César Lima: "Cenário é de franca recuperação". Foto: Arquivo pessoal
César Lima: "Cenário é de franca recuperação". Foto: Arquivo pessoal

FPM “recupera fôlego” em novembro e cresce 56% em relação a outubro

Repasse de mais de R$ 7,2 bilhões às prefeituras demonstra cenário de franca recuperação do Fundo de Participação dos Municípios, afirma especialista. Veja o mapa do valor, por cidade


A liberação de R$ 7.278.956.430,97 da primeira parcela de novembro do FPM (Fundo de Participação dos Municípios) – depositados nas contas das prefeituras na sexta-feira (10) – demonstra um cenário de recuperação dos valores, a serem repassados daqui para a frente, porque os números se aproximaram dos valores do mesmo período do ano passado. A opinião é do consultor de Orçamentos César Lima. 

Os recursos do FPM são distribuídos pela União Federal, a cada dez dias, a todos os municípios brasileiros. O dinheiro é considerado fundamental pelos gestores municipais, porque representam a maior fonte de receita para a maioria das prefeituras e são usados para manter as despesas em dia, como folha de pagamentos e gastos com saúde e educação. 

César Lima comparou os números atuais com os valores distribuídos na primeira parcela do FPM do mês passado, e constatou um crescimento de 56% no valor da parcela paga nesta semana. O especialista também observou que o valor do Fundo, distribuído às prefeituras no mesmo período de novembro de 2022, equivale a apenas 0,5% a mais do que o valor liberado nesta sexta-feira (10).

Comparativo

  • 1ª parcela de novembro/2023 – R$ 7.278.956.430,97
  • 1ª parcela de outubro/2023 – R$ 4.105723.849,37
  • 1ª parcela de novembro/2022 – R$ 7.318.029.555,44

“Quando a gente compara essa primeira parcela de novembro à primeira parcela de outubro [deste ano], nós temos um aumento bem significativo de 56%”, analisa. “Contudo, essa primeira parcela de novembro ainda está meio por cento menor do que a primeira parcela de novembro do ano passado”, acrescenta o consultor.

“É um resultado menor do que o ano passado, mas essa diferença é muito pequena, de meio por cento. Nós já vimos, no decorrer desse ano, diferenças na casa de 30% a menor do que no ano anterior, então isso daí no meu entendimento demonstra um cenário de recuperação dos recursos do FPM, voltando à normalidade que havia em 2022”, analisa. 

Franca recuperação

O especialista acrescenta que, considerando-se a inflação registrada no período, de aproximadamente 4,5%, pode-se considerar uma diferença de 5% —  a menor — , no valor do FPM pago aos municípios no dia 10 de novembro deste ano. “Mesmo assim, em relação aos 30% [sendo pagos a menor] que já vimos acontecer em alguns meses desse ano, é um cenário em franca recuperação”, conclui César Lima.

Clique no mapa para saber o valor repassado a cada município:


 

 

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC: A liberação de mais de R$ 7,278 bilhões da primeira parcela de novembro do FPM (Fundo de Participação dos Municípios) – depositados nas contas das prefeituras na sexta-feira (10) – demonstra um cenário de recuperação dos valores, a serem repassados daqui para a frente, porque os números se aproximaram dos valores do mesmo período do ano passado. Esta é a opinião do consultor de Orçamentos, César Lima. 

Os recursos do FPM são distribuídos pela União Federal, a cada dez dias, a todos os municípios brasileiros. O dinheiro é considerado fundamental pelos gestores municipais, porque representa a maior fonte de receita para a maioria das prefeituras e é usado para manter as despesas em dia, como a folha de pagamentos e os gastos com saúde e educação. 

César Lima comparou os números atuais com os valores distribuídos na primeira parcela do FPM do mês de outubro deste ano, e também com o montante depositado no mesmo período do ano passado.

SONORA: César Lima, consultor de Orçamentos

“Quando a gente compara essa primeira parcela de novembro à primeira parcela de outubro, nós temos um aumento bem significativo de 56%. Contudo, essa primeira parcela de novembro ainda está meio por cento menor do que a primeira parcela de novembro do ano passado. É um resultado menor do que o ano passado, mas essa diferença é muito pequena, meio por cento. Nós já vimos, no decorrer desse ano, diferenças na casa de 30% a menor do que no ano anterior." 


LOC: Para o analista, apesar da inflação registrada entre novembro do ano passado e outubro deste ano, os valores depositados nas contas das prefeituras nesta sexta-feira (10) demonstram que os números do FPM estão voltando à normalidade.

 

SONORA: César Lima, consultor de Orçamentos

"No meu entendimento, estamos aí num cenário de recuperação dos recursos do FPM, voltando à normalidade do ano passado. Claro que não estamos colocando aí nesta conta a inflação, que no período está em torno de 4,5%, então poderíamos considerar aí uma diferença de 5%. Mesmo assim, em relação aos 30% que já vimos acontecer em alguns meses desse ano, é um cenário em franca recuperação." 

 


LOC: De acordo com a CNM (Confederação Nacional dos Municípios), o FPM é a principal fonte de recursos das cidades de pequeno porte, principalmente as que têm menos de 50 mil habitantes. Por este motivo, quando cai a arrecadação, a maioria dos prefeitos enfrenta muita dificuldade para manter as contas do município "em dia". Caso a tendência de recuperação se concretize, a crise das prefeituras registrada neste ano de 2023 talvez não se repita no ano que vem.

Reportagem: José Roberto Azambuja