Dispositivo Intrauterino (DIU) ofertado pelo SUS. Foto: Por: Elmano Pantoja/ Governo do Amapá.
Dispositivo Intrauterino (DIU) ofertado pelo SUS. Foto: Por: Elmano Pantoja/ Governo do Amapá.

DIU: SUS realiza 31,6 mil procedimentos para colocação do DIU em mulheres em idade fértil em 2021

Além do dispositivo intrauterino (DIU), a Atenção Primária do SUS oferece, de maneira gratuita, mais oito métodos contraceptivos. Investimentos da pasta, em 2021, na compra desses métodos, foi de R$ 95 milhões


O Ministério da Saúde investiu mais de R$ 95 milhões na compra de métodos contraceptivos, no último ano. Estão disponíveis nove métodos diferentes, entre eles o Dispositivo Intrauterino (DIU), o qual é considerado seguro e possui longa duração. No ano passado, o Sistema Único de Saúde (SUS) realizou 31,6 mil procedimentos para colocação do DIU em mulheres em idade fértil. 

Além do DIU, o serviço de planejamento familiar também oferece o uso de anticoncepcionais, orais e injetáveis; preservativos femininos e masculinos, dentre outros métodos (veja a lista abaixo).

Métodos contraceptivos disponíveis no SUS

  • Anticoncepcional injetável mensal;
  • Anticoncepcional injetável trimestral; 
  • Minipílula;
  • Pílula combinada;
  • Diafragma;
  • Pílula anticoncepcional de emergência (ou pílula do dia seguinte);
  • Dispositivo Intrauterino (DIU); 
  • Preservativo feminino; 
  • Preservativo masculino;
  • Laqueadura e vasectomia.

As ações do programa têm por objetivo garantir às famílias o direito de ter quantos filhos quiser, no momento que lhes for mais conveniente, com toda a assistência necessária. 

Ministério da Saúde injeta R$ 624 milhões para reestruturar a rede de saúde materna e infantil

Campanha de Doação de Sangue: em 2021, a cada mil brasileiros, apenas 14 foram doadores, o que equivale a 1,4% da população

CUIDA MAIS BRASIL: Últimos dias para gestores do Ceará indicarem municípios beneficiados

O investimento em planejamento familiar faz parte das estratégias para a assistência integral à saúde da mulher dentro do SUS.  Segundo a diretora do Departamento de Ações Programáticas Estratégicas (DAPES), Lana de Lourdes Aguiar Lima, os recursos são destinados a estados e municípios anualmente. “Nós recebemos essas informações do território, qual o método anticoncepcional que eles querem, a quantidade que eles querem, e a partir daí destinamos esse recurso para a compra”, explica. 

DIU: O que é?

O Dispositivo Intrauterino (DIU) é um método contraceptivo não-hormonal ofertado pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Altamente eficaz e de longa duração, é uma excelente opção para mulheres que não estejam programando uma gestação nos próximos anos. Com durabilidade de até 10 anos, pode servir também como um contraceptivo de emergência, quando inserido dentro de cinco dias após o ato sexual sem proteção.

A estudante Maria Eduarda Matos, de 22 anos, colocou o DIU em uma Unidade Básica de Saúde (UBS) em Brasília em maio deste ano e se surpreendeu com a rapidez do processo. Após uma consulta e a solicitação de exames, logo em seguida o procedimento foi agendado. “Eles fizeram uma triagem, o processo é bem tranquilo e rápido.”, contou. 

Desde o segundo semestre de 2021, o Ministério da Saúde tem oferecido  qualificação dos médicos da Estratégia Saúde da Família (ESF) para oferta, inserção e acompanhamento das mulheres que optarem pelo uso do  DIU. A estratégia de ampliação teve destaque na região Norte do país, que já atendeu mais de três mil mulheres. 

DIU: números de procedimentos de inserção feitos pelo SUS 

Ano 2019 (Jan a Dez) - 19.983
Ano 2020 (Jan a Dez) - 14.187
*Ano 2021 (Jan a Dez) - 31.687
*Dados preliminares

Planejamento familiar 

O planejamento familiar faz parte da assistência integral à saúde e deve ser oferecido para todos os brasileiros. A garantia é assegurada pela Lei Federal 9.263/96. É obrigação do Sistema Único de Saúde (SUS) ofertar métodos de contracepção cientificamente comprovados. 

“Além dos métodos de contracepção, o planejamento familiar do SUS inclui o aconselhamento pré-concepcional como cuidado pré-natal. Essa medida visa conhecer as expectativas da mulher em relação à gravidez, além de identificar fatores de risco ou doenças que possam interferir na futura gestação”, destacou a coordenadora-geral de Ciclos da Vida substituta, Dressiane Zanardi Pereira.
 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O Ministério da Saúde investiu mais de R$95 milhões na compra de métodos contraceptivos no último ano. O montante faz parte das estratégias de planejamento familiar para a assistência à saúde da mulher do Sistema Único de Saúde. Atualmente são nove os métodos contraceptivos oferecidos pelo SUS. 

As ações do programa garantem às famílias o direito de ter quantos filhos quiser, no momento que lhe for mais conveniente, com toda a assistência necessária.

Segundo a Dra. Lana de Lourdes Aguiar Lima, ginecologista, obstetra e diretora do Departamento de Ações Programáticas Estratégicas (DAPES), os recursos são destinados a estados e municípios anualmente.
 

TEC./SONORA.: Lana Aguiar, diretora do Departamento de Ações Programáticas Estratégicas do Ministério da Saúde

“Então a gente recebe essas informações do território, qual é o método anticoncepcional que eles querem, a quantidade que eles querem, e aí a gente destina esse recurso para a compra.”
 

LOC.: No ano passado, foram mais de 31 mil procedimentos para a colocação do DIU, o dispositivo intrauterino em mulheres. Esse método é seguro e de longo prazo, por isso o Ministério da Saúde quer ampliar o seu uso dentro do SUS.

A estudante Maria Eduarda Matos, de 22 anos, colocou o DIU em uma Unidade Básica de Saúde (UBS), em Brasília, em maio deste ano, e se surpreendeu com a rapidez do processo. Após uma consulta e a solicitação de exames, logo em seguida o procedimento foi agendado. 
 

TEC/SONORA: Maria Eduarda Matos, estudante

“Eles fizeram uma triagem, o processo é bem tranquilo, é rápido.”
 

LOC.: Desde o segundo semestre de 2021, o Ministério da Saúde tem oferecido  qualificação dos médicos da Estratégia Saúde da Família (ESF) para oferta, inserção e acompanhamento das mulheres que optarem pelo uso do  DIU. 

A estratégia de ampliação teve destaque na região Norte do país, que já atendeu mais de três mil mulheres. 

Reportagem, Rafaela Gonçalves