Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

IBC-Br: “prévia do PIB” cresce 1,17% em julho, segundo Banco Central

Resultado está acima das expectativas do mercado. Ministério da Economia ajustou de 2% para 2,7% projeção de crescimento da economia em 2022


O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) – tido como uma prévia do desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) – de julho cresceu 1,17% em relação a junho, divulgou o Bacen nesta quinta-feira (15). O resultado está acima das expectativas de parte do mercado, que esperava alta em torno de 0,3%. 

Na comparação com julho do ano passado, o IBC-Br subiu 3,87%. Nos últimos 12 meses, o indicador acumula crescimento de 2,09%, de acordo com o Banco Central. Segundo o presidente do Conselho Regional de Economia do Distrito Federal (Corecon-DF), José Luiz Pagnussat, o resultado é surpreendente. Ele credita parte do crescimento da economia à queda da inflação que, em julho, recuou 0,68%, o maior tombo da série histórica. 

“O crescimento da economia vem se acelerando. Com isso, o Brasil está se aproximando das taxas médias de crescimento mundial, porque a gente começou o ano com uma previsão de taxa de crescimento de 0,5%, enquanto o resto do mundo tinha previsões de crescimento bastante elevadas. Eles agora estão revendo para baixo e nós revendo para cima”, destaca. 

O crescimento de 0,5% para o PIB do Brasil em 2022, como citou Pagnussat, era projetado pelas instituições do mercado financeiro no Boletim Focus do início do ano. Com a melhoria da economia, essas instituições estão revendo as suas estimativas. Na última segunda-feira (12), já previam alta de 2,39%. 

Também nesta quinta-feira (15) a Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia elevou de 2% para 2,7% a sua estimativa de crescimento do PIB brasileiro. Segundo a SPE, três fatores contribuíram para a revisão para cima do indicador: ampliação do mercado de trabalho, bom desempenho do setor de serviços e ampliação dos investimentos. 

Prévia

Assim como o IBC-Br de julho, o PIB mais recente, do segundo trimestre de 2022, fechou acima das expectativas. A economia brasileira cresceu 1,2% entre abril e junho, na comparação com os três meses anteriores. 

O desempenho do indicador do Bacen pode indicar que o segundo semestre do ano vai manter o ritmo de crescimento da economia. Pagnussat explica que o IBC-Br reflete o comportamento mensal do setor de serviços, da indústria e da agropecuária, a partir de dados do próprio IBGE. É por isso que o índice é considerado uma prévia do PIB. 

Em nota, Rodolfo Margato, da XP Investimentos, disse que a “melhoria acentuada da produção agrícola e os fortes resultados líquidos do setor externo” podem ter contribuído de forma relevante para o IBC-Br de julho. Para ele, os números corroboram a expectativa de que a atividade doméstica iniciou o segundo semestre a um ritmo “bastante sólido de crescimento”. A XP acredita que o PIB do Brasil crescerá 2,8% em 2022.  

Indústria cresce 2,2% no segundo trimestre e puxa alta do PIB

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O Índice de Atividade Econômica do Banco Central, o IBC-Br,  de julho cresceu 1,17% em relação a junho. Esse indicador é tido como uma prévia do desempenho do Produto Interno Bruto, o PIB. O resultado está acima das expectativas do mercado, que esperava alta em torno de 0,3%. 

Na comparação com julho do ano passado, o IBC-Br subiu 3,87%. Nos últimos 12 meses, o indicador acumula crescimento de 2,09%, de acordo com o Banco Central. Segundo o presidente do Conselho Regional de Economia do Distrito Federal, José Luiz Pagnussat, o resultado é surpreendente. Ele credita parte do crescimento da economia à queda da inflação que, em julho, recuou 0,68%, o maior tombo da série histórica. 

TEC./SONORA: José Luiz Pagnussat, presidente do Corecon-DF
 

“O crescimento da economia vem se acelerando. Com isso, o Brasil está se aproximando das taxas médias de crescimento mundial, porque a gente começou o ano com uma previsão de taxa de crescimento de 0,5%, enquanto o resto do mundo tinha previsões de crescimento bastante elevadas. Eles agora estão revendo para baixo e nós revendo para cima”. 
 

LOC.: Com a melhora da economia, o mercado e o governo aumentaram suas projeções para o crescimento do PIB em 2022. As instituições financeiras apostam em 2,4%. Já o Ministério da Economia em 2,7%. 

Reportagem, Felipe Moura,