Foto: Freepik
Foto: Freepik

Com destaque para indústria de transformação, economia de Santa Catarina cresceu 8,3% em 2021

O PIB do Brasil, por sua vez, aumentou 4,6%. Segundo a economista Margarida Gutierrez, da UFRJ, a taxa de investimento e o mercado formal de trabalho indicam que atividade econômica deve manter desempenho de ano passado


A alta de 17,2% da taxa de investimentos — que atingiu seu maior patamar desde 2014 — e a criação de 2,7 milhões de vagas no mercado formal de trabalho no ano passado indicam que a melhora da atividade econômica brasileira pode ser sustentável. Essa é a avaliação de Margarida Gutierrez, professora de macroeconomia do Coppead/UFRJ. 

Margarida destaca que o investimento é importante não apenas porque impacta no resultado final do PIB, mas porque afeta a atividade econômica a médio e longo prazo. 

“O investimento aumenta a capacidade produtiva da economia para os períodos seguintes. E para o investimento acontecer, ele depende de expectativas favoráveis, muito mais do que da taxa de juros. Então, se essa taxa de investimento cresceu tanto, se a produção de máquinas, equipamentos, novas construções e novas tecnologias cresceu 17% em 2021 frente a 2020, isso é um sinal de expectativas altamente favoráveis para os períodos seguintes. Nenhuma empresa compra uma máquina pra deixar ela parada. Nenhuma empresa aumenta uma instalação ou seu parque fabril se não tiver expectativas de aumento de venda”, analisa. 

Em 2021, o investimento em máquinas e equipamentos, por exemplo, subiu 23,6%. Já os aportes em construção aumentaram 12,8%. Tais resultados ajudaram o indicador de investimento chegar a 19,2% em relação ao PIB, o melhor desempenho desde 2014. 

PIB 
A economia catarinense cresceu 8,3% em 2021, segundo estimativa da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico (SDE). Destaque para a indústria de transformação, que teve alta de 10,2%. O desempenho foi superior ao avanço da economia brasileira, que subiu 4,6% no ano passado, de acordo com o IBGE, o suficiente para recuperar o país do tombo de 3,9% em 2020. 

Segundo o Sistema de Contas Nacionais Trimestrais do IBGE, o crescimento da economia brasileira foi puxado pelo setor de serviços, que cresceu 4,7%, e pela indústria, que registrou alta de 4,5%. Juntos, eles representam 90% do PIB do país.  

Apesar do desempenho positivo das economia de Santa Catarina e do Brasil em 2021, o deputado federal Celso Maldaner (MDB/SC) está preocupado quanto ao comportamento da atividade econômica do país este ano. 

“Há insegurança com o aumento da taxa de juros, a Selic, com o aumento da inflação e por ser também um ano eleitoral. Então, nós estamos muito preocupados. A previsão não é nada animadora para 2022”, avalia. 

A análise do deputado recai sobre o papel do agronegócio na economia do país, afetado pela seca prolongada. “O agronegócio que tem dado sustentabilidade para o Brasil e com a estiagem que teve muito dura nesses quatro estados do sul (Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul), deixamos de arrecadar em torno de R$ 70 bilhões de reais em cima do agronegócio. Nos preocupa muito, principalmente a falta de recursos para investimentos e, principalmente, a taxa de juros muito alta”, afirma. 

PIB cresce 4,6% em 2021 e país retoma patamar anterior à pandemia, diz IBGE

Brasil alcança maior taxa investimento desde 2014, mas ainda ocupa 128ª colocação em ranking internacional

PIB: economia de Minas Gerais cresce 5,1% em 2021, diz Fundação João Pinheiro

Emprego
Além da ampliação da capacidade produtiva com a chegada de mais investimentos, o mercado formal de trabalho também indica que a recuperação da economia não deve se restringir apenas a 2021. Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o país teve saldo positivo de 478 mil empregos com carteira assinada nos dois primeiros meses deste ano. O resultado se soma às mais de 2,7 milhões de vagas abertas em 2021. 

Para Margarida Gutierrez,  a explosão do emprego formal que ocorre desde o ano passado também indica perspectivas favoráveis para a economia brasileira em 2022. 

“Os dados sinalizaram uma recuperação impressionante do mercado de trabalho em 2021, com uma queda expressiva do desemprego e com um aumento enorme do nível de ocupações, que inclusive, já superou o nível pré-pandemia. Nenhuma empresa contrata um empregado para deixá-lo parado. Isso mais uma vez sinaliza expectativas que, antes da guerra Ucrânia/Rússia, eram bastante favoráveis para a economia brasileira em 2022”, ressalta. 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: A alta de 17,2% da taxa de investimentos e a criação de 2,7 milhões de vagas no mercado formal de trabalho no ano passado indicam que a melhora da atividade econômica brasileira pode ser sustentável. Essa é a avaliação de Margarida Gutierrez, professora de macroeconomia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. 

TEC./SONORA: Margarida Gutierrez, professora de macroeconomia do Coppead/UFRJ
 

“O investimento aumenta a capacidade produtiva da economia para os períodos seguintes. E para o investimento acontecer, ele depende de expectativas favoráveis, Se essa taxa de investimento cresceu tanto, é um sinal de expectativas altamente favoráveis para os períodos seguintes. Nenhuma empresa compra uma máquina pra deixar ela parada. Nenhuma empresa aumenta uma instalação ou seu parque fabril se não tiver expectativas de aumento de venda”. 

LOC.: O alto volume de investimentos impactou o resultado final do PIB brasileiro, que cresceu 4,6% no ano passado. Melhor ainda foi o desempenho da economia catarinense, que cresceu 8,3% em 2021, segundo estimativa da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico, a SDE. Destaque para a indústria de transformação, que teve alta de 10,2%. 

Apesar do desempenho positivo das economia de Santa Catarina e do Brasil em 2021, o deputado federal Celso Maldaner, do MDB de Santa Catarina, está preocupado quanto ao comportamento da atividade econômica do país este ano. 

TEC./SONORA:  deputado federal Celso Maldaner (MDB/SC)
 

“Há insegurança com o aumento da taxa de juros, a Selic, com o aumento da inflação e por ser também um ano eleitoral. Então, nós estamos muito preocupados. A previsão não é nada animadora para 2022”.

LOC.: Por outro lado, o mercado formal de trabalho também indica que a recuperação da economia não deve se restringir apenas a 2021. Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, o Caged, o país teve saldo positivo de 478 mil empregos com carteira assinada nos dois primeiros meses deste ano. O resultado se soma às mais de 2,7 milhões de vagas abertas em 2021. 

Reportagem, Felipe Moura.