Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Arquivo/CNM

Curso com base no meio digital ajuda profissionais a otimizarem estratégias durante campanha eleitoral

Oferecido pelo IBPAD, conteúdo auxilia na produção, consumo e criação de estratégias com as principais técnicas digitais e tradicionais de monitoramento de mídias sociais, pesquisas de opinião e mapas eleitorais


A pandemia do novo coronavírus proporcionou um “novo normal” na vida das pessoas. A maneira de comprar, estudar e trabalhar, por exemplo, mudou. Algumas datas importantes também tiveram que ser revistas, como é o caso das eleições municipais previstas para este ano, que além de adiadas contarão com novas estratégias para aqueles que trabalham durante a campanha. 

O calendário inicial, definido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no ano passado, previa o primeiro turno em 4 de outubro, e o segundo, em 25 do mesmo mês. Agora, uma PEC aprovada pelo Congresso adiou o primeiro turno para 15 de novembro, e o segundo, para 29 de novembro.

Essas alterações, às vezes, são vistas como problemas por boa parte da população. No entanto, há quem encontre oportunidades nesses momentos de crise. É o caso de quem vai atuar profissionalmente nas campanhas políticas.

Por terem um tempo a mais, essas pessoas podem encontrar novas soluções que ajudem os candidatos que defendem a estar um passo à frente dos seus concorrentes. Pensando nisso, o Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados (IBPAD) oferece um curso destinados a ajudar esses profissionais a desempenharem um trabalho mais eficiente, dentro desse propósito.

“Nós estávamos acostumados sempre a velhos padrões, como de presença ou que sempre havia conversas com as pessoas. Mas, agora, precisamos de estratégias para alcançar essas pessoas, em momentos e plataformas distintos. O meio digital, como nunca, será fundamental. O digital permite uma quantidade de dados gigantes. Então, nesse momento, um curso como esse pode ajudar a fazer a diferença numa campanha”, destaca o presidente-executivo do IBPAD, Max Stabile.

Ao todo, serão disponibilizados quatro cursos que vão auxiliar a produzir, consumir e criar estratégias com as principais técnicas digitais e tradicionais de monitoramento de mídias sociais, pesquisas de opinião, mapas eleitorais e da dashboards real-time.

Stabile explica que esta campanha vai necessitar de estratégias voltadas para determinados nichos, principalmente em cidades que não têm segundo turno. Nesse sentido, ele ressalta que o resultado das eleições vai ser definido, principalmente, pelo conhecimento da geografia detalhada dos municípios e o perfil do eleitorado deste local.

“Dizemos como construir um mapa, saber suas sessões, quem são seus candidatos eleitorais. Também ensinamos como monitorar ou encontrar as pessoas nas redes sociais, para construir uma persona e saber qual é o seu público e o nicho exato. Ainda temos um curso de pesquisas eleitorais, já que às vezes encomendamos ou fazemos, mas, não sabemos como construir uma boa pesquisa e sempre questionamos um levantamento que está nos desfavorecendo”, explica.

Fake News

Um dos temas mais relevantes dos últimos anos, as fake news – notícias falsas – têm gerado bastante discussão em todas as esferas de Poder e entre a sociedade. Além de ter sido responsável por repercussões recentes nos noticiários e redes sociais, foi ponto notório durante as últimas eleições presidenciais no Brasil.

Proposta de adiamento das eleições deste ano altera datas do calendário eleitoral

Eleições Municipais: Comícios e eventos com aglomerações podem ser proibidos

ELEIÇÕES 2020: Mídia e redes sociais podem causar impacto nas urnas

Dentro do conteúdo oferecido pelo IBPAD, Max Stabile garante que o assunto será abordado de forma veemente. “O nosso curso de monitoramento já é reconhecido no mercado e ensina como que você pode ter, em tempo real, a informação de que alguma fake news está circulando sobre você, sobre seu candidato e à sua campanha política.”

De acordo com o instituto, o objetivo dos cursos é oferecer uma metodologia de análises quantitativas e qualitativas na confecção de cartografia e mapas eleitorais, além de capacitar profissionais de campanha para criar estratégias de mobilização.
Os interessados nos cursos devem acessar o site www.dadosparavencer.com.br ou ligar para o número (61) 4042-2018.
 

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Por conta da pandemia, o calendário inicial, definido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no ano passado, previa o primeiro turno das eleições em 4 de outubro, e o segundo, em 25 de outubro. Agora, uma PEC aprovada pelo Congresso adiou o primeiro turno para 15 de novembro, e o segundo, para 29 do mesmo mês.

Esse tempo a mais pode ser encarado por alguns profissionais como uma oportunidade de melhorar em sua área de atuação. É o caso de quem vai trabalhar nas campanhas políticas.

Nesse período prolongado, essas pessoas podem encontrar novas soluções que ajudem os candidatos que defendem a estar um passo à frente dos seus concorrentes. Pensando nisso, o Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados (IBPAD) oferece um curso destinado a ajudar esses profissionais a desempenharem um trabalho mais eficiente, dentro desse propósito. É o que explica o presidente-executivo do IBPAD, Max Stabile.
 

TEC./SONORA: Max Stabile, presidente-executivo do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados (IBPAD)

“Nós estávamos acostumados sempre a velhos padrões, como de presença ou que sempre havia conversas com as pessoas. Mas, agora, precisamos de estratégias para alcançar essas pessoas, em momentos e plataformas distintos. O meio digital, como nunca, será fundamental. O digital permite uma quantidade de dados gigantes. Então, nesse momento, um curso como esse pode ajudar a fazer a diferença numa campanha.”
 

LOC.: Ao todo, serão disponibilizados quatro cursos que vão auxiliar a produzir, consumir e criar estratégias com as principais técnicas digitais e tradicionais de monitoramento de mídias sociais, pesquisas de opinião, mapas eleitorais e da dashboards real-time.

Stabile explica que esta campanha vai necessitar de estratégias voltadas para determinados nichos, principalmente em cidades que não têm segundo turno. Nesse sentido, ele ressalta que o resultado das eleições vai ser definido, principalmente, pelo conhecimento da geografa detalhada dos municípios e o perfil do eleitorado deste local.
 

TEC./SONORA: Max Stabile, presidente-executivo do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados (IBPAD)

“Dizemos como construir um mapa, saber suas sessões, quem são seus candidatos eleitorais. Também ensinamos como monitorar ou encontrar as pessoas nas redes sociais, para construir uma persona e saber qual é o seu público e o nicho exato. Ainda temos um curso de pesquisas eleitorais, já que às vezes encomendamos ou fazemos, mas, não sabemos como construir uma boa pesquisa e sempre questionamos um levantamento que está nos desfavorecendo.”
 

LOC.: O assunto fake news também será destacado nos conteúdos oferecido pelo IBPAD. Segundo Max Stabile, para este caso específico, o curso de monitoramento ensina como se pode ter, em tempo real, a informação de que alguma notícia falsa está circulando sobre seu candidato e sua campanha política.

Os interessados nos cursos devem acessar o site www.dadosparavencer.com.br ou ligar para o número (61) 4042-2018.

Reportagem, Marquezan Araújo