Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o usuário realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Política de privacidade

Nós do Brasil 61 coletamos e usamos alguns dados dos nossos leitores com o intuito de melhorar e adaptar nossas plataformas e nossos produtos. Para isso, agimos conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) e nos esforçamos para sermos transparentes em todas nossas atividades.

Para podermos oferecer melhores serviços e veicular peças publicitárias de nossos anunciantes, precisamos conhecer certas informações dos nossos usuários.

COMO O BRASIL 61 COLETA SEUS DADOS

– Quando você se cadastra e cria um usuário no Brasil 61

Quando você entra no nosso site, fornece informações (dados) para a criação do usuário. Estes dados são usados para orientar a estratégia do Brasil 61 e o desenvolvimento de novos serviços e/ou produtos. Essas informações são fornecidas voluntariamente por você leitor e não são compartilhadas com nenhum terceiro.

– Quando você acessa o site do Brasil 61 (www.brasil61.com.br) ou abre uma de nossas newsletters enviadas por e-mail

O Brasil 61 usa tecnologias como cookies e pixel tags para entender como é a sua interação com as nossas plataformas. Esses dados permitem saber, por exemplo, de que dispositivo você acessa o site ou em que links você clicou e quanto tempo permaneceu lendo as notícias. 

COMO O BRASIL 61 USA OS SEUS DADOS

Nós, do Brasil 61, usamos seus dados sempre com a principal intenção de melhorar, desenvolver e viabilizar nossos próprios produtos e serviços a você leitor.

Seus dados são sempre analisados de forma não individualizada, mesmo os que são fornecidos vinculados seu nome ou ao seu endereço de e-mail. 

Os dados em conjunto são analisados para criar relatórios estatísticos de audiência sobre as páginas, textos e meios de acesso ao site e às newsletters. 

Esses relatórios são compartilhados com nossos anunciantes e patrocinadores e servem para modelar estratégias e campanhas institucionais.

As informações que você fornece durante a criação do cadastro do seu usuário no Brasil 61 são utilizadas para a formulação de estratégia comercial e desenvolvimento de novos produtos e/ou serviços.

Essas informações individualizadas podem ser usadas pelo Brasil 61 para o envio de campanhas comerciais e divulgação de serviços e/ou produtos próprios. Não são compartilhadas com nenhum terceiro.

As informações captadas por meio de cookies e pixel tags são usadas em relatórios internos de monitoramento da audiência e também em relatórios para os anunciantes verificarem a efetividade de suas campanhas. Essas informações não estão vinculadas a nome ou e-mail dos leitores e são sempre avaliadas de forma não individualizada.

O Brasil 61 compartilha informações captadas por meio de cookies e pixel tags com terceiros, como anunciantes, plataformas de redes sociais e provedores de serviço – por exemplo, o serviço de envio de e-mails. O Brasil 61 também em seu site cookies de terceiros que captam informações diretamente do usuário, de acordo com suas próprias políticas de privacidade e uso de dados. 

O QUE O BRASIL 61 NÃO FAZ COM SEUS DADOS

– Não monitoramos ou coletamos dados de páginas que não pertencem ao Brasil 61.
– Não compartilhamos ou vendemos para terceiros nenhuma informação identificável.

O QUE VOCÊ PODE FAZER SE NÃO QUISER MAIS QUE SEUS DADOS SEJAM USADOS PELO BRASIL 61

– Caso não queira que o Brasil 61 use nenhum tipo de cookies, altere as configurações do seu navegador. Nesse caso, a exibição de anúncios e mensagens importantes do Brasil 61 e de nossos anunciantes pode ser prejudicada.

– Caso queira deixar de receber algum newsletter ou e-mail de alertas de notícias, basta clicar em “Unsubscribe”, na parte de baixo do e-mail enviado pelo Brasil 61. 

