Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

COVID-19: Ministério da Saúde declara oficialmente fim da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional

De acordo com o ministro Marcelo Queiroga, na prática, não haverá muitas mudanças na rotina de combate à Covid-19


O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, assinou nesta sexta-feira (22) uma portaria que declara oficialmente o fim da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (Espin) causada da pandemia da Covid-19. A determinação entrará em vigor 30 dias após a publicação no Diário Oficial da União, o que deve ocorrer ainda hoje.  

O estado de Emergência de Saúde Pública de Importância Nacional por conta da Covid-19 passou a valer em fevereiro de 2020. A partir dos termos da norma, os governos federal, estaduais e municipais adotaram uma série de medidas. Entre elas, o uso obrigatório de máscaras e a autorização emergencial para vacinas.

"Sei que os secretários de estados e municípios pediram tempo maior. Não vejo muita dificuldade para que secretarias estaduais e municipais se adequem ao que já existe na prática. Porque o ato normativo só vem ratificar o que já existe na prática. Como falar de emergência sanitária se hoje está acontecendo carnaval em várias cidades do Brasil?", destacou o ministro

A estimativa do Ministério da Saúde é que, com o fim da emergência em saúde pública no Brasil, cerca de duas mil normas caiam em todo o país, como a possibilidade de comprar medicamentos e insumos médicos sem licitação. Entre as medidas que poderão ser afetadas a partir da decisão está o uso obrigatório de máscara.

O que muda com a portaria?

De acordo com o ministro Marcelo Queiroga, na prática, não haverá muitas mudanças na rotina de combate à Covid-19. No entanto, a medida retira parte da autonomia de prefeitos e governadores durante a pandemia.

"Não muda muita coisa já que a principal política foi a vacina. Outras ações, como a atenção primária na saúde, que foi reforçada, ela não irá diminuir. O que muda é essa questão de se restringir as liberdades individuais à mercê da opinião de um gestor municipal. Isso cria mais divergência do que uma situação efetiva de combate à situação pandêmica no Brasil", disse. 

COVID-19: Mesmo com fim de emergência em saúde, pesquisadores defendem necessidade de transição para o fim da epidemia

Anorexia: o que é e quais são as características

Morango em produção integrada promove o desenvolvimento sustentável, revela MAPA

Em meio ao movimento para flexibilizar medidas pelo fim da emergência, o Ministério da Saúde enviou propostas à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para que nenhuma estratégia seja prejudicada.

Entre elas, está a solicitação para manutenção de autorização de uso emergencial dos insumos, como vacinas contra Covid-19. Também houve pedido de prioridade na análise de solicitações de registros e manutenção da testagem rápida nas farmácias.

Na última segunda-feira (18), a Anvisa informou que está revisando a vigência dos atos editados em resposta à pandemia e que a prorrogação do prazo depende de aprovação da Diretoria Colegiada da agência.
 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, assinou nesta sexta-feira (22) uma portaria que declara o fim da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional causada da pandemia da Covid-19. A determinação entrará em vigor 30 dias após a publicação no Diário Oficial da União.  

De acordo com o ministro, na prática, não haverá muitas mudanças na rotina de combate à Covid-19. Mas a medida retira parte da autonomia de prefeitos e governadores durante a pandemia.
 

TEC./SONORA: Marcelo Queiroga, ministro da Saúde

"Não muda muita coisa já que a principal política foi a vacina e ela continua. Outras ações, como a atenção primária na saúde que foi reforçada, ela não irá diminuir. O que muda é essa questão de se restringir as liberdades individuais à mercê da opinião de um gestor municipal. Isso cria mais divergência do que uma situação efetiva de combate à situação pandêmica no Brasil.” 

LOC.: A estimativa do Ministério da Saúde é que, com a medida, cerca de duas mil normas caiam em todo o país, como a possibilidade de comprar medicamentos e insumos médicos sem licitação. Entre as medidas que podem ser afetadas a partir da decisão está o uso obrigatório de máscara.

Em meio ao movimento para flexibilizar medidas pelo fim da emergência, o Ministério da Saúde enviou propostas à Anvisa para que nenhuma estratégia seja prejudicada. Entre elas, está a solicitação para manutenção do uso emergencial dos insumos, como vacinas contra a Covid-19. 

Reportagem, Marquezan Araújo