Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Isac Nóbrega/PR

Exportações agropecuárias podem aumentar até US$ 7,8 bi com acordo Mercosul-Canadá

Estimativa é de um estudo publicado pela CNA nessa quarta (29); dados revelam que, no ano passado, 85% da movimentação entre o bloco econômico e os canadenses foi do Brasil e que mercado de carne ainda é um ponto sensível, mas com potencial a ser explorado


O acordo de livre comércio entre países do Mercado Comum do Sul (Mercosul) e Canadá pode alavancar as exportações agropecuárias em US$ 7,8 bilhões em 2020. A projeção é de um estudo realizado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), divulgado na última quarta-feira (29), que apresenta os desafios e as oportunidades para as cadeias produtivas do setor agropecuário.  

O Mercosul tem hoje como membros efetivos Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Venezuela (essa temporariamente suspensa, por motivos de ruptura da ordem democrática). No ano passado, o comércio entre o Mercosul e o Canadá movimentou cerca de US$ 6,6 bilhões. “Desse total, 85% foi comércio com o Brasil. Isso mostra a relevância do nosso país nesse bloco, especialmente na relação com o Canadá”, avalia a coordenadora de Inteligência Comercial da CNA, Sueme Mori. 

Com um recorte específico para o agronegócio, Sueme arrisca dizer que o desempenho brasileiro diretamente com o Canadá movimentou em torno de US$ 483 milhões no ano passado. “Esse número já foi muito maior em anos anteriores. O estudo da CNA mostra que a assinatura de um livre comércio entre o Mercosul e o Canadá tem um potencial de gerar ganhos de exportações para o agro na casa dos US$ 7,8 bilhões. Ou seja, o setor acredita que a assinatura desse acordo seria muito benéfica para as exportações agropecuárias”, reforça a coordenadora.

O levantamento da Confederação aponta que, em 2019, o comércio direto de bens entre Brasil e Canadá movimentou cerca de US$ 5,6 bilhões. O país norte-americano foi o nono principal destino das exportações totais do Brasil, como revelam os dados. Nesse mesmo ano, as exportações brasileiras tiveram a maior receita desde 1997, em torno de US$ 3,4 bilhões, e houve registro do maior saldo positivo para o Brasil no comércio bilateral (USS 1,1 bilhão). 

A coordenadora-geral de Negociações Comerciais Extrarregionais do Ministério das Relações Exteriores (MRE), Paula Barboza, explica que o Brasil vem estreitando laços com os canadenses desde 2017, quando “reativou” o contato com país do Hemisfério Norte. Segundo ela, o país estava em diálogo exploratório com os canadenses ainda em 2015, mas devido às mudanças no governo do Canadá, o contato foi reduzido.  

“Desde 2016 estamos em uma política de comércio exterior bastante voltado à abertura e à negociação de acordos bilaterais. De 2018 para cá, já tivemos sete rodadas negociadoras com o Canadá, a última delas no segundo semestre de 2019. Esse é um acordo bastante amplo, que vai envolver liberalização dos mercados de bens, serviços, investimentos e compras governamentais, além de uma gama ampla de disciplinas. Ele vai além do acordo que já fechamos com a Associação Europeia de Comércio Livre (Efta) pela amplitude de comércio”, contextualiza Paula. 

Importação e exportação 

De acordo com o estudo “Acordo Mercosul – Canadá: Oportunidades e Desafios para a Agropecuária Brasileira”, da CNA, os embarques brasileiros de alumina calcinada e outros produtos químicos, ferro, aço e ouro ajudaram a elevar a receita das exportações brasileiras em cerca de 45% de 1997 para cá.  A alumina calcinada (óxido de alumínio) e o alumínio representaram cerca de 35% da pauta exportadora para o Canadá em 2019 – ambos com destino à indústria automobilística. 

Em relação às importações brasileiras, o principal produto é o cloreto de potássio, utilizado como fertilizante. O insumo químico, importante para o agro, representou 49,5% das importações brasileiras do país no ano passado. 

Agronegócio: Exportações brasileiras crescem 16,5% no primeiro semestre

Governo cria financiamento para ajudar setor sucroalcooleiro durante pandemia

Paula Barboza reforça que essa é a primeira vez que há uma lista negativa negociada pelo Mercosul na área de serviços e investimentos. Lista negativa quer dizer que tudo que não estiver na lista está liberalizado. “Então é uma ampla abertura do setor de serviços e investimentos e no setor de compras. A nossa intenção é participar de licitações no governo do Canadá, não só na esfera federal, mas nas províncias também, e isso pode envolver a compra de insumos agrícolas”, adianta. 

A tarifa média de importação do Canadá é de 4% e cai para 2% no setor industrial. No setor agrícola, essa média sobe para 15%, com picos que podem ultrapassar os 200%, segundo análise de Paula. “Hoje, 70% das exportações brasileiras para o Canadá já entram livre de tarifas. Nosso objetivo é que consigamos entrar no Canadá com mais de 96% das nossas exportações livres de tarifas”, antecipa. 

Para a coordenadora-geral de Negociações Comerciais Extrarregionais do MRE, o que pode tornar a relação mais “sensível” entre os países na área agrícola é o sistema de administração de oferta canadense de alguns produtos, como frangos, ovos e lácteos. O comércio de produtos do agronegócio com o Canadá registrou, em 2019, uma movimentação da ordem de US$ 628,7 milhões, valor 25% menor em relação ao ano anterior, aponta o levantamento da CNA. As maiores baixas registradas foram as de açúcar de cana, carne bovina industrializada e celulose. 