– Caso queira excluir seu usuário e apagar seus dados individuais da base do Brasil 61, basta enviar um e-mail para: privacidade@brasil61.com

 Última atualização: 24 de dezembro de 2020 

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Nise Yamaguchi nega gabinete paralelo e a mudança da bula da cloroquina

Médica prestou depoimento na CPI do Senado devido à defesa do tratamento precoce durante a pandemia, e afirmou ser uma consultora eventual do governo federal, como já atuou em outras gestões


A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia ouviu nesta terça-feira (1º) a médica Nise Yamaguchi. Defensora do chamado tratamento precoce contra a Covid-19 e consultora eventual de ações do governo, a oncologista e imunologista prestou depoimento a pedido dos senadores Eduardo Girão (Podemos/CE) e Marcos Rogério (DEM/RO). 

Os principais temas do dia na CPI foram: o uso de medicações como a cloroquina para o tratamento do novo coronavírus, os aconselhamentos não oficiais ao Ministério da Saúde nas ações de combate à pandemia e um possível decreto que buscava mudar a bula do remédio, citado em depoimentos anteriores.Também houve discussão, ainda antes do depoimento de Nise Yamaguchi, a respeito da desconvocação de depoentes a favor do tratamento precoce para o dia de amanhã. O presidente da CPI, Omar Aziz (PSD/AM), esclareceu que decidiu antecipar o depoimento da médica infectologista, e crítica ao tratamento, Luana de Araújo, para esta quarta-feira (2), e informou que os depoentes podem ser ouvidos pela CPI em outro momento. 

Questionamentos

A Comissão Parlamentar começou os questionamentos à Nise Yamaguchi baseados em dois temas centrais, a defesa pela imunidade de rebanho na pandemia e a possível existência de um gabinete paralelo de enfrentamento ao vírus no governo federal.
 
O senador Renan Calheiros (MDB/AL) exibiu vídeos antigos com declarações da médica explicando cenários de uma imunidade de rebanho no país. Porém, ela ressaltou que, “para aquele momento [da pandemia], a discussão era pertinente”, e que para esse momento atual, “novos algoritmos devem entrar” no debate. 
 
Sobre o aconselhamento paralelo ao presidente da República, Nise afirmou: “Eu desconheço um gabinete paralelo”. Ela pontuou ser uma especialista chamada em ocasiões eventuais. “Sou uma colaboradora eventual e participo junto com os ministros de Saúde como médica, cientista, chamada para comissões técnicas, em reuniões governamentais, reuniões específicas com os setores do ministério.”
 
Ela também lembrou existir um movimento de médicos brasileiros que criaram um conselho científico independente, que não tinha ligação direta com o governo federal. Perguntada por Eliziane Gama (Cidadania/MA) sobre qual era a função de Nise no governo, ela se definiu como “consultora eventual”, pontuando atuações em gestões de outros presidentes da República do passado.
 
A oncologista também defendeu o conjunto de ações de contenção à circulação do vírus, como vacinação contra Covid-19, distanciamento social e uso de máscaras. “Esse conjunto é o que vai contribuir para melhorar [a pandemia].” Dentre outras ações, ela levantou que é preciso de “medidas conjuntas”, e que somente o lookdown, isoladamente, não seria eficaz.

Mudança de bula

Outro dos motivos principais do convite à doutora para a CPI foi a afirmação de um dos depoentes, o diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres. Ele informou, na comissão, que a pesquisadora defendeu alterar a bula da cloroquina para incluir a indicação contra o coronavírus.
 
Nise Yamaguchi negou a fala de Torres. “Não houve nenhuma declaração de decreto de mudança de bula. Isso tanto não houve, não foi estudado, eu não participei. Não houve nenhuma mudança de bula por decreto, isso jamais aconteceria. Eu sou especialista em regulação, trabalhei em vários governos, então, isso não existe”, enfatizou.
 
Segundo ela, a parte da reunião citada por Torres não tinha relação com mudança da bula, mas “com a disponibilização do medicamento durante a pandemia”. A médica considerou que pode ter havido um “equívoco” do diretor da Anvisa ao citar esse acontecimento. 

