Obras de Saneamento Básico: Foto: Arquivo/CNM
Obras de Saneamento Básico: Foto: Arquivo/CNM

Investimento privado amplia serviços de saneamento básico no Tocantins

Dois anos após entrada em vigor do novo marco legal do saneamento, participação de operadoras privadas no Brasil aumenta 45% em relação a 2021


O município de Dois Irmãos do Tocantins, de 7.000 habitantes, foi contemplado com um investimento de R$ 980 mil para saneamento. Após dois anos da entrada em vigor do novo marco legal do saneamento, a participação das operadoras privadas no Brasil aumentou 45% em relação a 2021. Os dados são da Associação Brasileira das Concessionárias Privadas de Serviços Públicos de Água e Esgoto (Abcon). 

De acordo com o levantamento, as companhias passaram a atender 46,1 milhões de pessoas com serviços de água e esgotamento sanitário este ano. Em 2021, eram 31,6 milhões de usuários. As concessionárias privadas já representam 16% do total investido pelas companhias do setor. 

As operadoras privadas de saneamento possuem atualmente 199 contratos firmados nacionalmente, entre as modalidades de concessões plenas e parciais, PPPs e subdelegações. Desde a entrada em vigor do novo marco legal do saneamento, já foram realizados 16 leilões, segundo o balanço da Abcon. 

Valor da produção agropecuária de 2022 está estimado em R$ 1,207 trilhão

“No mundo inteiro, a grande agenda é a de desenvolvimento industrial”, diz diretor de Educação e Tecnologia da CNI

Para a superintendente técnica da associação, Ilana Ferreira, a atuação das empresas privadas no saneamento traz mais eficiência para o setor.

“No caso da operação privada, a tarifa é definida antes, e a atuação com as metas de qualidade, atendimento e investimento são atendidas e cumpridas do ponto de vista contratual”, explica.  

A pesquisa também mostra que a média de investimento por ligação entre as operadoras privadas é 131% superior à realizada pelas companhias estaduais e 326% acima da média de serviços municipais.

Desestatização

Outro levantamento que trata da situação do saneamento básico é a “Agenda de privatizações: avanços e desafios", divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). De acordo com a pesquisa, até 2026, dez desestatizações serão conduzidas pelo BNDES ou municípios. 

O especialista em Infraestrutura da CNI, Matheus de Castro, afirma que, para este ano, estão previstas seis concessões e PPPs de empresas estaduais e autarquias microrregionais. 

“Sabemos das dificuldades que o setor público encontra há mais de uma década na realização desses investimentos, e isso penaliza muito nossa capacidade de modernizar nossa infraestrutura. Então, precisamos aumentar a participação privada na gestão dos ativos de infraestrutura. Mas, apesar de o caminho ser esse, sabemos da importância de aumentar também os investimentos públicos. Nós investimos tão pouco, que não podemos contar só com um tipo de investimento”, destaca. 
 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: A participação das operadoras privadas do setor de saneamento no Brasil aumentou 45% em relação ao ano passado. Os investimentos das concessionárias privadas já alcançam 16% do total injetado pelas companhias do setor. É o que mostra um levantamento divulgado pela Associação Brasileira das Concessionárias Privadas de Serviços Públicos de Água e Esgoto, a Abcon. 

No estado, o município de Dois Irmãos do Tocantins, de 7 mil habitantes, foi contemplado com um investimento de 980 mil reais. A superintendente técnica da Abcon, Ilana Ferreira, acredita que a atuação das empresas privadas no saneamento traz mais eficiência para o setor.
 

TEC./SONORA: Ilana Ferreira superintendente técnica da Abcon

“No caso da operação privada, a tarifa é definida antes, e a atuação com as metas de qualidade, atendimento e investimento são atendidas e cumpridas do ponto de vista contratual.”  
 

LOC.: Outro levantamento que trata da situação do saneamento básico foi divulgado pela Confederação Nacional da Indústria, a CNI. De acordo com o balanço, até 2026, dez desestatizações serão conduzidas pelo BNDES ou municípios. Para este ano, estão previstas seis concessões e PPPs de empresas estaduais e autarquias microrregionais. 

Para o especialista em Infraestrutura da CNI, Matheus de Castro, a participação privada vai garantir a oferta de mais qualidade e estimular a ampliação dos serviços do setor público. 
 

TEC./SONORA: Matheus de Castro, especialista em Infraestrutura da CNI

“Sabemos das dificuldades que o setor público encontra há mais de uma década na realização desses investimentos, e isso penaliza muito nossa capacidade de modernizar nossa infraestrutura. Então, precisamos aumentar a participação privada na gestão dos ativos de infraestrutura. Mas, apesar de o caminho ser esse, sabemos da importância de aumentar também os investimentos públicos. Nós investimos tão pouco que não podemos contar só com um tipo de investimento.” 
 

LOC.: Após dois anos da entrada em vigor do novo marco legal do saneamento, em 2022, as operadoras privadas do setor ampliaram a participação em 45%, em relação a 2021. 

Reportagem, Marquezan Araújo