Covid-19 Amazonas. Foto: Divulgação/ Secom
Covid-19 Amazonas. Foto: Divulgação/ Secom

Covid-19: com queda na média móvel de mortes, Brasil registra 1.605 óbitos em 24h; Rio de Janeiro é o estado com a maior taxa de letalidade

Mais de 19 milhões de brasileiros já foram infectados pela doença, no total, o número de pessoas que foram a óbito ultrapassou 534 mil


O Brasil registrou mais 45.022 novos casos e 1.605 óbitos por Covid-19 nas últimas 24 horas. A média móvel de mortes vem apresentando queda desde o mês de junho e segundo o balanço diário divulgado na noite desta terça-feira (13), o índice ficou em 1.278. O número representa a média de mortes no país nos últimos sete dias. Mais de 19 milhões de brasileiros já foram infectados pela doença. No total, o número de pessoas que foram a óbito ultrapassou 534 mil. 

O Rio de Janeiro é o estado com a maior taxa de letalidade, somando 5,78%. O índice é três pontos percentuais acima da média nacional, que é de 2,8%. Os três municípios fluminenses com a maior taxa de letalidade são São Fidélis (14,85), Nilópolis (12,91) e Mesquita (11,68).

Covid-19: nove vacinas estão em fase de testes no Brasil

Medo da morte é o sentimento mais comum entre vítimas da Covid-19 ouvidas pelo portal Brasil61.com

Taxa de letalidade nos estados 

Rio de Janeiro - 5,78%

São Paulo - 3,42%

Amazonas - 3,28%

Pernambuco - 3,18%

Maranhão - 2,86%

Goiás - 2,83%

Pará - 2,80%

Mato Grosso – 2,62%

Minas Gerais – 2,58%

Rio Grande do Sul – 2,57%

Ceará – 2,56%

Rondônia – 2,49%

Mato Grosso do Sul - 2,48%

Alagoas – 2,48%

Paraná – 2,46%

Piauí – 2,22%

Espírito Santo – 2,21%

Sergipe – 2,16%

Paraíba – 2,16%

Bahia – 2,14%

Distrito Federal – 2,14%    

Acre – 2,04%

Rio Grande do Norte – 1,97%

Tocantins – 1,65%

Santa Catarina – 1,61%

Amapá – 1,57%

Roraima – 1,55%    

Entre as unidades da Federação que mais acumulam óbitos encontra-se São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul. Já os estados com as menores taxas são Acre, Roraima e Amapá.

No âmbito municipal, a cidade de São Luiz do Paraitinga (SP) registra a maior letalidade de coronavírus do País: 29,33%. Na sequência, vêm Boa Vista do Gurupi (MA), com 26,67%, Miravânia (MG), com 20%, Paço do Lumiar (MA), com 18,68% e Calmon (SC), que registra 15,79%.

Segundo o Ministério da Saúde, 17.770.616 brasileiros se recuperaram da Covid-19. Outros 845.538 estão em acompanhamento. Os números têm como base o repasse de dados das secretarias estaduais de saúde ao órgão. Acesse as informações sobre a Covid-19 no seu estado e município em brasil61.com/painelcovid.  

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O Brasil registrou mais 45.022 novos casos e 1.605 óbitos por Covid-19 nas últimas 24 horas. A média móvel de mortes vem apresentando queda desde o mês de junho e segundo o balanço diário divulgado na noite desta terça-feira (13), o índice ficou em 1.278. O número representa a média de mortes no país nos últimos sete dias. Mais de 19 milhões de brasileiros já foram infectados pela doença. No total, o número de pessoas que foram a óbito ultrapassou 534 mil. 

O Rio de Janeiro é o estado com a maior taxa de letalidade, somando 5,78%. O índice é três pontos percentuais acima da média nacional, que é de 2,8%. Os três municípios fluminenses com a maior taxa de letalidade são São Fidélis (14,85), Nilópolis (12,91) e Mesquita (11,68).

Entre as unidades da Federação que mais acumulam óbitos encontra-se São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul. Já os estados com as menores taxas são Acre, Roraima e Amapá.

No âmbito municipal, a cidade de São Luiz do Paraitinga (SP) registra a maior letalidade de coronavírus do País: 29,33%. Na sequência, vêm Boa Vista do Gurupi (MA), com 26,67%, Miravânia (MG), com 20%, Paço do Lumiar (MA), com 18,68% e Calmon (SC), que registra 15,79%.

Segundo o Ministério da Saúde, 17.770.616 brasileiros se recuperaram da Covid-19. Outros 845.538 estão em acompanhamento. Os números têm como base o repasse de dados das secretarias estaduais de saúde ao órgão.

Reportagem, Rafaela Gonçalves