Tratamento precoce

Questionada por Renan sobre os motivos dos altos número de mortes da pandemia, mesmo com a defesa pelo tratamento precoce, Nise foi enfática ao afirmar que o tratamento “teve eficácia”, lembrando de estudos europeus que fizeram projeções ainda piores de óbitos no Brasil. 
 
“No Amapá, nós temos um dos menores índices do mundo de mortalidade. E eles utilizam essas medidas conjuntas. Então, nós temos que, cada vez mais, juntarmos forças”. O senador rebateu a informação dizendo que o Amapá era o 6º estado com o maior número de mortes a cada grupo de 100 mil habitantes. Randolfe Rodrigues (Rede/AP), lamentou que a região tenha uma “taxa de mortalidade de 121.1, que se assemelha a do Peru, de 123.3, que é o 4º país com mais mortes por Covid-19”, segundo ele. 
 
Nise também se posicionou a favor da autonomia médica, dizendo que não há proibição dessa autonomia em nenhum país do mundo. Segundo ela, é complexo citar alguns dados de eficácia do tratamento precoce por diferentes motivos. 
 
“Nós não temos o número de curados que se beneficiaram desse tratamento. Inclusive [não temos os números] de quantos que morreram e não fizeram o tratamento precocemente. Então, esse dado acaba não sendo possível de se avaliar”, disse. 
 
“Agora, nós temos tido a vantagem de termos muitos pacientes que se beneficiaram. Inclusive, eu mesma trato de pacientes pessoalmente, e não trato somente com cloroquina, quero deixar bem claro isso. Já tive mais de 450 casos tratados pela minha equipe. A gente utiliza tratamento personalizado de precisão, que é feito com uma diferença de acordo com as necessidades do paciente, de acordo com as suas comorbidades etc. Então, a gente tem, realmente, uma eficácia comprovada.” 
 
Houve um momento de ânimos mais acirrados entre os membros da CPI quando Calheiros exibiu um vídeo em que a médica opinou que não era preciso vacinar aleatoriamente a população. Ela esclareceu. “Eu disse o seguinte: que não é o único tratamento. Aliás, vacina não é tratamento, vacina é prevenção. Tratamento é tratamento aos primeiros sintomas. Então, uma coisa é a vacina para prevenção, e a outra coisa é o tratamento inicial, que se chama precoce, aos primeiros sintomas.”
 
Omar Aziz tomou a palavra no momento. “Eu não vou fazer propaganda enganosa para a população brasileira. Eu tenho responsabilidade e ela é grande. Peço que não acreditem nela [médica], a vacina salva”, exclamou. A médica contra-argumentou dizendo que defende sim a imunização, apenas diferenciou tratamento e prevenção.
 
O senador Luis Carlos Heinze (PP/RS) concordou com os posicionamentos de Nise, avaliando que “o Brasil precisa da vacina, sim, e o Brasil precisa também do tratamento precoce”. A autonomia médica voltou a ser ressaltada por Nise. 
 
“O tratamento precisa ser determinado pelo ato médico. É feito um cuidado especial com relação ao paciente que tem uma saúde dependente do setor público e outro do setor privado. Nós sabemos que o paciente do setor privado tem acesso a mais estratégias, ele vai lidar melhor com a UTI, e nos públicos nós temos uma carência maior. Daí, a necessidade de se estruturar os tratamentos com relação aos pacientes também.”
 
O senador e médico Otto Alencar (PSD/BA) produziu um debate científico com a oncologista. “Você vem me dizer que [a cloroquina] é uma droga usada há tanto tempo, sem fazer exames pré-clínicos e clínicos não é correto. A senhora está errada. A senhora apostou em uma droga que podia dar certo ou não. Essa é a grande realidade. E a ciência, doutora, por mais que a senhora seja formada e tenha curso, não admite isso.”
 
