Empresa. Foto: Arquivo/Agência Brasil
Empresa. Foto: Arquivo/Agência Brasil

Simples Nacional: Nova proposta de atualização das tabelas deve ser apresentada esta semana

Entre outros pontos, a ideia do relator do PLP 108/2021 é expandir o limite de faturamento para o MEI de R$ 81 mil para R$ 141 mil


O deputado federal Marco Bertaiolli (PSD-SP) deve apresentar nesta semana um substitutivo ao PLP 108/2021, que visa alterar as definições de faturamento para enquadramento como Microempreendedor Individual (MEI). Atualmente, o limite de faturamento para ser MEI é de R$ 81 mil. A ideia é que esse limite passe a ser de R$ 141 mil. A intenção do parlamentar é incluir mudanças a todas as categorias do Simples Nacional

O texto também deve tratar da ampliação às micro e pequenas empresas. Para essas categorias, o valor anual passaria de R$ 360 mil para R$ 847 mil, e de R$ 4,8 milhões para R$ 8,47 milhões, respectivamente.

A apresentação do substitutivo ainda depende da definição das comissões do Congresso Nacional. Por enquanto, as lideranças ainda tentam decidir sobre os comandos de cada colegiado.

Campanha

No âmbito da sociedade civil organizada, a Confederação das Associações Comerciais do Brasil (CACB) lançou uma campanha nacional reivindicando a expansão desse enquadramento. Denominada “Mais Simples Nacional, Brasil mais forte”, a iniciativa pretende buscar apoio para aprovação do projeto que reajusta a tabela do enquadramento das empresas no Simples e do Microempreendedor Individual (MEI).

Dirigentes de associações comerciais estiveram em Brasília para a posse, no último dia 30 de março, do novo presidente da CACB, Alfredo Cotait. Na ocasião, ele criticou a falta de correção da tabela e defendeu maior acesso ao crédito.  

“A correção das tabelas de faturamento das empresas é uma questão de sobrevivência e, por justiça, deveriam ser reajustadas anualmente, de acordo com a inflação acumulada no período. A última atualização ocorreu em 2016 e, desde então, as empresas precisaram aumentar os preços, em decorrência da inflação. Isso gerou alta no faturamento, mas sem crescimento real nos negócios”, destacou. 

Pequenos negócios no Brasil 

Em 2021, a abertura de pequenos negócios no país bateu recorde.  De acordo com dados do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), no ano passado, mais de 3,9 milhões de empreendedores formalizaram micro e pequenas empresas ou se registraram como microempreendedores individuais (MEIs).

Ex-presidente Michel Temer e estudiosos apontam causas para desindustrialização do Brasil

Consumidor poderá escolher de quem comprar a energia elétrica, se o marco do setor elétrico for aprovado

SANEAMENTO: Presidente executiva do Trata Brasil comenta novo ranking do saneamento

Com isso, foi registrado um aumento de 19,8% em relação a 2020, quando foram abertos 3,3 milhões de negócios. Na comparação com 2018, a elevação chega a 53,9%. Naquele ano, foram criados 2,5 milhões de Cadastros Nacionais de Pessoas Jurídicas (CNPJ).

Somente no ano passado foram abertas 682,7 mil microempresas, ou seja, 17,35% do total. O faturamento registrado foi de até R$ 360 mil por ano. Também foram criadas 121,9 mil empresas de pequeno porte, ou 2,65% do total. 
 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O deputado federal Marco Bertaiolli (PSD-SP) deve apresentar nesta semana um substitutivo ao projeto que altera as definições de faturamento para enquadramento como Microempreendedor Individual (MEI).  Atualmente, o limite de faturamento para o MEI é de R$ 81 mil. A ideia é que esse limite passe a ser de R$ 141 mil. 

A intenção do parlamentar é incluir mudanças para todas as categorias do Simples Nacional. Para microempresas, o valor anual passaria de R$ 360 mil para R$ 847 mil, e para as pequenas, de R$ 4,8 milhões para R$ 8,47 milhões.

No âmbito da sociedade civil organizada, a Confederação das Associações Comerciais do Brasil lançou uma campanha nacional reivindicando a expansão desse enquadramento. Segundo o presidente da entidade, Alfredo Cotait, a atualização das tabelas é essencial para o bom desempenho desses empreendimentos. 
 

TEC./SONORA: Alfredo Cotait, presidente da CACB

“A correção das tabelas de faturamento das empresas é uma questão de sobrevivência e, por justiça, deveriam ser reajustadas anualmente, de acordo com a inflação acumulada no período. A última atualização ocorreu em 2016 e, desde então, as empresas precisaram aumentar os preços, em decorrência da inflação. Isso gerou alta no faturamento, mas sem crescimento real nos negócios.” 
 

LOC.: De acordo com Sebrae, em 2021, mais de 3,9 milhões de empreendedores formalizaram micro e pequenas empresas ou se registraram como microempreendedores individuais. Ao todo, foram abertas 682,7 mil microempresas, com faturamento de até R$ 360 mil por ano. Além disso, foram criadas 121,9 mil empresas de pequeno porte.

Reportagem, Marquezan Araújo