Foto: Landara Lima/Brasil 61
Foto: Landara Lima/Brasil 61

Indústria está comprometida em neutralizar emissões de gases de efeito estufa, diz CNI

Segundo o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, a entidade pretende apresentar projetos bem sucedidos na área de sustentabilidade e descarbonização durante a COP 28


O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, afirmou que a indústria brasileira vem adotando medidas para reduzir e compensar as emissões de gases causadores do efeito estufa. A declaração foi feita durante discurso de abertura do Encontro Econômico Brasil-Emirados Árabes Unidos, realizado na CNI, nesta quinta-feira (15).

“A indústria brasileira está comprometida em reduzir e neutralizar as emissões de gases de efeito estufa para contribuir com o esforço global de evitar o aquecimento do planeta. Na COP28, pretendemos apresentar projetos bem-sucedidos na área de sustentabilidade, ações que temos feito na Amazônia para atração de investimentos sustentáveis e projetos que possam inspirar as empresas para a conservação ambiental e para descarbonização da economia”, diz.

O encontro teve a participação do diretor-geral da 28ª Conferência do Clima (COP28) da Organização das Nações Unidas (ONU), Majid Al Suwaidi, e da ministra de Cooperação Internacional dos Emirados Árabes Unidos, Reem Al Hashemi, que está no Brasil liderando a delegação do seu país. Segundo o presidente da CNI, nos últimos anos o Brasil e os Emirados Árabes têm buscado o estreitamento dos laços em diversos setores.

“O comprometimento dos dois países para melhorar o ambiente de negócios com certeza deve trazer resultados positivos para as nossas relações comerciais bilaterais. Nesse sentido, o Congresso Nacional do Brasil aprovou dois acordos: um de cooperação e assistência mútua em matéria aduaneira e outro para facilitação de investimentos entre os nossos acordos. Eles visam ampliar o comércio e atender as necessidades dos investidores, oferecendo garantias legais e mecanismos de solução de controvérsia”, afirma.

A ministra de Cooperação Internacional dos Emirados Árabes Unidos destacou o papel da COP28 para uma economia de baixo carbono. “Espero que as nossas equipes e nossos setores privados possam pensar a COP 28 como um marco de partida para a COP 30. Esse tipo de ação e financiamento de clima e soluções baseadas na natureza, em uma transição energética focada no processo justo. E, além de governos, o setor privado deve nos levar a isso e dependemos de vocês, da sua inovação, do seu senso de pragmatismo e praticidade e seus negócios voltados ao propósito”, ressalta.

O presidente da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, Osmar Chohfi, expressou sua expectativa pelo desenvolvimento de uma cooperação com as entidades empresariais na COP28. “Nossa expectativa é também de uma ação colaborativa entre entidades que queiram se somar a para trazer uma presença significativa do empresariado brasileiro no contexto de toda essa política de buscar um desenvolvimento sustentável e uma economia verde. Uma economia que possa fazer um bom aproveitamento dos recursos naturais e, ao mesmo tempo, haja uma preocupação de sustentabilidade dessa atividade econômica”, diz.

Agenda de Sustentabilidade e COP 28

O apoio à agenda de sustentabilidade foi tema de um painel no Encontro Econômico Brasil-EAU. O gerente-executivo de Meio Ambiente e Sustentabilidade da CNI, Davi Bomtempo, explica que o painel abordou as principais ações que estão sendo realizadas dentro da agenda de descarbonização industrial.

“Mostramos toda a nossa estratégia, falamos sobre transição energética, novas tecnologias como captura de carbono, hidrogênio, a expansão de energias renováveis, mercado de carbono e economia circular. Falamos sobre conservação florestal, trazendo a importância do governo na agenda de comando, controle e fiscalização, mas também abrindo oportunidade para o setor privado contribuir a partir da bioeconomia, ou seja, explorando de forma sustentável os recursos biológicos de forma a gerar cada vez mais renda riqueza e desenvolvimento para aquela região dos biomas”, aponta.