Yamaguchi rebateu alguns estudos citados por Otto Alencar dizendo que eles foram feitos com pacientes internados. “Esse não é o paciente leve, que nós preconizamos [para o tratamento precoce]”. O debate entres dois médicos chegou a elevar a tensão do clima da CPI. 
 
Senadores da base do governo avaliaram que Otto foi desrespeitoso com Nise ao questionar de forma enfática termos científicos e afirmar que ela foi leviana por não aprofundar as pesquisas, avaliando, por exemplo, sequelas pulmonares do tratamento. A sessão teve que ser suspensa durante este debate. No retorno, a médica exemplificou casos de debates anteriores entre especialistas. “Isso é saudável, se o debate não é levado em uma disputa de posicionamentos. Nós temos que construir paradigmas e temos a possibilidade de discutir um a um.”

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: A CPI da Pandemia ouviu nesta terça-feira a médica Nise Yamaguchi. Defensora do chamado tratamento precoce contra a Covid-19 e consultora eventual de ações do governo, a oncologista e imunologista prestou depoimento a pedido dos senadores Eduardo Girão (Podemos/CE) e Marcos Rogério (DEM/RO). 
 
Os principais temas do dia na CPI foram: o uso de medicações como a cloroquina para o tratamento do novo coronavírus, os aconselhamentos não oficiais ao Ministério da Saúde nas ações de combate à pandemia e um possível decreto que buscava mudar a bula do remédio, citado em depoimentos anteriores.
 
Nise negou ter vinculações políticas com o governo e afirmou desconhecer um gabinete paralelo.
 

“Sou uma colaboradora eventual e participo junto com os ministros de Saúde como médica, cientista, chamada para em comissões técnicas, em reuniões governamentais, reuniões específicas com os setores do Ministério”

LOC.: A médica também defendeu um chamado conjunto de ações de contenção à circulação do vírus, além do tratamento precoce, como vacinação contra Covid-19, distanciamento social e uso de máscaras. Ela argumentou que é preciso de “medidas conjuntas”, e que somente o lookdown, isoladamente, não seria eficaz. Na visão de Nise, tratar precocemente com medicações como cloroquina apresentou resultados.
 

“Eu já tive mais de 450 casos tratados pela minha equipe. A gente utiliza tratamento personalizado de precisão, que é feito com uma diferença de acordo com as necessidades do paciente, de acordo com as suas comorbidades, etc. Então, a gente tem, realmente, uma eficácia comprovada”

LOC.: O senador e médico Otto Alencar (PSD/BA) produziu um debate científico com a oncologista e criticou fortemente a indicação da cloroquina para cura da Covid, chegando a chamar os apontamentos científicos de Nise como levianos. Nesta quarta-feira, a CPI vai ouvir a médica infectologista e crítica ao tratamento precoce, Luana de Araújo.
 
Reportagem, Alan Rios 
 

A CPI da Pandemia ouviu nesta terça-feira a médica Nise Yamaguchi. Defensora do chamado tratamento precoce contra a Covid-19, ela se intitulou como consultora eventual de ações do governo.
 
O cronograma do dia da CPI teve como principais temas o uso de medicações como a cloroquina para o tratamento do novo coronavírus, os aconselhamentos de pessoas paralelas ao Ministério da Saúde nas ações de combate à pandemia e um possível decreto que buscava mudar a bula do remédio, citado em depoimentos anteriores.
 
Nise negou ter vinculações políticas com o governo e afirmou desconhecer um gabinete paralelo. A médica também defendeu um chamado conjunto de ações de contenção à circulação do vírus, além do tratamento precoce, como vacinação contra Covid-19, distanciamento social e uso de máscaras.
 
O senador e médico Otto Alencar (PSD/BA) criticou fortemente a indicação da cloroquina para cura da Covid, chegando a chamar os apontamentos científicos de Nise como levianos. Nesta quarta-feira, a CPI vai ouvir a médica infectologista e crítica ao tratamento precoce, Luana de Araújo.