e-mail enviado pelo Brasil 61. 

– Caso queira excluir seu usuário e apagar seus dados individuais da base do Brasil 61, basta enviar um e-mail para: privacidade@brasil61.com

 Última atualização: 24 de dezembro de 2020 

Foto: INEP

Inep investiu quase R$ 70 milhões em medidas contra Covid-19 e garante segurança na aplicação do Enem

Em entrevista exclusiva para o portal Brasil61.com, o presidente do Inep afirma que todas as medidas estão sendo tomadas para evitar disseminação da doença; provas impressas serão aplicadas nos dias 17 e 24 de janeiro


Nos dias 17 e 24 de janeiro, quase seis milhões de pessoas vão tentar uma vaga em universidades públicas de todo o Brasil por meio do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Por conta da pandemia, as provas, que estavam marcadas para o final do ano passado, foram remarcadas para este ano. Entre as novidades, está o Enem Digital, que será feito por 96 mil estudantes nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro. 

Na lista dos itens essenciais para levar nos dias de prova, além da tradicional caneta de corpo transparente de tinta preta, estão também a máscara e o álcool em gel. O presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep/MEC), Alexandre Lopes, ressalta que a autarquia investiu R$ 69 milhões em medidas de prevenção à Covid-19 para que as provas sejam realizadas da forma mais segura possível. 

Em entrevista exclusiva ao portal Brasil61.com, Lopes detalhou quais as medidas tomadas nesse período tão atípico. “A principal foi o distanciamento. Colocamos menos alunos em cada sala, garantindo um espaçamento maior entre eles. O uso da máscara será obrigatório. Tanto os participantes quanto os aplicadores terão que usar a máscara durante todo o período da prova. Além disso, intensificamos a higienização. Vamos fazer uma limpeza maior nas áreas de uso comum, como banheiros, corredores. Também vamos disponibilizar álcool em gel para todos os participantes do Enem e a identificação do aluno será do lado de fora.” 

O presidente do Inep, responsável pelo exame, garante que os 1,7 mil municípios que receberão os alunos nos dias de prova estão amparados pela logística. “A gente fez uma visita prévia às escolas e às instalações. Serão cerca de 14 mil locais de prova neste ano e todos foram visitados previamente. Nós temos, ainda, um trabalho intenso de capacitação dos aplicadores. Algumas capacitações que eram realizadas presencialmente foram feitas a distância, mas foram feitas”, reforça. 

Desigualdade entre alunos de escolas públicas e particulares é acentuada na pandemia

Regulamentação do principal mecanismo de financiamento da educação pública é aprovada na Câmara dos Deputados

Caso o estudante seja infectado poucos dias antes da prova, Alexandre Lopes dá as orientações. Ele lembra que o edital do Enem já prevê casos de doenças infectocontagiosas – a Covid-19 foi inserida nesse rol. 

“Não só por conta da Covid-19, mas no edital do Enem tem uma relação de doenças infectocontagiosas que dá direito ao participante fazer a reaplicação nos dias 23 e 24 de fevereiro. Se ele tiver alguma dessas doenças, na semana anterior ao domingo de prova – e ele pode fazer isso tanto no primeiro quanto no segundo dia de prova – o estudante vai entrar na página do participante, solicitar a reaplicação e juntar a documentação necessária, como exame e/ou laudo médico. A gente vai analisar e pode conceder realização da prova de reaplicação. Isso é para garantir que as pessoas que tenham doença contagiosa não vão ao local de prova, que fiquem em casa, mas não percam o Enem”, tranquiliza. 

Enem Digital

Entre as novidades do exame está a versão digital. Pensada em 2019, antes mesmo da pandemia, a ideia é modernizar a prova e abrir mais opções de datas. “Hoje, o Enem é realizado em uma data só no ano. Milhões de pessoas vão fazer o Enem impresso no domingo agora, mas quem perder essa prova precisa esperar mais um ano para fazê-la novamente. Com a versão digital, podemos realizar mais de uma prova ao longo do ano”, adianta o presidente do Inep.

A previsão é de que o Enem se torne totalmente digital até 2026. Até lá, a transição será feita de forma gradativa. O objetivo também é tornar o Enem mais acessível, já que muitos estudantes precisam se deslocar para cidades vizinhas para tentar a tão sonhada vaga numa federal. 

“Sendo em várias datas, podemos fazer a prova em cidades diferentes e fazer com que o exame chegue a mais municípios – e fique mais próximo do aluno. Muitos alunos têm que se deslocar para outra cidade para fazer a prova, o que pode prejudicar jovens do interior do Brasil. Queremos levar a prova para mais municípios, levar a prova para onde o estudante está”, projeta. 

Acompanhe agora a entrevista na íntegra com o presidente do Inep, Alexandre Lopes. 

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC: Olá, sejam bem-vindos ao Entrevistado da Semana. Eu sou Jalila Arabi e comigo está o presidente do Inep, Alexandre Lopes. Nós vamos falar sobre as provas do Enem, que serão aplicadas ainda neste mês de janeiro. 

Presidente, muito obrigada por nos receber. 

TEC./SONORA: Alexandre Lopes, presidente do Inep
“Obrigado por estar aqui com vocês.”

LOC.: Presidente, para começar, quais as principais medidas de segurança contra a Covid-19 elaboradas pelo Inep para quem vai fazer a prova do Enem?

