Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil
Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil

Covid-19: mais de 10 milhões de doses da vacina bivalente foram aplicadas no Brasil

“A vacina previne casos graves do vírus, hospitalizações e mortes”, informa o infectologista Julival Ribeiro


Até o momento, foram aplicadas no Brasil 10.011.286 doses da vacina bivalente contra  Covid-19. O imunizante é utilizado como reforço em grupos com maior risco de desenvolver formas graves da doença, como idosos (mais de 60 anos), pessoas imunocomprometidas a partir de 12 anos, gestantes e puérperas. 

 O infectologista Julival Ribeiro recomenda que a melhor estratégia para prevenir a Covid-19 é através da vacinação. “Depois de vários meses convivendo com a Covid-19, não há nenhuma dúvida em relação ao benefício da vacina. Ela previne casos graves, hospitalizações e mortes”, pontua.

Público prioritário para a vacinação com a dose bivalente  

  • Pessoas com comorbidades
  • Idosos de 60 anos ou mais 
  • Pessoas vivendo em instituições de longa permanência a partir de 12 anos e seus trabalhadores
  • Pessoas imunocomprometidas, a partir de 12 anos de idade
  • Indígenas, ribeirinhos e quilombolas (a partir de 12 anos de idade)
  • Gestantes e puérperas
  • Trabalhadores da saúde
  • Pessoas com deficiência permanente (a partir de 12 anos de idade)
  • População privada de liberdade e adolescentes em medidas socioeducativas
  • Funcionários do sistema de privação de liberdade  

Com 3.188.619 aplicações, São Paulo é o estado com o maior número de doses do imunizante aplicadas, seguido por Minas Gerais e Rio de Janeiro, com 1.062.290 e 1.048.135, respectivamente. Roraima, Acre e Amapá são os estados que possuem o menor número de doses aplicadas, com 8.095, 10.926 e 17.031, nessa ordem.

O infectologista ressalta a importância da vacina bivalente, pois ela possui cepas mais atualizadas do vírus e que estão mais circulando no mundo. "É muito importante que as pessoas que ainda não tomaram a vacina se vacinem. Além disso, aquelas que já foram vacinadas e estão elegíveis para a vacina bivalente devem recebê-la", completa.

Comorbidades listadas para vacinação  

  • Arritmias cardíacas;
  • Cardiopatias congênita no adulto;
  • Cor-pulmonale e Hipertensão pulmonar;
  • Diabetes mellitus;
  • Doenças da Aorta, dos Grandes Vasos e Fístulas arteriovenosas;
  • Doença hepática crônica;
  • Doenças neurológicas crônicas e distrofias musculares;
  • Doença renal crônica;
  • Hemoglobinopatias e disfunções esplênicas graves;
  • Hipertensão Arterial Resistente (HAR);
  • Hipertensão arterial estágio 3;
  • Hipertensão arterial estágios 1 e 2 com lesão em órgão-alvo;
  • Insuficiência cardíaca (IC);
  • Miocardiopatias e Pericardiopatias;
  • Obesidade mórbida;
  • Pneumopatias crônicas graves;
  • Próteses valvares e Dispositivos cardíacos implantados;
  • Síndromes coronarianas;
  • Síndrome de Down e outras Síndromes genéticas;
  • Valvulopatias.   

Para se vacinar, é preciso levar um documento de identificação e, caso possível, o cartão de vacina contendo as doses das vacinas anteriores contra Covid-19. A vacina bivalente será aplicada após quatro meses da última dose de reforço ou da segunda dose. Aqueles que não receberam a primeira ou a segunda dose precisarão começar o esquema vacinal com a dose monovalente, que também está disponível nas unidades da Secretaria de Saúde.

Veja Mais:

Projeto que regulamenta piso salarial para profissionais da enfermagem prevê pagamentos de até 4,7 mil reais

Subfinanciamento do SUS dificulta atendimento no próprio município, diz Conselho de Saúde

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Até o momento, foram aplicadas no Brasil 10.011.286 doses da vacina bivalente contra Covid-19. O imunizante é utilizado como reforço em grupos com maior risco de desenvolver formas graves da doença, como idosos a partir de 60 anos, pessoas imunocomprometidas a partir de 12 anos, gestantes e puérperas. 

O infectologista Julival Ribeiro informa que a melhor estratégia para prevenir a Covid-19 é através da vacinação.
 

TEC./SONORA: Julival Ribeiro - infectologista

“Depois de vários meses convivendo com a covid-19 não há nenhuma dúvida em relação ao benefício da vacina, ela previne casos graves, hospitalizações e mortes.”
 


LOC.:  Com 3.188.619 aplicações, São Paulo é o estado com o maior número de doses do imunizante aplicadas, seguido por Minas Gerais e Rio de Janeiro, com 1.062.290 e 1.048.135, respectivamente. Roraima, Acre e Amapá são os estados que possuem o menor número de doses aplicadas, com 8.095, 10.926 e 17.031, nessa ordem.

O infectologista ressalta a importância da vacina bivalente, pois ela possui cepas mais atualizadas do vírus e que estão mais circulando no mundo. 
 

TEC./SONORA: Julival Ribeiro - infectologista

“É muito importante as pessoas que não tomaram a vacina ainda, se vacinarem e aquelas que já tiverem se vacinado e que estejam já podendo fazer a vacina bivalente deve fazê-la”
 


LOC.: Para se vacinar, não se esqueça de levar um documento de identificação e, se possível, o cartão de vacina contendo as doses das vacinas anteriores contra covid-19. A vacina bivalente será aplicada após quatro meses da última dose de reforço ou da segunda dose. Aqueles que não receberam a primeira ou a segunda dose precisarão começar o esquema vacinal com a dose monovalente, que também está disponível nas unidades da Secretaria de Saúde.

Reportagem, Sophia Stein