Foto: Agência Brasil/EBC
Foto: Agência Brasil/EBC

Produtividade na indústria de transformação do Brasil registra alta de 2,3% no segundo trimestre de 2022

Trata-se do primeiro trimestre de alta do indicador desde o terceiro trimestre de 2020, interrompendo uma sequência de seis trimestres de redução


A produtividade do trabalho na indústria de transformação brasileira registrou elevação de 2,3% no segundo trimestre de 2022, em relação ao primeiro trimestre do ano. O resultado levou em conta a série livre de efeitos sazonais. Os dados constam em estudo divulgado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

De acordo com o levantamento, trata-se do primeiro trimestre de alta do indicador desde o terceiro trimestre de 2020, interrompendo uma sequência de seis trimestres de redução.

O quadro é apresentado em um momento de aquecimento do mercado de trabalho, com a recuperação do emprego e do rendimento, assim como pela redução das dificuldades de se obter insumos e matérias-primas.

Confiança aumenta em 27 dos 29 setores da indústria no mês de setembro

Produção industrial avança acima da média em quatro estados brasileiros, segundo IBGE

Em dois meses, Pronampe e Peac concedem mais de R$ 32 bilhões em crédito

O engenheiro mecânico industrial Francisco Oliver, de 62 anos, comemora o resultado. Na avaliação dele, se o país passar a investir mais na área, o desempenho será cada vez melhor.

“A indústria da transformação tem muito a contribuir para o desenvolvimento do país, por ser um setor um segmento muito empregador, desenvolver novas tecnologias e inovações, e sempre oferecer treinamento específico para a mão de obra. Em suma, se a economia voltar a crescer um pouco, esse desempenho pode melhorar ainda mais”, acredita.

Massa salarial

A massa salarial real da indústria de transformação na série livre de efeitos sazonais aumentou 1,3% em julho, na comparação com junho de 2022. O aumento acumulado entre junho e julho totaliza 3,8%. Com o salto, a massa salarial chegou ao ponto máximo desde março de 2020. Na comparação com julho de 2021, a alta é de 7,3%. 

O economista e professor da FGV-EAESP, Renan Pieri, analisa que a massa salarial depende do nível de qualificação dos profissionais, mas também do retorno que a empresa tem com as contratações. Ele explica que a produtividade na indústria, em geral, supera a dos outros setores, o que gera maiores receitas e melhores salários. 

“A indústria é fundamental para o desempenho da economia, possibilita bons trabalhos formais que geram impactos positivos em toda a economia. A indústria tem um potencial de crescimento no Brasil, apesar de alguns gargalos que vão desde a infraestrutura, complexidade tributária e a própria falta de mão-de-obra qualificada. Mas, certamente, o setor tem um potencial grande”, pontua.   

O rendimento médio real dos trabalhadores da indústria de transformação na série livre de efeitos sazonais, por sua vez, subiu 1% em julho de 2022, em relação ao mês de junho. O balanço mostra que houve uma recuperação recente, com alta de 2,8% no acumulado entre junho e julho. 
 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: A produtividade do trabalho na indústria de transformação do Brasil cresceu 2,3% no segundo trimestre de 2022, na comparação com o primeiro trimestre do ano. Trata-se do primeiro trimestre de alta do indicador desde o terceiro trimestre de 2020. Os dados constam em estudo divulgado pela Confederação Nacional da Indústria, a CNI.

O engenheiro mecânico industrial Francisco Oliver, de 62 anos, comemora o resultado. Na avaliação dele, se o país passar a investir mais na área, o desempenho será cada vez melhor.
 

TEC./SONORA: Francisco Oliver, engenheiro mecânico industrial

“A indústria da transformação tem muito a contribuir para o desenvolvimento do país, por ser um setor um segmento muito empregador, desenvolver novas tecnologias e inovações, e sempre oferecer treinamento específico para a mão de obra. Em suma, se a economia voltar a crescer um pouco, esse desempenho pode melhorar ainda mais.”
 


LOC.: Outro resultado positivo foi registrado em relação à massa salarial real da indústria de transformação. Em julho deste ano, houve aumento de 1,3% em relação ao mês imediatamente anterior.  

O economista e professor Renan Pieri analisa que a massa salarial depende do nível de qualificação dos profissionais, mas também do retorno que a empresa tem com as contratações. Ele explica que a produtividade na indústria, em geral, supera a dos outros setores, o que gera maiores receitas e melhores salários. 
 

TEC./SONORA: Renan Pieri, economista e professor da FGV-EAESP

“A indústria é fundamental para o desempenho da economia, possibilita bons trabalhos formais que geram impactos positivos em toda a economia. A indústria tem um potencial de crescimento no Brasil, apesar de alguns gargalos que vão desde a infraestrutura, complexidade tributária e a própria falta de mão-de-obra qualificada. Mas, certamente, o setor tem um potencial grande.”   
 


LOC.: Já o rendimento médio real dos trabalhadores da indústria de transformação na série livre de efeitos sazonais subiu 1% em julho de 2022, em relação ao mês de junho. O balanço mostra que houve uma recuperação recente, com alta de 2,8% no acumulado entre junho e julho. 

Reportagem, Marquezan Araújo