Combata o mosquito todo dia. Foto: Divulgação
Combata o mosquito todo dia. Foto: Divulgação

Dengue: sintomas costumam ser leves, mas podem evoluir para casos graves

Dores de cabeça, febre alta, dores musculares, no fundo dos olhos e vermelhidão pelo corpo. Essas são queixas comuns de quem está infectado pela dengue


Febre, dores de cabeça, no corpo e articulações. A dengue apresenta sintomas parecidos com outras infecções virais. Mas no caso dela, ainda podem aparecer sinais de vermelhidão no corpo e dor no fundo dos olhos. A febre é alta, acima de 39º. Para a identificação da infecção é preciso realizar exames de sangue.

No ano passado, o Brasil registrou quase um milhão de casos suspeitos, 543.647 foram confirmados por exames laboratoriais. O médico infectologista do HFA, em Brasília, Hemerson Luz explica que a maior parte das ocorrências são leves. “É preciso bastante hidratação e o tratamento medicamentoso é apenas para os sintomas.” Contudo, ao suspeitar de dengue, não tome remédios à base de ácido acetilsalicílico (como aspirina, ASS etc), pois pode aumentar o risco de sangramento. 

Dengue: mais de 70% dos casos se concentram em cerca de 200 municípios, mas demais cidades também devem agir

Brasil tem queda de 42,6% nos casos de dengue entre 2020 e 2021, mas números ainda são altos

Casos graves 

Cerca de 2% dos casos de dengue podem apresentar sinais de alarme. Dos quase 550 mil doentes no ano passado, cerca de 4,7 mil tiveram essa característica. Desses 241 vieram a óbito (algumas mortes suspeitas ainda seguem em investigação). 

Hemerson Luz observa que as ocorrências mais graves costumam ser nos casos de reinfecção, especialmente se for por variantes distintas - atualmente, existem 4 tipos de dengue em circulação no País. 

“Se os pacientes evoluírem com dor abdominal forte de forma contínua, vômitos persistentes, ficar com a pele pálida, fria, úmida ou mesmo apresentar sangramento pelo nariz, pela gengiva, com manchas vermelhas na pele, são sinais de alarme e deve procurar o hospital”, alerta. Comportamento não habitual, como confusão mental, sonolência excessiva ou agitação são sinais de que o doente precisa de assistência médica. 

Prevenção 

Como não há vacina ou tratamento específico para a dengue, a prevenção mais efetiva é o controle do vetor, o mosquito Aedes aegypti. Durante o verão, devido às chuvas e altas temperaturas, o mosquito se reproduz mais rapidamente. Por isso, o Ministério da Saúde reforça a necessidade de que cada cidadão inspecione os lugares em que mora ou trabalha para que não sejam depósito de ovos do mosquito. O tema é tratado na Campanha Combata o Mosquito Todo Dia. 

“A campanha traz à tona a questão de cada um buscar a responsabilidade dentro do seu quintal, do seu local de trabalho e utilizar dez minutos da sua semana para fazer uma revisão nos principais locais onde possam ter criadouros do mosquito e elimine esses criadouros, não deixe que o mosquito nasça”, pondera o coordenador-geral de Vigilância de Arboviroses do Ministério da Saúde, Cássio Peterka. 

Cuidados necessários

Devido às altas temperaturas e às chuvas abundantes, o verão é o período do ano em que os ovos eclodem e acarretam o aumento de infecção por dengue, chikungunya e zika. Por isso, fique atento às dicas para evitar a proliferação do mosquito: 

  1. Vire garrafas, baldes e vasilhas para não acumularem água.
  2. Coloque areia nos pratos e vasos de plantas.
  3. Feche bem os sacos e lixo.
  4. Guarde os pneus em locais cobertos.
  5. Tampe bem a caixa-d´água.
  6. Limpe as calhas. 

As inspeções das equipes de vigilância epidemiológicas mostram que pequenos recipientes móveis como pratinhos de planta, potes e garrafas são os principais criadouros do mosquito. O lixo também deve ser bem fechado para evitar o acúmulo de água.

Veja no mapa a incidência de dengue no seu município

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Febre alta, dor de cabeça, dores no corpo, nos olhos e nas articulações. Esses são os sintomas mais comuns da dengue. Além disso, vermelhidão, falta de apetite e náusea também podem ocorrer quando a pessoa está doente. Esse foi o caso da dona de casa Tereza Cristina de Souza, de 60 anos. 

TEC./SONORA: Tereza Cristina de Souza, dona de casa. 

“Tive dengue e tive todos os sintomas que são: febre, dores nas juntas, vermelhidão no corpo, boca amarga e dor de cabeça. E fiquei ruim por uma semana. Depois o quadro foi diminuindo e logo meu marido pegou depois de uma semana.”
 

LOC.: Os sintomas da dengue costumam durar entre três e sete dias. Segundo o médico infectologista Hemerson Luz, a maior parte dos casos evolui bem e a pessoa consegue se recuperar em casa. Mas a dengue pode ser perigosa, como alerta o infectologista. 
 

TEC./SONORA: Hemerson Luz, médico infectologista  

“Porém, se os pacientes evoluírem com dor abdominal forte  de forma contínua, vômitos persistentes, ficar com a pele pálida, fria, úmida ou mesmo apresentar sangramento pelo nariz, pela gengiva, com manchas vermelhas na pele, são sinais de alarme e deve procurar o hospital. Caso seja percebido que essa pessoa com dengue, está apresentando um comportamento anormal, uma sonolência ou agitação ou mesmo confusão mental, ela tem que ser levada pelos familiares também para avaliação médica.”
 

LOC.: Em 2021, o Brasil confirmou cerca de 550 mil casos da doença. Desse total, 241 pessoas morreram. Atualmente, existem quatro variantes do vírus da dengue em circulação no Brasil. Dr. Hemerson diz que as infecções cruzadas são as que costumam evoluir para casos mais graves. Não existe vacina ou medicamento específico para a doença. Tratam-se apenas os sintomas. Por isso, o médico reforça que a melhor forma de prevenir a doença é acabar com os focos que podem servir de criadouro para o Aedes aegypti. A limpeza dos recipientes com água sanitária ou cloro ajuda a eliminar os focos. Além disso, usar roupas compridas e passar repelente também são estratégias para manter o mosquito longe. 

Reportagem, Angélica Cordova