Foto: Arquivo/ANTT
Foto: Arquivo/ANTT

Brasil precisa investir R$ 344 bi para melhorar qualidade da infraestrutura nacional

De acordo com estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI), atualmente, o país investe somente R$ 135 bilhões na área


Para que o Brasil possa ampliar a qualidade da infraestrutura nacional, os investimentos anuais precisam chegar a cerca de R$ 344 bilhões. Atualmente, o país investe somente R$ 135 bilhões. Os dados constam em estudo elaborado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), denominado “Agenda de privatizações: avanços e desafios”. 

O levantamento conclui que, com a chegada da crise fiscal, houve comprometimento da capacidade financeira do setor público. Com isso, os investimentos em infraestrutura das estatais, dos estados e da União passaram por reduções constantes desde 2010. Atualmente, os valores empregados no setor correspondem a menos de 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB). 

Para o especialista em Infraestrutura da CNI, Matheus de Castro, o quadro só não é mais crítico devido à expansão dos programas de concessão e desestatização. Segundo ele, atualmente, os recursos privados respondem por 70% dos investimentos anuais.

“Nós tivemos um pico de investimento em 2014, tanto por parte do setor público quanto do privado. Mas, desde então, esse volume de investimento, principalmente público, vem caindo, o que penaliza muito nossa capacidade de modernizar nossa infraestrutura. O único caminho é realmente aumentar o volume de investimento privado, fazendo com que o setor público invista nos empreendimentos que devem ser tocados por ele”, avalia. 

Saldos positivos de empregos em todo o país mostram ensaio de retomada

Indústria aponta falta ou alto custo de matérias-primas como principal dificuldade dos últimos dois anos

O professor da Universidade Federal do Ceará (UFC) e pesquisador em Economia de Infraestruturas com ênfase em transportes, Gildemir da Silva, ressalta que os investimentos público e privado devem ser complementares. Ou seja, onde um não puder atuar, o outro precisa estar presente. Ele explica que os avanços em infraestrutura trazem mais competitividade para a economia. 

“No geral, a infraestrutura não é o fim, mas o meio. Ela conecta as economias. Então, se alguém produz algo, ele precisa vender esse produto. Nesse sentido, ter mais infraestrutura significa que, se eu colocar meu produto no mercado brasileiro, o transporte desse item, por exemplo, será menos caro. Consequentemente, vai gerar mais margem de lucro, então atrai quem tem interesse em investir”, considera. 

Expansão da agenda de desestatizações

De acordo com o estudo da CNI, o Brasil registrou crescimento da operação privada em áreas voltadas à exploração de petróleo e gás, de distribuidoras e geradoras de energia elétrica, e de segmentos de telecomunicações e de saneamento básico. 

A estimativa é de que, ainda em 2022, haja mais expansão da participação privada em todos esses setores, com a realização de leilões e vendas de ativos já feitos e previstos até o fim do ano.

Atualmente, no país, o capital privado opera 44 aeroportos federais, 367 terminais e áreas portuárias arrendadas ou autorizadas, 30 mil quilômetros de ferrovias, e 24,7 mil quilômetros de rodovias, o que corresponde a 12% da malha pavimentada do país. 
 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Para que a infraestrutura do Brasil tenha mais qualidade, os investimentos têm que chegar a R$ 344 bilhões por ano. É o que mostra estudo feito pela Confederação Nacional da Indústria, a CNI. Atualmente, o país investe apenas R$ 135 bilhões. 

O especialista em Infraestrutura da CNI, Matheus de Castro, afirma que, atualmente, o quadro só não é mais crítico por conta da expansão dos programas de concessão e desestatização. 
 

TEC./SONORA: Matheus de Castro, especialista em Infraestrutura da CNI

“Nós tivemos um pico de investimento em 2014, tanto por parte do setor público quanto do privado. Mas, desde então, esse volume de investimento, principalmente público, vem caindo, o que penaliza muito nossa capacidade de modernizar nossa infraestrutura. O único caminho é realmente aumentar o volume de investimento privado, fazendo com que o setor público invista nos empreendimentos que devem ser tocados por ele.” 
 

LOC.: O professor da Universidade Federal do Ceará e pesquisador em Economia de Infraestruturas, Gildemir da Silva, ressalta que os investimentos públicos e privados devem ser complementares. Ele explica que os avanços em infraestrutura trazem mais competitividade para a economia. 

TEC./SONORA: Gildemir da Silva, professor da UFC e pesquisador em Economia de Infraestruturas com ênfase em transportes

“No geral, a infraestrutura não é o fim, mas o meio. Ela conecta as economias. Então, se alguém produz algo, ele precisa vender esse produto. Nesse sentido, ter mais infraestrutura significa que, se eu colocar meu produto no mercado brasileiro, o transporte desse item, por exemplo, será menos caro. Consequentemente, vai gerar mais margem de lucro, então atrai quem tem interesse em investir.”
 

LOC.: De acordo com o levantamento da CNI, os recursos privados respondem por 70% dos investimentos anuais. A estimativa é de que, ainda em 2022, haja mais expansão da participação privada em todos esses setores, com a realização de leilões e vendas de ativos até o fim do ano.

Reportagem, Marquezan Araújo