“A sensibilidade do Canadá é muito grande nesses produtos e em outros, como carne bovina e açúcar, e eles tendem a ser defensivos em relação a esses produtos. Isso será um desafio para a equipe brasileira, porque essa sensibilidade envolve produtos que são carro-chefe do Brasil. Nossas atenções estão voltadas para isso e para as concessões que o Canadá poderá fazer em relação aos produtos”, alega Paula.

Mercado de carne

O estudo da CNA aponta um ganho potencial de comércio de carnes, um dos setores sensíveis apontados pelo MRE. O setor está entre os cinco que concentraram quase 90% das exportações ao Canadá, ao lado do complexo sucroalcooleiro, café, produtos florestais e frutas. Os embarques de proteína animal corresponderam a 9,6% do total. Os números mostram que o valor se divide basicamente em carne de frango in natura (US$ 36,8 milhões) e carne bovina industrializada (US$ 9,2 milhões).

“A gente deve observar que o setor de carnes é um setor que geralmente tem um grau maior de sensibilidade com todos os parceiros com quem negociamos. Com o Canadá, não é diferente”, observa o coordenador-geral de Assuntos Comerciais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Carlos Halfeld. 

Ele afirma que essa sensibilidade pode ser maior com a carne de frango. “A carne bovina não enfrenta picos tarifários tão elevados no Canadá, que fica em torno de 26%. A carne de frango que é um caso de maior proteção no país da América do Norte, que enfrenta picos de quase 250%. De fato, são produtos que o Canadá tem maior resistência a apresentar uma oferta”, alerta. 

Na visão de Halfeld, esses produtos são prioritários no foco de negociação brasileiro. “Com a abertura obtida pelo acordo, esses setores vão conseguir, de fato, apresentar um excelente resultado futuro e o Canadá passará a ser um parceiro importante no destino das nossas exportações de carne”, aposta. 

Na avaliação do diretor do Departamento de Temas Técnicos, Sanitários e Fitossanitários do Mapa, Leandro Feijó, toda a trajetória de negociações com o Canadá, tanto dentro do governo federal quanto do setor privado, estabeleceu uma boa linha de trabalho e de entendimento entre os países. Sobre o mercado de carnes, ele enfatiza. 

“Eu vejo hoje na cesta de produtos do agro que, sem dúvidas nenhuma, é a cereja do bolo desse processo, uma vez que já temos o comércio fluido em relação à carne de aves. Nesse momento nos encontramos em discussão bem aprofundada e acelerada com o governo canadense para concluir as negociações para abertura do mercado de carne bovina in natura e da carne suína”, revela Feijó, que conclui: “O setor traz elementos para que o negociador saiba quais são as necessidades do produtor brasileiro”.

Inicialmente previsto para este ano, a expectativa é de que o acordo seja finalizado no final de 2021 ou em 2022, devido à pandemia do novo coronavírus.

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC: O acordo de livre comércio entre países do Mercosul e Canadá pode alavancar as exportações agropecuárias em quase US$ 8 bilhões em 2020. A projeção é de um estudo realizado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), divulgado nessa quarta-feira (29), que apresenta os desafios e as oportunidades para as cadeias produtivas do setor agropecuário. 

No ano passado, o comércio entre o Mercosul e o Canadá movimentou cerca de US$ 6,5 bilhões. Segundo a coordenadora de Inteligência Comercial da CNA, Sueme Mori, cerca de 85% desse total foi de comércio diretamente com o Brasil, o que demonstra o potencial do país. 

Sueme lembra que, especificamente para o setor agropecuário, o desempenho brasileiro com o canadense já movimentou quase meio bilhão de dólares.
 

“Esse número já foi muito maior em anos anteriores. O estudo da CNA mostra que a assinatura de um livre comércio entre o Mercosul e o Canadá tem um potencial de gerar ganhos de exportações para o agro na casa dos US$ 7,8 bilhões. Ou seja, o setor acredita que a assinatura desse acordo seria muito benéfica para as exportações agropecuárias.”

LOC.: O levantamento da Confederação aponta que, em 2019, o comércio direto de bens entre Brasil e Canadá movimentou cerca de US$ 5,5 bilhões. A coordenadora-geral de Negociações Comerciais Extrarregionais do Ministério das Relações Exteriores (MRE), Paula Barboza, explica que o Brasil vem estreitando laços com os canadenses há alguns anos, mas que as negociações se intensificaram de 2017 para cá. 

Paula acredita que o acordo entre os países pode incrementar o mercado agropecuário. 
 

“É uma ampla abertura do setor de serviços e investimentos e no setor de compras. A nossa intenção é participar de licitações no governo do Canadá, não só na esfera federal, mas nas províncias também, e isso pode envolver a compra de insumos agrícolas. Nosso objetivo é que consigamos entrar no Canadá com mais de 96% das nossas exportações livres de tarifas.”

LOC.: O estudo aponta ainda um ganho potencial de comércio de carnes, um dos setores sensíveis nas negociações entre os países. De acordo com especialistas do ministério das Relações Exteriores e da Agricultura, o mercado de carne de frango ainda enfrenta picos tarifários no Canadá. Segundo a análise das pastas, as negociações estão adiantadas para uma maior abertura do mercado de carne bovina in natura e da carne suína entre Brasil e Canadá para os próximos anos. 

Reportagem, Jalila Arabi.