Foto: José Cruz/Agência Brasil
Foto: José Cruz/Agência Brasil

Universalização do saneamento promete revolucionar setores da economia, principalmente a indústria

São esperados investimentos superiores a R$ 308 bilhões nos próximos quatros anos, movimentando diversos setores, como construção civil, máquinas e equipamentos, eletroeletrônicos e indústria química


Nos últimos dois anos, graças ao marco do saneamento básico e aos leilões realizados, o setor já recebeu a garantia de R$ 46 bilhões em investimentos. E a estimativa para os próximos quatro anos, segundo a Associação Nacional das Concessionárias Privadas de Serviços Públicos de Água e Esgoto (Abcon), é de R$ 308 bilhões. O montante vai garantir água e esgoto tratado a mais 27 milhões de brasileiros e movimentar diversos setores, principalmente a indústria.

Como o déficit de saneamento é muito grande no Brasil, a necessidade de investimento também é, daí a necessidade estimada de R$ 893 bilhões para universalizar os serviços de água e esgoto em todo o país até 2033. E quanto mais é necessário investir, mais os diversos setores da economia são demandados.

Os R$ 46 bilhões já garantidos para o setor são provenientes de leilões que licitaram, entre outros, três blocos em Alagoas, quatro no Rio de Janeiro, boa parte do esgoto do Mato Grosso do Sul e do estado do Amapá. A expectativa, segundo levantamento da Abcon, é de geração de 1,26 milhão de empregos, sendo mais de 669 mil apenas na indústria. 

Consulta pública para elaboração de Planos de Recursos Hídricos de Bacias Hidrográficas vai até 30 de setembro

MDR lança sistema para cidades, estados e consórcios públicos cadastrarem projetos de PPPs e concessões

Duas cidades de Sergipe terão acesso a mais de R$ 2,1 milhões para a continuidade de obras de saneamento

Percy Soares Neto, diretor executivo da Abcon, explica que neste primeiro momento o saneamento básico vai movimentar diversas indústrias que fornecem maquinários, tubulações, ferro e equipamentos eletrônicos.

“Nós temos dois momentos no saneamento que são importantes. O primeiro é a construção civil, o momento do investimento. No investimento nós vamos ter uma intensidade importante na construção civil, no setor de máquinas e equipamentos, no setor de eletroeletrônicos, setores de tubos e conexões, setores de ferro. O saneamento encomenda muito nesses setores da economia. Esses são os setores principais”, enumera.

Segundo o diretor, devido à capilaridade do saneamento e uma relevante cadeia produtiva, a participação da indústria não para por aí. Em um segundo momento, quando as estações já estiverem operando, a indústria química será ainda mais demandada.

“Então, eu faço o investimento, eu coloco as redes, eu construo as estações de tratamento de água e esgoto, recupero algumas redes que estão velhas, troco alguns equipamentos que estão obsoletos, E na hora da operação, do dia a dia do setor de saneamento, aí aparece o setor da indústria química com um protagonismo extremamente importante”, explica Percy. “Porque o insumo químico é fundamental para o tratamento da água para que as pessoas possam consumir. Cloro, sulfeto, sulfato. Os produtos químicos assumem um protagonismo diferente.”

Entre 2020 e julho de 2022, foram realizados 18 leilões da área de saneamento. Estão em estruturação, ao menos, 26 leilões de parcerias entre governos e iniciativa privada para prestação de serviços no setor. O investimento previsto para ser contratado a partir dessas futuras licitações é estimado em outros R$ 21,7 bilhões. A população atendida é calculada em 14,4 milhões.

Segundo estimativas da Abcon, para se alcançar a universalização dos serviços preconizados pelo marco do saneamento até 2033, além dos R$ 308 bilhões dos próximos quatro anos, são esperados investimentos de R$ 585 bilhões entre 2026 e a data estipulada para que 99% da população tenha acesso a abastecimento de água e 90%, a coleta e tratamento de esgoto.

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Nos últimos dois anos, graças ao marco do saneamento básico e aos leilões realizados, o setor já recebeu a garantia de 46 bilhões de reais de investimentos. E a estimativa para os próximos quatro anos é de 308 bilhões de reais, segundo a Associação Nacional das Concessionárias Privadas de Serviços Públicos de Água e Esgoto, a Abcon. O montante vai garantir água e esgoto tratado a mais 27 milhões de brasileiros, além de movimentar diversos setores da economia, principalmente a indústria.

O diretor executivo da Abcon, Percy Soares Neto, explica esse impacto.
 

TEC. SONORA: Percy Soares Neto, diretor executivo da Abcon

“Nós temos dois momentos no saneamento que são importantes. O primeiro é a construção civil, o momento do investimento. No investimento nós vamos ter uma intensidade importante na construção civil, no setor de máquinas e equipamentos, no setor de eletroeletrônicos, setores de tubos e conexões, setores de ferro. O saneamento encomenda muito nesses setores da economia. Esses são os setores principais”
 


LOC.: Segundo Percy, no segundo momento, quando as estações já estiverem operando, a indústria química será ainda mais demandada.

TEC. SONORA: Percy Soares Neto, diretor executivo da Abcon

“Então, eu faço o investimento, eu coloco as redes, eu construo as estações de tratamento de água e esgoto, recupero algumas redes que estão velhas, troco alguns equipamentos que estão obsoletos. E na hora da operação, do dia a dia do setor de saneamento, aí aparece o setor da indústria química com um protagonismo extremamente importante”
 


LOC.: Entre 2020 e julho de 2022, foram realizados 18 leilões da área de saneamento que devem levar os serviços a milhões de pessoas em estados como Alagoas, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul e Amapá. Estão em estruturação, ao menos, 26 leilões de parcerias entre governos e iniciativa privada para prestação de serviços no setor. O investimento previsto para ser contratado a partir dessas futuras licitações é estimado em outros 21 bilhões e 700 milhões de reais. A população atendida é calculada em mais de 14 milhões.

Segundo estimativas da Abcon, para se alcançar a universalização dos serviços preconizados pelo marco do saneamento até 2033, a necessidade estimada é de um total de R$ 893 bilhões em investimentos.

Reportagem, Luciano Marques