Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o usuário realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Política de privacidade

Nós do Brasil 61 coletamos e usamos alguns dados dos nossos leitores com o intuito de melhorar e adaptar nossas plataformas e nossos produtos. Para isso, agimos conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) e nos esforçamos para sermos transparentes em todas nossas atividades.

Para podermos oferecer melhores serviços e veicular peças publicitárias de nossos anunciantes, precisamos conhecer certas informações dos nossos usuários.

COMO O BRASIL 61 COLETA SEUS DADOS

– Quando você se cadastra e cria um usuário no Brasil 61

Quando você entra no nosso site, fornece informações (dados) para a criação do usuário. Estes dados são usados para orientar a estratégia do Brasil 61 e o desenvolvimento de novos serviços e/ou produtos. Essas informações são fornecidas voluntariamente por você leitor e não são compartilhadas com nenhum terceiro.

– Quando você acessa o site do Brasil 61 (www.brasil61.com.br) ou abre uma de nossas newsletters enviadas por e-mail

O Brasil 61 usa tecnologias como cookies e pixel tags para entender como é a sua interação com as nossas plataformas. Esses dados permitem saber, por exemplo, de que dispositivo você acessa o site ou em que links você clicou e quanto tempo permaneceu lendo as notícias. 

COMO O BRASIL 61 USA OS SEUS DADOS

Nós, do Brasil 61, usamos seus dados sempre com a principal intenção de melhorar, desenvolver e viabilizar nossos próprios produtos e serviços a você leitor.

Seus dados são sempre analisados de forma não individualizada, mesmo os que são fornecidos vinculados seu nome ou ao seu endereço de e-mail. 

Os dados em conjunto são analisados para criar relatórios estatísticos de audiência sobre as páginas, textos e meios de acesso ao site e às newsletters. 

Esses relatórios são compartilhados com nossos anunciantes e patrocinadores e servem para modelar estratégias e campanhas institucionais.

As informações que você fornece durante a criação do cadastro do seu usuário no Brasil 61 são utilizadas para a formulação de estratégia comercial e desenvolvimento de novos produtos e/ou serviços.

Essas informações individualizadas podem ser usadas pelo Brasil 61 para o envio de campanhas comerciais e divulgação de serviços e/ou produtos próprios. Não são compartilhadas com nenhum terceiro.

As informações captadas por meio de cookies e pixel tags são usadas em relatórios internos de monitoramento da audiência e também em relatórios para os anunciantes verificarem a efetividade de suas campanhas. Essas informações não estão vinculadas a nome ou e-mail dos leitores e são sempre avaliadas de forma não individualizada.

O Brasil 61 compartilha informações captadas por meio de cookies e pixel tags com terceiros, como anunciantes, plataformas de redes sociais e provedores de serviço – por exemplo, o serviço de envio de e-mails. O Brasil 61 também em seu site cookies de terceiros que captam informações diretamente do usuário, de acordo com suas próprias políticas de privacidade e uso de dados. 

O QUE O BRASIL 61 NÃO FAZ COM SEUS DADOS

– Não monitoramos ou coletamos dados de páginas que não pertencem ao Brasil 61.
– Não compartilhamos ou vendemos para terceiros nenhuma informação identificável.

O QUE VOCÊ PODE FAZER SE NÃO QUISER MAIS QUE SEUS DADOS SEJAM USADOS PELO BRASIL 61

– Caso não queira que o Brasil 61 use nenhum tipo de cookies, altere as configurações do seu navegador. Nesse caso, a exibição de anúncios e mensagens importantes do Brasil 61 e de nossos anunciantes pode ser prejudicada.

– Caso queira deixar de receber algum newsletter ou e-mail de alertas de notícias, basta clicar em “Unsubscribe”, na parte de baixo do e-mail enviado pelo Brasil 61. 

– Caso queira excluir seu usuário e apagar seus dados individuais da base do Brasil 61, basta enviar um e-mail para: privacidade@brasil61.com

 Última atualização: 24 de dezembro de 2020 

Foto: Agência Pará
Foto: Agência Pará

Representantes do setor defendem maior aproximação entre empresas e população

Durante último, o encontro Mineração &/X Comunidades discutiu a "boa mineração" e como empresas devem se comunicar com municípios


No quarto e último dia do evento online Mineração &/X Comunidades, realizado pela Revista Brasil Mineral nesta quarta-feira (18), os participantes tiveram a missão de tentar responder uma pergunta que está presente no setor desde seus primórdios: o que é uma boa mineração?

O primeiro painel foi apresentado por Eduardo Leão e Carlos Natividade, respectivamente coordenador de Projetos e CEO da Integratio, que discutiram as boas práticas com base na ESG, um dos principais pilares no caminho para criar um boa mineração dentro e fora das empresas.

Em inglês, a sigla ESG significa Environmental, Social and Governance. Em português a sigla fica ASG (Ambiental, Social e Governança) e o termo se aplica a empresas que se preocupam com o meio ambiente e atuam com responsabilidade social, buscando sempre melhorar suas práticas de governança.

BNDES Crédito ASG: conheça os requisitos para participar do programa

Municípios precisam dar mais transparência à utilização de recursos da CFEM, diz pesquisador do CETEM

De acordo com Eduardo, a mineração é uma “casa de muro alto” que as pessoas olham mas não sabem o que se passa lá dentro, e às vezes a própria empresa esquece de olhar ao seu redor, para a comunidade em que está presente.