Segundo o gerente-executivo de Meio Ambiente e Sustentabilidade, até a COP28 estão previstos estudos e atividades que devem integrar a agenda de sustentabilidade. Uma delas é a realização de uma Pré-COP, em setembro, com o intuito de divulgar posicionamentos do setor industrial para o governo, a fim de auxiliar nas negociações do Acordo de Paris.

Bomtempo ainda ressaltou que a CNI está trabalhando em um Plano de Descarbonização do Setor Industrial. “É uma estratégia que vem sendo desenhada e que vai estabelecer uma meta de neutralidade de carbono e, mais do que isso, vai também mostrar a necessidade de financiamento, ou seja, quanto que vai custar fazer uma transição para aqueles setores mais intensivos e como que a gente precisa enfrentar um desafio de capacitação profissional para aqueles que vão receber essa nova agenda verde”, explica.

A 28ª Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU) está prevista para acontecer no final deste ano, a partir de 30 de novembro, em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

Brasil precisa adotar plano consistente para descarbonizar economia, afirma presidente da CNI

Plano de Retomada da Indústria brasileira propõe investimentos na descarbonização

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O presidente da Confederação Nacional da Indústria, a CNI, Robson Braga de Andrade, afirmou que a indústria brasileira vem adotando medidas para reduzir e compensar as emissões de gases causadores do efeito estufa. A declaração foi feita durante discurso de abertura do Encontro Econômico Brasil-Emirados Árabes Unidos, nesta quinta-feira (15).

TEC./SONORA: Robson Braga de Andrade, presidente da CNI

“A indústria brasileira está comprometida em reduzir e neutralizar as emissões de gases de efeito estufa para contribuir com o esforço global de evitar o aquecimento do planeta. Na COP 28, pretendemos apresentar projetos bem-sucedidos na área de sustentabilidade, ações que temos feito na Amazônia para atração de investimentos sustentáveis e projetos que possam inspirar as empresas para a conservação ambiental e para descarbonização da economia”.
 


LOC.: O encontro teve a participação do diretor-geral da 28ª Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas, a COP28, Majid Al Suwaidi, e da ministra de Cooperação Internacional dos Emirados Árabes Unidos, Reem Al Hashemi.

O presidente da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, Osmar Chohfi, expressou expectativa pelo desenvolvimento da cooperação com as entidades empresariais na COP 28.
 

TEC./SONORA: Osmar Chohfi, Presidente da Câmara de Comércio Árabe Brasileira

“Nossa expectativa é também de uma ação colaborativa entre entidades que queiram se somar para trazer uma presença significativa do empresariado brasileiro no contexto de toda essa política de buscar um desenvolvimento sustentável e uma economia verde. Uma economia que possa fazer um bom aproveitamento dos recursos naturais e ao mesmo tempo, haja uma preocupação de sustentabilidade dessa atividade econômica”.
 


LOC.: O apoio à agenda de sustentabilidade foi tema de um painel no encontro. Segundo o gerente-executivo de Meio Ambiente e Sustentabilidade da CNI, Davi Bomtempo, até a COP28 serão realizados diversos estudos que devem integrar a agenda de sustentabilidade.

TEC./SONORA: Davi Bomtempo, Gerente Executivo de Meio Ambiente e Sustentabilidade da CNI

“É uma estratégia que vem sendo desenhada e que vai estabelecer uma meta de neutralidade de carbono, e mais do que isso vai também mostrar a necessidade de financiamento, ou seja, quanto que vai custar fazer uma transição para aqueles setores mais intensivos e como que a gente precisa enfrentar um desafio de capacitação profissional para aqueles que vão receber essa nova agenda verde”.
 


LOC.: A COP 28 está prevista para acontecer no final deste ano, a partir de 30 de novembro, em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.
 

Reportagem, Landara Lima.