Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Chegada do 5G a Boavista pode alavancar indústria de Roraima

Além de levar mais velocidade de navegação ao usuário comum, a nova tecnologia vai revolucionar o setor produtivo. Em Boavista, a indústria rende mais de R$ 1 bilhão por ano e pode usar o 5G para ser mais produtiva


O sinal 5G foi liberado em Boavista (RR) nesta segunda-feira (19) e a tecnologia promete mais velocidade de navegação ao usuário comum. Mas é no setor produtivo que a nova tecnologia de internet móvel pode promover uma revolução. Com maior tráfego de dados, menor tempo de resposta entre envio e recebimento de comandos e a possibilidade de várias conexões em uma mesma rede, o setor produtivo do estado pode se automatizar, inserir novos maquinários e tecnologias, e otimizar os processos.

Segundo levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Produto Interno Bruto industrial de Boavista em 2019 foi de R$ 1 bilhão, o que equivale a quase 8% de todo o PIB do estado. O setor, que em 2020 chegou ao número de 524 empresas, também gera mais de 9.000l empregos, com destaque para construção, alimentos e serviços industriais de utilidade pública – que devem ter forte evolução graças ao processo de universalização do saneamento básico.

Com o 5G, a tendência é que vários processos automatizados levem a uma maior economia e organização. E isso só é possível porque estima-se que a nova internet suporte aproximadamente a conexão simultânea de um milhão de dispositivos por quilômetro quadrado, o que leva à evolução da Internet das Coisas (IoT), em que máquina “conversa” com máquina para produzir uma análise mais rápida de dados.

Considerado o pilar da indústria 4.0, o 5G permitirá também que a Inteligência Artificial faça ajustes de forma contínua, para que a produção se mantenha sempre de acordo com a demanda, ou ainda monitoramento 24 horas por dia e otimização de desempenho e segurança. Homero Salum, diretor de Engenharia da TIM Brasil, diz que a internet de quinta geração vai impactar não só a rotina do dia a dia, como também revolucionar diversos setores no estado.

“Com conexões melhores e mais rápidas, o 5G é capaz de conectar máquinas, objetos, coisas e pessoas. Por isso, é chamada a tecnologia do futuro. Essas características vão impactar o Brasil em inúmeros segmentos da indústria, do setor de serviços, do agronegócio e até mesmo as rotinas das pessoas dentro das casas”, aponta Salum. “Na indústria, que vai gerar máquinas e equipamentos para toda essa conectividade, o impacto será revolucionário.”

Luciano Stutz, presidente da Associação Brasileira de Infraestrutura para Telecomunicações (Abrintel), revela que o 5G vai impactar tanto as micro e pequenas empresas quanto as de maior porte. Para a grande indústria, a maior novidade será a possibilidade de criar redes privadas com a tecnologia, o que vai otimizar ainda mais os processos e ganhos. Ele ressalta, no entanto, que todo e qualquer produtor que tenha acesso vai começar a se beneficiar a partir de agora.

“O empresário que está incrustado dentro da cidade e que faz também o processo fabril, ou o pequeno agricultor que está na borda e pode se cobrir com esse 5G, ou um microempreendedor pode, sim, ter seus processos produtivos melhorados. Você vai ter uma indústria que vai trabalhar com 5G, esse já vai poder operar um equipamento à distância, seja um drone, um semeador, seja uma máquina agrícola, se ele já tiver acesso ao 5G. Aquelas indústrias que se prevalecem de meios mecânicos, automatizados para fazerem seu processo produtivo, se aproveitam do 5G na medida em que estão presentes”, destaca Stutz.

Em Rorraima, as micro e pequenas empresas são responsáveis por 95,2% do total de indústrias. Somente em 2021, segundo a CNI, a indústria local exportou US$ 226 milhões – o setor é responsável por mais de 67% de todas as exportações efetuadas pelo estado.

