Energia elétrica. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Energia elétrica. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Preço da energia elétrica em Minas Gerais foi um dos que menos cresceu no país em 2021, diz Aneel

Alta registrada foi de 1,6%. Marco do setor elétrico visa expandir o mercado livre de energia, o que pode baratear o preço da conta luz em até 50% para os consumidores residenciais


Em meio à crise hídrica e alta da conta de luz em todo o país, Minas Gerais foi um dos estados em que a tarifa de energia elétrica menos subiu no ano passado. Em 2021, os mineiros pagaram, em média, R$ 0,62 por cada quilowatt-hora (kWh) consumido de energia elétrica, apenas um centavo a mais do que no ano anterior, o que representa alta de 1,6%. Os dados são da Superintendência de Gestão Tarifária (SGT) da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Os consumidores residenciais e as pequenas empresas fazem parte do chamado mercado cativo do setor de energia elétrica. Nesse Ambiente de Contratação Regulada (ACR), os cidadãos e os pequenos empresários só podem comprar a energia da distribuidora que atende a sua região, estando sujeitos às tarifas cobradas por essa concessionária.

No entanto, um projeto de lei (PL 414/2021) em tramitação na Câmara dos Deputados prevê que todos os consumidores brasileiros possam migrar do mercado cativo para o mercado livre de energia elétrica que, hoje, é restrito aos grandes consumidores ou consumidores especiais — que usam carga igual ou superior a 500 quilowatts (kW). No Ambiente de Contratação Livre (ACL), cidadãos e pequenas empresas podem escolher livremente de quem vão comprar energia elétrica e negociar as condições do contrato junto a esses comercializadores.

O senador Marcos Rogério (PL/RO) foi relator do PL quando da sua aprovação no Senado. O parlamentar está confiante que a matéria será aprovada também na Câmara dos Deputados. Ele destaca que o marco do setor elétrico vai dar mais liberdade aos consumidores.

“A portabilidade da conta de luz prevista neste texto será um direito de todos os consumidores, inclusive aqueles de baixa tensão, que poderão escolher livremente os fornecedores dos quais comprar energia, ou seja, cada consumidor brasileiro poderá avaliar critérios como preço, fonte a partir da qual a energia é gerada e, assim, definir a sua aquisição”, explica.

Relator do marco do setor elétrico acredita que projeto será aprovado este ano na Câmara dos Deputados

CEARÁ: novo marco do setor elétrico pode reduzir custos da conta de luz

Energia mais barata

A ideia do projeto de lei é que todos os brasileiros tenham o direito de escolher de quem vão comprar energia elétrica até 42 meses após a sanção presidencial do marco, caso sua aprovação seja confirmada no Congresso Nacional. Segundo a Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel), o mercado livre de energia responde por 35% da energia consumida no país. Porém, esse uso está alocado em apenas 10 mil consumidores — menos de 0,03% dos consumidores brasileiros.

O presidente da Abraceel, Rodrigo Ferreira, diz que o principal mérito do marco do setor elétrico é a abertura total do setor, o que deve ocorrer, no máximo, até o fim de 2025 para todos os brasileiros.

“Essa abertura seria tão revolucionária quanto foi a abertura do mercado de telecomunicações para a sociedade brasileira. A partir do momento em que o mercado for aberto, você vai ver comercial de televisão vendendo energia elétrica tal qual você vê comercial de TV, hoje, vendendo banco, banda de internet, telefonia celular, TV a cabo, streaming. Passa a ser um produto que o consumidor, então, pode comprar livremente. Vai haver uma concorrência muito grande e a busca por esse atendimento ao consumidor fará o preço diminuir. A concorrência sempre faz o preço diminuir”, afirma.

A expectativa é que novas empresas entrem para o mercado de venda de energia elétrica, que atualmente é um monopólio das distribuidoras. A concorrência entre elas deve baratear o preço da conta de luz entre 30% e 50%, estima a Abraceel. “Sem dúvida alguma a energia no mercado livre terá uma redução significativa de preço, como já tem para a parcela que é livre. Hoje, 85% da energia consumida na indústria é do mercado livre. A CCEE [Câmara de Comercialização de Energia Elétrica] vem batendo recordes de migração mês a mês. Quem pode ser livre está migrando e numa velocidade cada vez maior”, diz Rodrigo.

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Minas Gerais foi um dos estados em que a conta de luz menos subiu no ano passado. Em 2021, os mineiros pagaram, em média, R$ 0,62 por cada quilowatt-hora consumido de energia elétrica, apenas um centavo a mais do que no ano anterior, o que representa alta de 1,6%. Os dados são da Agência Nacional de Energia Elétrica, Aneel.

Os consumidores residenciais e as pequenas empresas fazem parte do mercado cativo de energia, ou seja, só podem comprar energia elétrica da distribuidora que atende a sua região. Mas um projeto de lei que está na Câmara dos Deputados, conhecido como marco do setor elétrico, quer permitir que todos os brasileiros possam migrar para o mercado livre de energia. É o que explica o senador Marcos Rogério, do PL de Rondônia.

TEC./SONORA: senador Marcos Rogério, do PL de Rondônia.

“A portabilidade da conta de luz prevista neste texto será um direito de todos os consumidores, inclusive aqueles de baixa tensão, que poderão escolher livremente os fornecedores dos quais comprar energia, ou seja, cada consumidor brasileiro poderá avaliar critérios como preço, fonte a partir da qual a energia é gerada e, assim, definir a sua aquisição”.

LOC.: O projeto de lei diz que todos os brasileiros terão o direito de escolher de quem vão comprar energia elétrica até 42 meses após a sanção presidencial do marco. Segundo a Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia, Abraceel, menos de 1% dos consumidores brasileiros têm acesso ao mercado livre de energia.

Rodrigo Ferreira, presidente da Abraceel, diz que a abertura total do setor será tão revolucionária para os brasileiros como foi a do mercado de telecomunicações.

TEC./SONORA: Rodrigo Ferreira, presidente da Abraceel

 

“A partir do momento em que o mercado for aberto, você vai ver comercial de televisão vendendo energia elétrica tal qual você vê comercial de TV, hoje, vendendo banco, banda de internet, telefonia celular, TV a cabo, streaming. Passa a ser um produto que o consumidor, então, pode comprar livremente. Vai haver uma concorrência muito grande e a busca por esse atendimento ao consumidor fará o preço diminuir. A concorrência sempre faz o preço diminuir”.

LOC.: A expectativa é que novas empresas entrem para o mercado de venda de energia elétrica, que atualmente é um monopólio das distribuidoras. A concorrência entre elas deve baratear o preço da conta de luz entre 30% e 50%, estima a Abraceel.

Reportagem, Felipe Moura.