Foto: Toninho Tavares/Agência Brasília
Foto: Toninho Tavares/Agência Brasília

Febre Aftosa: campanha de vacinação vai até esta quinta-feira (30) em São Paulo

A Defesa Agropecuária paulista alerta para a importância da vacinação e destaca quais providencias tomar para imunizar o rebanho


No estado de São Paulo, a campanha de vacinação contra Febre Aftosa, uma das doenças infecciosas mais contagiosas dos animais, vai até esta quinta-feira (30). Nesta etapa, devem ser vacinados bovinos e bubalinos com idade até 24 meses. As informações são da Coordenadoria de Defesa Agropecuária paulista.

Willian Alves Correa, médico-veterinário e representante da Defesa Agropecuária, informa que a vacinação foi “fundamental” para o Brasil começar a controlar a Febre Aftosa e, após isso, erradicar a doença. “A vacina, assim como acontece conosco, estimula o sistema imunológico dos animais e confere a eles anticorpos para se protegerem contra a doença”, explica.

Segundo o relatório divulgado pelo sistema de Gerenciamento de Defesa Animal e Vegetal (Gedave), 2,6 milhões de animais já foram vacinados e 44,9 mil propriedades já atualizaram o rebanho e declararam a vacinação, cerca de 44,2% de todas as propriedades do estado envolvidas na etapa. A Regional de Catanduva conta com 66% dos bovídeos vacinados. Já a Regional de General Salgado é a que apresenta a maior porcentagem de declarações, com 52,8%.

Correa explica que o produtor que não realiza a vacinação dos animais, além do risco da doença, pode sofrer sanções previstas em lei, de acordo com o Decreto nº 45.781/01. 

“Aquele que deixa de aplicar a vacina em seus animais fica sujeito a multa de 5 UFESP [Unidade Fiscal do Estado de São Paulo] por cabeça, o que hoje é cerca de R$ 171 por animal não vacinado. Após isso, ainda deverá vacinar obrigatoriamente esse rebanho sob supervisão da Coordenadoria de Defesa Agropecuária, a chamada vacinação assistida”, alerta o médico-veterinário. O valor de cada UFESP é de R$ 34,26 para o ano de 2023, segundo a Defesa Agropecuária.

Como vacinar?

Willian Alves Correa explica que, para realizar a vacinação, é necessário que o produtor adquira as doses de vacina em estabelecimentos comerciais registrados junto à Coordenadoria de Defesa Agropecuária. Os estabelecimentos credenciados para o comércio das vacinas estão disponíveis no portal do Gedave, e o produtor deve pesquisar por  “estoque de insumos em comerciantes de produtos biológicos veterinários.”

O médico-veterinário destaca que a vacina deve ser mantida refrigerada entre 2°C e 8°C, durante o percurso e ao chegar no armazenamento. “Ao realizar a vacinação, é recomendado que o produtor escolha o período mais fresco do dia, mantendo os frascos de vacina refrigerados em isopor com gelo, para garantir que permaneçam na temperatura adequada”, pontua.

Correa ainda alerta para a higienização correta das pistolas e recomenda que as agulhas sejam novas e trocadas a cada dez animais vacinados. De acordo com ele, a aplicação deve ser por via subcutânea [abaixo do couro],  e remenda fazê-la na tábua do pescoço dos animais [terço médio do pescoço].

O produtor tem até 7 de dezembro para realizar a declaração da vacinação. Isso pode ser feito no portal do Gedave, e caso não seja possível, o produtor pode acessar a declaração na internet, preencher e entregá-la pessoalmente na unidade da Defesa Agropecuária mais próxima.

Leia mais:

FPM: municípios de São Paulo receberão repasse de cerca de R$ 414 milhões

São Paulo: R$ 567 milhões estão disponíveis pela Política Nacional Aldir Blanc de Fomento à Cultura

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: No estado de São Paulo, a campanha de vacinação contra Febre Aftosa vai até esta quinta-feira (30). Nesta etapa, devem ser vacinados bovinos e bubalinos com idade até 24 meses. As informações são da Coordenadoria de Defesa Agropecuária paulista.

O médico-veterinário e representante da Defesa Agropecuária, Willian Alves Correa, informa que a vacinação foi importante para o Brasil começar a controlar a Febre Aftosa.

TEC./SONORA: Willian Alves Correa, médico-veterinário e representante da Defesa Agropecuária

“A vacina, assim como acontece conosco, estimula o sistema imunológico dos animais e confere a eles anticorpos para se protegerem contra a doença.”


LOC.: Segundo o relatório divulgado pelo sistema de Gerenciamento de Defesa Animal e Vegetal, mais de 2 milhões de animais já foram vacinados e cerca de 44 mil propriedades declararam a vacinação.

Correa explica que o produtor que não realiza a vacinação dos animais, além do risco da doença, pode sofrer sanções previstas em lei.

TEC./SONORA: Willian Alves Correa, médico-veterinário e representante da Defesa Agropecuária

“De acordo com o Decreto nº 45.781 de 2001, aquele que deixar de aplicar a vacina em seus animais, fica sujeito a multa de 5 UFESP por cabeça, o que hoje é cerca de R$171 por animal não vacinado. Após isso, ainda deverá vacinar obrigatoriamente esse rebanho sob supervisão da Coordenadoria de Defesa Agropecuária, a chamada vacinação assistida.”


LOC.: Correa explica que, para realizar a vacinação, é necessário que o produtor adquira as doses de vacina em locais credenciados para o comércio das vacinas, disponíveis no portal gedave.defesaagropecuaria.sp.gov.br. A vacina deve ser mantida refrigerada entre 2 e 8 graus Celsius, durante o percurso e ao chegar no armazenamento.

O produtor tem até 7 de dezembro para realizar a declaração da vacinação no portal do Gedave. O produtor também pode acessar a declaração na internet, preencher e entregá-la pessoalmente na unidade da Defesa Agropecuária mais próxima.

Reportagem, Nathália Guimarães