Fronteira - Foto: Fernando Araújo/IBGE
Fronteira - Foto: Fernando Araújo/IBGE

Projeto busca estimular o desenvolvimento econômico nas áreas próximas às fronteiras do Brasil

Legislação está ultrapassada e não considera cidades já estabelecidas nas áreas próximas às fronteiras terrestres. Projeto pretende modernizar a lei e permitir flexibilização das atividades econômicas permitidas nessas áreas


Um projeto de lei em tramitação no Senado Federal (PL 1455/2022) pretende dividir a Faixa de Fronteira brasileira em duas subfaixas: Restrita e Plena. O objetivo é ampliar as possibilidades de desenvolvimento de atividades econômicas nas áreas próximas. Essa faixa é uma área de 150 quilômetros dentro do território nacional contada a partir de toda fronteira terrestre do Brasil com os vizinhos da América do Sul. Ela é dividida em três arcos: Norte, Central e Sul. 

Segundo o senador Hamilton Mourão (Republicanos-RS) — relator do projeto na Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo —, a legislação está ultrapassada.“A legislação da Faixa de Fronteira é do ano 1979, portanto, é prévia à Constituição de 1988, quando as condições das fronteiras brasileiras eram totalmente distintas das que nós temos hoje. É uma definição que coloca as mesmas imposições para regiões que são desenvolvidas e outras que não são tão desenvolvidas.”

Segundo o texto do PL 1455/2022, a subfaixa Restrita teria o tamanho de 15 quilômetros nos estados do Arco Sul; 30 quilômetros no Arco Central e 100 quilômetros no Arco Norte. Nesse perímetro, ficaria mantido o atual regime de proteção. Já na área restante, até o limite de 150 quilômetros, seria a Faixa Plena, onde as atividades econômicas poderiam ser flexibilizadas, desde que informadas ao Conselho de Defesa Nacional.

O professor de economia da Universidade de Brasília (UnB) Alexandre Andrada destaca os benefícios para a região Sul do país, onde as cidades já estão bem estabelecidas e a relação com os países vizinhos é harmoniosa.

“Nessa faixa de 15 quilômetros no Sul, por exemplo, continuaria com algumas restrições; mas no restante que falta para completar os 150 quilômetros, as atividades econômicas estariam liberadas sem nenhuma restrição extra. Do ponto de vista da agricultura e da pecuária, os estrangeiros não poderiam ser os donos dessa terra, mas os agricultores nacionais, que têm terras nessa região, poderiam dar essa terra em garantia para bancos, inclusive bancos estrangeiros, e isso permitiria que eles acessassem linhas de crédito mais baratas.”

Brasil e Uruguai debatem ações conjuntas para o desenvolvimento territorial na faixa de fronteira

CFM alerta que 45% dos municípios de fronteira brasileiros não possuem hospital geral

Brasil e Colômbia fecham parceria para discutir ações ligadas à segurança hídrica e saneamento básico

O economista membro do Conselho Regional de Economia do Distrito Federal Newton Marques ressalta os benefícios para o setor agropecuário e de mineração, que hoje enfrentam dificuldades para se desenvolverem  por conta das restrições impostas na Faixa de Fronteira.

“Essa flexibilização em grande parte da Faixa de Fronteira vai facilitar operações em propriedades que se dediquem à produção rural e para pesquisar em lavra minerais. É mais uma tentativa de ajudar a desenvolver atividades econômicas que hoje enfrentam dificuldades. Por exemplo, a legislação não permite que eles tenham acesso a crédito a determinado tipo de taxa de juros.”

O PL 1455/2022 foi aprovado na Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo, sob relatoria do senador Hamilton Mourão, e agora aguarda designação de relator na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional em decisão terminativa.

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Um projeto de lei em tramitação no Senado Federal pretende dividir a Faixa de Fronteira brasileira em duas subfaixas: a Restrita e a Plena. O objetivo é ampliar as possibilidades de desenvolvimento de atividades econômicas nas áreas próximas. Essa faixa é uma área de 150 quilômetros dentro do território nacional contada a partir de toda fronteira terrestre do Brasil com os vizinhos da América do Sul.

O senador Hamilton Mourão, do Republicanos do Rio Grande do Sul, foi relator do projeto na Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo no Senado. Segundo ele, a legislação está ultrapassada.

TEC./SONORA: senador Hamilton Mourão, Republicanos-RS

“A legislação da Faixa de Fronteira é do ano 1979, portanto, é prévia à Constituição de 1988, quando as condições das fronteiras brasileiras eram totalmente distintas das que nós temos hoje. É uma definição que coloca as mesmas imposições para regiões que são desenvolvidas e outras que não são tão desenvolvidas.”


LOC.: Segundo o texto do projeto de lei, a subfaixa Restrita teria o tamanho de 15 quilômetros nos estados da região Sul; 30 quilômetros na região Centro-Oeste mais o estado de Rondônia; e 100 quilômetros nos estados do Norte. Nesse perímetro, ficaria mantido o atual regime de proteção. Já na área restante, até o limite de 150 quilômetros, seria a Faixa Plena, onde as atividades econômicas poderiam ser flexibilizadas, desde que informadas ao Conselho de Defesa Nacional.

O professor de economia da Universidade de Brasília Alexandre Andrada destaca os benefícios para a Região Sul do país, onde as cidades já estão bem estabelecidas e a relação com os países vizinhos é harmoniosa.

TEC./SONORA: Alexandre Andrada, professor de economia da UnB

“Nessa faixa de 15 km no Sul, por exemplo, continuaria com algumas restrições; mas no restante que falta para completar os 150 km, as atividades econômicas estariam liberadas sem nenhuma restrição extra. Do ponto de vista da agricultura e da pecuária, os estrangeiros não poderiam ser os donos dessa terra, mas os agricultores nacionais, que têm terras nessa região, poderiam dar essa terra em garantia para bancos, inclusive bancos estrangeiros, e isso permitiria que eles acessassem linhas de crédito mais baratas.”


LOC.: O projeto de lei foi aprovado na Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo e agora aguarda designação de relator na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional, em decisão terminativa.

Reportagem, Paloma Custódio