TEC./SONORA: Alexandre Lopes, presidente do Inep
“A principal foi o distanciamento. Colocamos menos alunos em cada sala, garantindo um espaçamento maior entre eles. O uso da máscara será obrigatório. Tanto os participantes quanto os aplicadores terão que usar a máscara durante todo o período da prova. Além disso, intensificamos a higienização. Vamos fazer uma limpeza maior nas áreas de uso comum, como banheiros, corredores. Também vamos disponibilizar álcool em gel para todos os participantes do Enem e a identificação do aluno será do lado de fora, de modo que só vai entrar no ambiente da sala aquelas pessoas que vão fazer a prova naquele local.” 

LOC.: E o senhor considera que essas medidas também vão funcionar em municípios menores, sem muita estrutura ou pessoas para fazerem uma fiscalização adequada? O que o Inep vai fazer para auxiliar esses municípios?

TEC./SONORA: Alexandre Lopes, presidente do Inep
“Já temos uma experiência de aplicação do Enem em mais de 1,7 mil municípios. Fizemos uma visita prévia às escolas e às instalações, então o consórcio aplicador foi pessoalmente a todos os locais de prova. Serão cerca de 14 mil locais de prova neste ano. Nós temos um trabalho intenso de capacitação dos aplicadores. Nesse ano, algumas capacitações que eram feitas presencialmente foram realizadas a distância, mas foram feitas. Houve todo um trabalho de treinamento, de capacitação com aquelas pessoas que vão participar no dia da aplicação do Enem e reforçando as orientações em relação às medidas de segurança por conta da Covid-19.”

LOC.: Mesmo com a pandemia, essa edição do Enem recebeu mais de 5 milhões e 700 mil inscrições, um aumento de 13% em relação a 2019. A que o senhor atrela isso? 

TEC./SONORA: Alexandre Lopes, presidente do Inep
“Durante o período de inscrição, houve uma maior exposição e discussão na imprensa. Então uma maior divulgação do período [de inscrições do Enem] pode ter ajudado a aumentar a quantidade. A outra medida foi um trabalho que nós fizemos com os secretários estaduais de educação. Junto com o Consed (Conselho Nacional de Secretários de Educação), trouxemos nesse ano de 2020 uma novidade. Todos os dias, a gente mandava para as secretarias um mapa dos inscritos da rede pública por município. O secretário sabia como estava a inscrição dos seus alunos dentro do estado. Então, ele podia trabalhar com sua rede, com seus diretores para que os alunos fossem inscritos. Esse trabalho conjunto com os secretários de Educação foi muito importante e acho que ajudou a aumentar a quantidade de inscritos. Tivemos estados em que a quantidade de inscritos concluintes do ensino médio da rede pública foi 100% maior que em 2019, e acreditamos que foi esse trabalho de parceria nosso com os secretários de Educação.”

LOC.: Caso o candidato descubra que está com Covid-19 pouco antes da prova, o que ele deve fazer? Existe um prazo certo para avisar o Inep? 

TEC./SONORA: Alexandre Lopes, presidente do Inep
“Isso também é uma novidade. Não só por conta da Covid-19, mas no edital do Enem tem uma relação de doenças infectocontagiosas que dá direito ao participante fazer a reaplicação em fevereiro, nos dias 23 e 24 de fevereiro. Se ele tiver alguma dessas doenças, na semana anterior ao domingo de prova – e ele pode fazer isso tanto no primeiro quanto no segundo dia de prova – ele vai entrar na página do participante, solicitar fazer a prova de reaplicação e vai juntar a documentação necessária. Por exemplo: o exame, o laudo médico. A gente vai analisar e pode conceder realização da prova de reaplicação. Isso é para garantir que as pessoas que tenham doença contagiosa não vão ao local de prova, que fiquem em casa, mas não percam o Enem.” 

LOC.: E para tranquilizar os estudantes, o senhor pode reforçar o que é preciso levar no dia das provas? A que horas é preciso chegar para não se atrasar? 

TEC./SONORA: Alexandre Lopes, presidente do Inep
“O tempo de prova e a abertura dos portões são os mesmos das outras edições do Enem. O que ele precisa levar: primeiro, uma caneta transparente de tinta preta. Além disso, é obrigatório o uso de máscara. Ele tem que levar máscara ou mais de uma se ele quiser trocar durante a aplicação. Tem que tomar cuidado também com dispositivos eletrônicos. Implementamos em 2019, e vamos fazer de novo nesse ano, que se algum dispositivo eletrônico tocar durante a aplicação da prova, mesmo que esteja no porta-objetos debaixo da cadeira, o participante será eliminado. Então é importante tomar cuidado, desligar o celular, desligar os alarmes. E levar um documento original com foto. Não é obrigatório, mas a gente orienta que leve o cartão de confirmação porque lá tem o local de prova, para ele não se confundir. Essa é uma sugestão, não é obrigatório. Obrigatório é o uso da máscara, do documento original com foto e o uso da caneta preta de corpo transparente. E ter tranquilidade. Acho que agora, na reta final, tem que ter serenidade, tranquilidade, focar na realização da prova. Nós investimos mais de R$ 69 milhões só em medidas de prevenção à Covid-19. Houve investimento, um grande trabalho de planejamento para que a prova seja aplicada com segurança. O jovem deve se preocupar agora com a prova, fazer uma boa prova e ter um bom resultado.”

LOC.: Presidente, muito obrigada pelos esclarecimentos sobre o Enem. 

TEC./SONORA: Alexandre Lopes, presidente do Inep
“Eu que agradeço, sempre à disposição de vocês.”

LOC: Nós conversamos com o presidente do Inep, Alexandre Lopes. O Entrevistado da Semana fica por aqui. Obrigada pela sua audiência e até a próxima. Tchau!