“Quando você vai para o social, ele é bem intangível e a longo prazo. Então um relacionamento de confiança com a comunidade você não cria do dia para noite, a gente tem que, cada vez mais sair dessas barreiras, trazer a comunidade para dentro da nossa casa e criar esse relacionamento”, conta.

O coordenador de Projetos da Integratio também ressaltou a importância de sempre tentar seguir os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) presentes na Agenda 2030, que é um compromisso global assumido em 2015 por 193 países, incluindo o Brasil. A agenda propõe a ação de governos, instituições, empresas e a sociedade em geral para enfrentar desafios relacionados a direitos humanos e propagar o desenvolvimento sustentável em suas dimensões social, econômica, ambiental e institucional.

O evento também contou com a presença da economista e professora da Universidade Federal do Pará, Maria Amélia Enriquez, que deu um parâmetro sobre as perspectivas que as empresas possuem do que seria uma boa mineração. “Se eu tivesse que reduzir em uma palavra seria ética. Ética na política pública, na gestão empresarial, no comportamento social. Mais do que com uma fórmula, ela [boa mineração] se faz com bons comportamentos e condutas”, analisa.

A economista, que também é autora do livro “Mineração: Maldição ou Dádiva?”, ressaltou que, para alcançar um objetivo conciso e duradouro, o trabalho precisa ser em conjunto, especialmente entre nação, estado, município e comunidades. “O mundo corporativo trabalha com processo patronizados e o desenvolvimento, a boa prática, é contextual e é local. Ela [boa mineração], então, vai depender desse conjunto de valores e da troca de valores que vai haver entre a empresa a comunidade local e a gestão pública”, disse.

Mineração e sociedade: empresas concentram forças para ajudar comunidades a superar problemas na pandemia

Em sua apresentação, Maria também destacou alguns caminhos a serem seguidos para boas práticas:

  • Nação: evitar a maldição do recursos; diversificação e maior complexidade de produtos
  • Estado: diversificação; ampliação a rede de fornecedores; uso sustentável da renda mineral
  • Município: gestão eficiente da renda mineral; evitar a dependência mineral
  • Comunidades: gerar valor autêntico; evitar danos ambientais irreversíveis; maximizar valor ao local

COMUNICAÇÃO: COMUNIDADE E VEÍCULOS

Moderado por Francisco Alves, diretor editorial da Brasil Mineral, o último painel do evento discutiu como a mineração está se comunicando com as comunidades e com os veículos brasileiros de comunicação.

O que a mineração aprendeu com a pandemia?

A gerente geral de Relações Institucionais e Comunicação da Nexa Resources, Lucila Ribeiro, destaca que, apesar de um ano difícil por conta da pandemia de Covid-19, o momento proporcionou grande avanço na comunicação para as empresas do setor. “A gente precisa se comunicar com causas! O ESG, que a gente tanto fala, ele precisa trazer também o conceito de causas. No momento que nós, empresas mineradoras, nos conectamos com o maior desafio do mundo que era combater a Covid-19, a gente uniu forças com a comunidade onde a gente tá. E nós conseguimos salvar vidas, sim. A gente, sim, conseguiu evitar mortes”, declarou.

Todos os encontros online do evento Mineração &/X Comunidades, que começou no dia 10 de agosto, podem ser acessados no canal do Youtube e na página do Facebook da Brasil Mineral.

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: No quarto e último dia do evento online Mineração &/X Comunidades, realizado pela Brasil Mineral nesta quarta-feira (18), os participantes tiveram a missão de tentar responder uma pergunta que está presente no setor desde seus primórdios: o que é uma boa mineração?

O primeiro painel discutiu as boas práticas com base na ESG, um dos principais pilares no caminho para criar um boa mineração dentro e fora das empresas. Eduardo Leão, coordenador de Projetos da Integratio, afirmou que a mineração é uma “casa de muro alto” que as pessoas olham mas não sabem o que se passa lá dentro, e às vezes a própria empresa esquece de olhar ao seu redor, para a comunidade em que está presente.

“Um relacionamento de confiança com a comunidade você não cria do dia para noite, a gente tem que, cada vez mais sair dessas barreiras, trazer a comunidade para dentro da nossa casa e criar esse relacionamento.”

LOC.: O evento também contou com a presença da economista e professora da Universidade Federal do Pará, Maria Amélia Enriquez. Ela ressaltou que, para alcançar um objetivo conciso e duradouro, o trabalho precisa ser em conjunto, especialmente entre nação, estado, município e comunidades.

TEC./SONORA: Maria Amélia Enriquez, economista e professora da Universidade Federal do Pará

“O mundo corporativo trabalha com processo patronizados e o desenvolvimento, a boa prática, é contextual e é local. Ela [boa mineração], então, vai depender desse conjunto de valores e da troca de valores que vai haver entre a empresa a comunidade local e a gestão pública”

LOC.: O último painel do evento discutiu como a mineração está se comunicando com as comunidades e com os veículos de comunicação brasileiros. A gerente geral de Relações Institucionais e Comunicação da Nexa Resources, Lucila Ribeiro, destaca que na pandemia de Covid-19, as mineradoras tiveram oportunidades de se conectar de uma forma mais profunda com a sua comunidade.

“No momento que nós, empresas mineradoras, nos conectamos com o maior desafio do mundo que era combater a Covid-19, a gente uniu forças com a comunidade onde a gente tá. E nós conseguimos salvar vidas, sim. A gente, sim, conseguiu evitar mortes.”

LOC.: Todos os encontros online do evento Mineração &/X Comunidades, que começou no dia 10 de agosto, podem ser acessados no canal do Youtube e na página do Facebook da Brasil Mineral.

Reportagem, Larissa Lago