5G vai permitir que máquinas agrícolas “conversem entre si”

Tecnologia 5G pode agregar US$ 1,2 trilhão ao PIB até 2035

O 5G que está sendo instalado nas capitais está presente principalmente na área central. No caso de Boavista, segundo as regras do edital, as empresas Claro, Tim e Vivo devem ativar, pelo menos, cinco estações de 5G, mas as operadoras estão disponibilizando uma quantidade de estruturas maior do que a mínima exigida. A capital sergipana tem hoje 24 bairros atendidos com a nova tecnologia: Centro, Mecejana, Nossa Senhora Aparecida, São Francisco, Trinta, Um de Março, Caçari, Pricumã, São Vicente, Bela Vista, Jardim Floresta, Asa Branca, Silvio Botelho, Cinturão Verde, Jardim Tropical, Centenário, Buritis, Paraviana, Dos Estados, Liberdade, Treze de Setembro, São Pedro, Canarinho e Calunga.

Além de Boavista, outras 21 capitais já receberam o 5G: Brasília (DF), Belo Horizonte (MG), João Pessoa (PB), Porto Alegre (RS), São Paulo (SP), Curitiba (PR), Salvador (BA), Goiânia (GO), Rio de Janeiro (RJ), Palmas (TO), Vitória (ES), Florianópolis (SC), Recife (PE), Fortaleza (CE), Natal (RN), Aracaju (SE), Campo Grande (MS), Cuiabá (MT), Maceió (AL), São Luís (MA) e Teresina (PI).

O cronograma inicial de ativação do 5G no Brasil previa que o sinal inicial estivesse disponível em todo o país já no fim de setembro, mas a Anatel prorrogou o prazo por até dois meses, devido a um atraso na importação de equipamentos para a limpeza da faixa onde transita a tecnologia. Com isso, nas outras cinco capitais onde o serviço ainda não está disponível, as companhias terão até 27 de novembro para ligar as estações e passar a oferecer o sinal de quinta geração. 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O 5G chegou a Boavista nesta segunda-feira (19) e promete levar mais velocidade de navegação ao usuário comum, nos 24 bairros atendidos inicialmente. Mas é no setor produtivo de Roraima que a nova tecnologia de internet móvel pode promover uma revolução. A indústria do estado vai poder se automatizar, inserir novos maquinários e tecnologias, e otimizar os processos.

O diretor de Engenharia da TIM Brasil, Homero Salum, uma das operadoras que oferecem a nova tecnologia no estado, explica o potencial da internet de quinta geração.
 

TEC. SONORA: Homero Salum, diretor de Engenharia da TIM Brasil

“Com conexões melhores e mais rápidas, o 5G é capaz de conectar máquinas, objetos, coisas e pessoas. Por isso, é chamada a tecnologia do futuro. Essas características vão impactar o Brasil em inúmeros segmentos da indústria, do setor de serviços, do agronegócio e até mesmo as rotinas das pessoas dentro das casas. Na indústria, que vai gerar máquinas e equipamentos para toda essa conectividade, o impacto será revolucionário.”
 

LOC.: O presidente da Associação Brasileira de Infraestrutura para Telecomunicações, Luciano Stutz, revela que o 5G vai impactar tanto as micro e pequenas empresas quanto as de maior porte.

TEC. SONORA: Luciano Stutz, presidente da Abrintel

“O empresário que está incrustado dentro da cidade e que faz também o processo fabril, ou o pequeno agricultor que está na borda e pode se cobrir com esse 5G, ou um microempreendedor pode, sim, ter seus processos produtivos melhorados. Você vai ter uma indústria que vai trabalhar com 5G, esse já vai poder operar um equipamento à distância, seja um drone, um semeador, seja uma máquina agrícola, se ele já tiver acesso ao 5G.”
 

LOC.: Boavista recebeu o 5G no mesmo dia em que Aracaju, Campo Grande, Cuiabá, Maceió, São Luís e Teresina. A tecnologia também está presente em outras 15 capitais. Agora, faltam apenas cinco para receber o 5G. Segundo o cronograma da Anatel, as companhias terão até 27 de novembro para ligar as estações em todas as capitais.

Reportagem, Luciano Marques