Já são nove polos instalados pelo País, atendendo apicultores da Bahia, Ceará, Espírito Santo, Minas Gerais, Pará, Piauí, Rio Grande do Norte e Rio Grande do Sul. Foto: Ministério do Desenvolvimento Regional
Já são nove polos instalados pelo País, atendendo apicultores da Bahia, Ceará, Espírito Santo, Minas Gerais, Pará, Piauí, Rio Grande do Norte e Rio Grande do Sul. Foto: Ministério do Desenvolvimento Regional

Rota do Mel: produtores trocam experiências e avaliam a economia para o setor

A 1ª Conferência Nacional da Rota do Mel teve objetivo de aproximar os diferentes polos de produção apícola e gerar resultados melhores ao setor


Apicultores e produtores de mel tiveram dois dias para trocar experiências e debater perspectivas para o futuro durante a 1ª Conferência Nacional da Rota do Mel. O evento foi realizado pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), na terça (14) e quarta-feira (15), com objetivo de aproximar os diferentes polos de produção apícola e gerar resultados melhores ao setor.    

Segundo o coordenador do Polo do Mel do Pampa Gaúcho, Aldo Machado, o início das ações da Rota marcou um novo momento para os apicultores de todo o País. “A Rota do Mel veio para mudar a cara da nossa apicultura brasileira, porque é um programa que está sendo muito bem-visto não só pelos apicultores, mas por todos que estão envolvidos. Com certeza, vai haver o antes e o depois da Rota do Mel”, avaliou.

Hoje existem nove polos da Rota do Mel instalados pelo Brasil: Polo Apícola do Norte de Minas (Minas Gerais); Polo do Mel de Jandaíra (Rio Grande do Norte); Polo do Mel do Caparaó e Sul Capixaba (Espírito Santo); Polo do Mel do Crateús-Inhamuns (Ceará); Polo do Mel do Pampa Gaúcho (Rio Grande do Sul); Polo do Mel do Semiárido Baiano (Bahia); Polo do Mel do Semiárido Piauiense (Piauí); Polo do Mel do Sudeste do Pará (Pará); e Polo do Mel dos Campos de Cima da Serra (Rio Grande do Sul).

Para Francisco Soares, diretor de Desenvolvimento Regional do MDR, a Rota do Mel é um exemplo de sucesso e, entre os resultados alcançados, é possível destacar o potencial de exportação dos produtos.

“Para nós, do MDR, é um marco deixarmos registrada a importância deste trabalho que está sendo desenvolvido nas Rotas de Integração Nacional. A Rota do Mel é o melhor exemplo de sucesso, porque, apesar de ser uma das mais recentes, é a que tem melhores resultados alcançados, já com exportação com qualidade excelente dos produtos que são elaborados pelos produtores”, explicou.

Programa Casa Verde e Amarela anuncia avanços para facilitar acesso ao financiamento habitacional

Complicações por doenças cardíacas podem matar 400 mil em 2021

Rotas

As Rotas de Integração Nacional são redes de arranjos produtivos locais associadas a cadeias produtivas, Cadeias essas capazes de promover a inclusão e o desenvolvimento sustentável das regiões brasileiras priorizadas pela Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR).

As rotas promovem a coordenação de ações públicas e privadas em polos selecionados, mediante o compartilhamento de informações e o aproveitamento de sinergias coletivas, a fim de propiciar a inovação, a diferenciação, a competitividade e a sustentabilidade dos empreendimentos associados, contribuindo, assim, para a inclusão produtiva e o desenvolvimento regional.

A partir da identificação das potencialidades locais, o Ministério do Desenvolvimento Regional, em conjunto com órgãos parceiros, associações e entidades locais, realiza um diagnóstico considerando questões como capacidade hídrica, energética, de escoamento da produção (rodovias, aeroportos, ferrovias e portos), capacidade de beneficiamento e produção.

Além disso, é oferecido apoio técnico e de planejamento estratégico para estruturar e profissionalizar o trabalho dos agricultores, especialmente os pequenos produtores e familiares.

No momento, o MDR apoia as rotas do Açaí, da Biodiversidade, do Cacau, do Cordeiro, da Economia Circular, da Fruticultura, do Leite, do Mel, do Peixe e da Tecnologia da Informação e Comunicação.
 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC: O governo federal reuniu nesta semana representantes dos nove polos da Rota do Mel espalhados pelo Brasil para que eles pudessem compartilhar experiências e traçar metas. O evento, em formato on-line, foi promovido pelo Ministério do Desenvolvimento Regional, o MDR.

Segundo Francisco Soares, diretor de Desenvolvimento Regional do MDR, a Rota do Mel é um caso de sucesso. Entre os bons resultados alcançados, ele destacou a qualidade e o potencial de exportação dos produtos.
 


TEC./SONORA: Francisco Soares, diretor de Desenvolvimento Regional do MDR.

“Para nós, do MDR, é um marco deixarmos registrada a importância desse trabalho que está sendo desenvolvido nas Rotas de Integração Nacional. A Rota do Mel é o melhor exemplo de sucesso, porque, apesar de ser uma das mais recentes, é a que tem melhores resultados alcançados, já com exportação com qualidade excelente dos produtos que são elaborados pelos produtores”.

LOC: Os nove polos atendem apicultores de oito estados: Bahia, Ceará, Espírito Santo, Minas Gerais, Pará, Piauí, Rio Grande do Norte e Rio Grande do Sul. 

Para Aldo Machado, coordenador do Polo do Mel do Pampa Gaúcho, a implementação das ações da Rota marcou um novo momento para os apicultores de todo o Brasil.
 

TEC./SONORA: Aldo Machado, coordenador do Polo do Mel do Pampa Gaúcho.

“A Rota do Mel veio para mudar a cara da nossa apicultura brasileira, porque é um programa que está sendo muito bem-visto não só pelos apicultores, mas por todos que estão envolvidos e, com certeza, vai haver o antes e o depois da Rota do Mel”.
 

LOC: Para saber mais sobre essas e outras ações de desenvolvimento regional do governo federal, acesse mdr.gov.br.