Foto: Arquivo/EBC
Foto: Arquivo/EBC

Cancelamento do Censo Demográfico fere legislação e prejudica população, aponta CNM

De acordo com a CNM, o maior prejuízo vai para a população. Isso porque o Censo Demográfico é uma relevante radiografia do país, já que os indicadores orientam investimentos e subsidiam políticas implementadas pelo poder público


Após o governo federal confirmar que o Censo Demográfico está, mais uma vez, cancelado, a Confederação Nacional de Municípios (CNM) destaca que a medida fere a legislação, prejudica a aplicação de recursos e a construção de políticas sociais no Brasil.

De acordo com a entidade, o maior prejuízo vai para a população. Isso porque o Censo é uma relevante radiografia do país, já que os indicadores demográficos e socioeconômicos orientam investimentos e subsidiam políticas implementadas pelos governos federal, estadual e municipal.  

Pesquisa do IBGE revela que 4,1 milhões de estudantes da rede pública não tem acesso à internet

PGR opina pelo não conhecimento de ADPF que pede verbas federais para estados e municípios comprarem vacinas

A Confederação considera, ainda, que a medida deveria estar entre as prioridades do governo, sobretudo diante da atual crise, provocada pela pandemia da Covid-19.

O número de habitantes dos municípios direciona, por exemplo, os coeficientes de repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), considerado a principal fonte de custeio da maioria das cidades, e é critério para transferências em diversos programas federais.
 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Após o governo federal confirmar que o Censo Demográfico está, mais uma vez, cancelado, a Confederação Nacional de Municípios (CNM) destaca que a medida fere a legislação, prejudica a aplicação de recursos e a construção de políticas sociais no Brasil.

De acordo com a entidade, o maior prejuízo vai para a população. Isso porque o Censo é uma relevante radiografia do país, já que os indicadores demográficos e socioeconômicos orientam investimentos e subsidiam políticas implementadas pelos governos federal, estadual e municipal.  

A Confederação considera, ainda, que a medida deveria estar entre as prioridades do governo, sobretudo diante da atual crise, provocada pela pandemia da Covid-19.

O número de habitantes dos municípios direciona, por exemplo, os coeficientes de repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), considerado a principal fonte de custeio da maioria das cidades, e é critério para transferências em diversos programas federais.

Reportagem, Marquezan Araújo