Complexo de Reciclagem do DF. Foto: Arquivo/Novacap
Complexo de Reciclagem do DF. Foto: Arquivo/Novacap

DF: Sistema digital do governo promete agilizar emissão de licenças ambientais na Capital

DF levava 490 dias para emitir licenças, em 2015. Atualmente, a liberação dos documentos é feita em cerca de 180 dias


O tempo médio de liberação das licenças ambientais no Distrito Federal caiu para 180 dias, em 2020. Em 2015, levava cerca de 490 dias. A informação é do Instituto Brasília Ambiental. Durante o período, a quantidade de licenças ambientais emitidas pelo instituto também aumentou de pouco mais de 150 para 500 autorizações anuais. 

Segundo o chefe da Assessoria Técnica de Licenciamento Ambiental do Instituto Brasília Ambiental, Antônio Terra, até o início de outubro deste ano, cerca de 300 licenças foram emitidas pelo órgão e o número deve aumentar ainda mais nos próximos meses. Isso porque o Governo do Distrito Federal atualizou o sistema digital de informações ambientais, o Sisdia, no início do mês.

Brumadinho (MG): estudo espanhol aponta causas do acidente

Período de chuvas: municípios brasileiros se preparam para início da temporada

Universidade de São Paulo (USP) retoma atividades presenciais para os estudantes

A plataforma passou a disponibilizar ferramentas digitais de adequação das solicitações aos parâmetros exigidos pela legislação, o que agiliza a emissão de certificados e estrutura a base de dados, com informações atualizadas para o solicitante.

Além disso, as reuniões e audiências públicas presenciais, em fase de análise de processos que exigem a discussão com a sociedade, setores produtivos e especialistas, por exemplo, serão realizadas por videoconferência, de forma on-line na internet.

“A gente teve avanços e melhorias na gestão dessa tecnologia. Percebemos muitos ganhos na transparência e na velocidade dos procedimentos”, explicou Antônio Terra. 

Pesquisa tempo médio

No Brasil, os dados do levantamento realizado pela consultoria Waycarbon em 2019 revelaram que as licenças ambientais solicitadas para autorização de obras em empreendimentos do setor de transportes, por exemplo, são as mais custosas, com tempo médio variando entre 308 e 2.828 dias.

A indústria de transformação, especializada em criar máquinas, ferramentas e peças, através do aço, encontra menos entraves para conseguir licenças ambientais. Mesmo assim, o tempo médio para a liberação dos documentos varia entre 174 e 3.046 dias, no País. 

Congresso Nacional

A Lei Geral do Licenciamento Ambiental (PL 2159/2021) foi aprovada na Câmara dos Deputados no primeiro semestre do ano, após ser discutida na Casa durante 17 anos, por falta de consenso entre os parlamentares em temas como quais atividades, empreendimentos, poderiam ter as exigências ambientais reduzidas e, até mesmo, dispensadas.

Por outro lado, a discussão também se acirrava acerca de quais obras e atividades teriam de ser analisadas de forma mais detalhada, com pareceres de órgãos ambientais, de governos e prefeituras.

A priori, o texto aprovado na Câmara dos Deputados prevê a emissão da licença ambiental para os empreendimentos com pouco potencial de agressão ao meio ambiente, sem a exigência de estudos ou relatórios de impacto, por meio de adesão e compromisso de quem solicita o documento. 

O PL prevê ainda unificar em uma única etapa as análises de instalação, ampliação e operação dos empreendimentos, e ainda estipula tempo de validade das permissões de três a seis anos.

No Senado, o presidente do parlamento, Rodrigo Pacheco – DEM/MG, decidiu enviar a Lei Geral do Licenciamento Ambiental para análise nas comissões de Meio Ambiente (CMA) e de Agricultura e Reforma Agrária (CRA). O relatório será formulado pela senadora Kátia Abreu – PP/TO.

O presidente da CRA, Acir Gurgacz (PDT-RO), já realizou reuniões conjuntas com a CMA, mas ainda não deu prazo para a entrega do relatório final. Ele entende que o tema atrai a atenção de vários setores da sociedade, dos governos e setores produtivos, mas é otimista na aprovação da matéria.

“É um tema ligado e importante para agricultura, meio ambiente e a geração de emprego e renda no nosso País”, lembrou Acir Gurgacz, senador – PDT-RO.  

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O tempo médio de liberação das licenças ambientais no Distrito Federal caiu para 180 dias, em 2020. Em 2015, levava cerca de 490 dias.  A informação é do Instituto Brasília Ambiental. Durante o período, a quantidade de licenças ambientais emitidas pelo instituto também aumentou de pouco mais de 150 para 500 autorizações anuais. 

Segundo o chefe da Assessoria Técnica de Licenciamento Ambiental do Instituto Brasília Ambiental, Antônio Terra, até o início de outubro deste ano, cerca de 300 licenças foram emitidas pelo órgão e o número deve aumentar ainda mais nos próximos meses. Isso porque o Governo do Distrito Federal atualizou o sistema digital de informações ambientais,

Ele explica, por exemplo, que uma das novidades implementadas pela tecnologia é a possibilidade de realizar reuniões e audiências públicas por meio de videoconferências on-line. 

Antes, esse tipo de encontro, que é exigência obrigatória em processos que pedem participação da sociedade, especialistas e setores produtivos, era realizado de forma presencial. 

TEC/SONORA: Antônio Terra, chefe da Assessoria Técnica de Licenciamento Ambiental, do Brasília Ambiental

“A gente teve avanços e melhorias na gestão dessa tecnologia. Percebemos muitos ganhos na transparência e na velocidade dos procedimentos”.

LOC.: No Congresso Nacional, a Lei Geral do Licenciamento Ambiental (PL 2159/2021) foi aprovada na Câmara dos Deputados no primeiro semestre do ano após 17 anos de discussão na Casa. A regulamentação busca tornar a emissão de licenças ambientais mais rápidas e, ao mesmo tempo, proteger o meio ambiente. No Senado, o texto é analisado nas comissões Meio Ambiente (CMA) e de Agricultura e Reforma Agrária (CRA).

O presidente da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado, Acir Gurgacz, do PDT de Rondônia, já realizou reuniões para discutir o Projeto de Lei, mas ainda não deu prazo para a entrega do relatório final.

Ele entende que o tema é complicado porque atrai a atenção de vários setores da sociedade, mas é otimista na aprovação da matéria.

TEC/SONORA: Acir Gurgacz, senador – PDT/RO
 

“É um tema ligado e importante para agricultura, meio ambiente e a geração de emprego e renda no nosso País”.

LOC.: Até o início de outubro deste ano, o DF emitiu cerca de 300 licenças ambientais. Em 2015, por exemplo, esse número era de pouco mais de 150 por ano e, em 2020, foi de cerca de 500 autorizações emitidas, de acordo com o Brasília Ambiental. 

A tendência é que esse número aumente com a nova atualização do sistema digital de informações ambientais. 

Reportagem, Cristiano Ghorgomillos