Foto: divulgação
Foto: divulgação

Gás natural é alternativa de combustível para transportes

Dados do BNDES mostram que o GNV é 50% mais econômico que a gasolina; projeto que prevê nova lei do gás foi aprovado em setembro na Câmara, mas aguarda apreciação no Senado


Em 2017, o consumo de gás natural no Brasil como combustível para transportes foi de quase 5,5 milhões de m3/dia. Segundo dados do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o uso de gás natural veicular (GNV) atende principalmente automóveis de passeio, mas também é usado em ônibus e caminhões. 

A economia com o GNV é de cerca de 50% em relação à gasolina e de 30% em relação ao diesel, mas o uso ainda não é comum. Para o senador Major Olímpio (PSL-SP), líder da legenda no Senado, a nova lei do gás, aprovada em setembro na Câmara dos Deputados, pode destravar o abastecimento de gás natural para toda a população.

“Além disso, vai permitir a exploração por parceiros privados que naturalmente vão investir. Não é atividade filantrópica, logicamente vão ganhar, mas vai gerar uma diminuição muito significativa nos custos ao longo do tempo, tendo em vista deslocamentos menores e uma logística mais eficiente e, por consequência, o barateamento do produto em todo o Brasil”, aposta Olímpio. 

O parlamentar compara a nova lei do gás, que está em discussão no Senado, com a proposta das companhias telefônicas, abrindo a possibilidade de o consumidor escolher a própria companhia. “Toda a população saiu ganhando no final e isso é necessário que se faça. Não para fazer embate político ou partidário. Esse vai ser um dos grandes caminhos. Apesar de algumas obstruções, a nova lei do gás será aprovada pelo Congresso”, projeta o senador. 

“Abertura do mercado de gás natural pode gerar mais de 33 mil empregos nos próximos 10 anos”, afirma Bruno Eustáquio

Aprovada na Câmara, Nova Lei do Gás pode beneficiar economia de Campinas

Projeto pretende dar mais autonomia aos municípios na delimitação das áreas de preservação permanente em áreas urbanas

Especial Covid-19: afinal, o Brasil já está passando pela segunda onda da doença?

Hoje, um dos fatores que limita o uso do gás natural em transportes, por exemplo, é a necessidade de instalar o kit gás no automóvel, já que a fabricação desses veículos no Brasil ainda é inexpressiva, por conta do mercado restrito. 

Meio ambiente 

Em um levantamento feito pela Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres (Abrace), o gás apresenta vantagens em termos de redução de emissão de gases prejudiciais para o meio ambiente, se comparado ao diesel. Os dados mostram diminuição de 23% da emissão de CO2 (causador do efeito estufa); 90% de redução de NOx (nocivos à camada de ozônio); e 85% de diminuição do volume de material particulado (principal componente da fumaça preta). 

Segundo o diretor de eletricidade e gás da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel) e coordenador-adjunto do Fórum do Gás, Bernardo Sicsú, a aprovação do projeto no Senado vai abrir o mercado e baratear custos e preços para a população.  

“Sem dúvida nenhuma, a abertura para novos concorrentes é o que vai melhorar o preço para o consumidor final de gás natural. É apenas com maior número de ofertantes e o aumento dessa oferta que o consumidor encontrará melhores condições”, enfatiza. 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC:  Em 2017, o consumo de gás natural no Brasil como combustível para transportes foi de quase 5,5 milhões de m3/dia. Segundo dados do BNDES, o uso de gás natural veicular (GNV) atende principalmente automóveis de passeio, mas também é usado em ônibus e caminhões. 

A economia com o GNV é de cerca de 50% em relação à gasolina e de 30% em relação ao diesel, mas o uso ainda não é comum. Para o senador Major Olímpio (PSL-SP), a nova lei do gás, aprovada em setembro na Câmara dos Deputados, pode destravar o abastecimento de gás natural para toda a população.
 

TEC./SONORA: Major Olímpio, senador 
“Além disso, vai permitir a exploração por parceiros privados que naturalmente vão investir. Não é atividade filantrópica, logicamente vão ganhar, mas vai gerar uma diminuição muito significativa nos custos ao longo do tempo, tendo em vista deslocamentos menores e uma logística mais eficiente e, por consequência, o barateamento do produto em todo o Brasil.”
 

LOC.: Hoje, um dos fatores que limita o uso do gás natural em transportes, por exemplo, é a necessidade de instalar o kit gás no automóvel, já que a fabricação desses veículos no Brasil ainda é inexpressiva, por conta do mercado restrito. 

Segundo o diretor de eletricidade e gás da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel) e coordenador-adjunto do Fórum do Gás, Bernardo Sicsú, a aprovação do projeto no Senado vai abrir o mercado e baratear custos e preços para a população.  
 

TEC./SONORA: Bernardo Sicsú, presidente da Abraceel
“Sem dúvida nenhuma, a abertura para novos concorrentes é o que vai melhorar o preço para o consumidor final de gás natural. É apenas com maior número de ofertantes e o aumento dessa oferta que o consumidor encontrará melhores condições.”
 

LOC.: Em um levantamento feito pela Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres (Abrace), o gás natural apresenta vantagens em termos de redução na emissão de gases prejudiciais para o meio ambiente, se comparado ao diesel. Os dados mostram diminuição de 23% da emissão de CO2, causador do efeito estufa, e de 85% de diminuição do volume de material particulado, principal componente da fumaça preta.

O projeto que prevê a nova lei do gás está em tramitação no Senado.  

Reportagem, Jalila Arabi.