Indústria Química - Foto: Dimitry Anikin/Unsplash
Indústria Química - Foto: Dimitry Anikin/Unsplash

Bahia: fim do Reiq pode comprometer R$ 2,4 bilhões da produção anual e acabar com mais de 10 mil empregos

O presidente da República, Jair Bolsonaro, decidiu vetar a prorrogação de incentivos fiscais à indústria química. Parlamentares e representante do setor se mostram preocupados com a decisão


O presidente Jair Bolsonaro vetou a prorrogação de incentivos fiscais à indústria química até 2027. O prazo havia sido estabelecido pelo Congresso Nacional, durante a análise da Medida Provisória 1095/2021, que trata do Regime Especial da Indústria Química (Reiq). 

Alguns estados brasileiros se mostram preocupados com a decisão, como é o caso da Bahia. Na Unidade da Federação, a extinção do Reiq deve comprometer R$ 2,4 bilhões da produção anual, o que pode acabar com mais de 10 mil postos de trabalho. 

Originalmente, a Medida Provisória enviada pelo governo federal estabelecia o fim abrupto do Reiq. Mas os deputados conseguiram criar uma alternativa, com uma fase de transição até 2027, e extinção do regime em 2028. O diretor de Relações Institucionais da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), André Passos, expressou insatisfação com a decisão. 

“O regime especial da indústria química reduzia a tributação de PIS/Cofins sobre o setor. Então, a extinção do Reiq leva a uma elevação de carga tributária. A carga tributária do setor químico no Brasil hoje, com o regime especial, é em torno de 43%, contra 25% do restante do mundo, em média”, pontua. 

Construção da Ferrogrão contribuirá para redução do Custo Brasil e de emissões de CO²

Guerra entre Rússia e Ucrânia encarece preços dos fertilizantes em mais de 140% e do petróleo em cerca de 70%

Parlamentares também se dizem preocupados com a decisão do Executivo Federal. Na avaliação do deputado federal Daniel Almeida (PCdoB-BA), o fim do Reiq provoca incertezas sobre o futuro do setor. Além disso, ele considera que acabar com o benefício antes do prazo previsto causa prejuízos financeiros aos investidores. 

“A decisão só perturbou o ambiente jurídico, porque é um tema que já foi deliberado três vezes aqui no Congresso Nacional, e o governo insistiu em não cumprir a decisão do parlamento. Isso estabelece uma insegurança sobre os próximos passos”, destaca.

Criado em 2013, o Reiq concede incentivos tributários à indústria química. Na prática, o regime especial isenta em 3,65% o PIS/Cofins sobre a compra de matérias-primas básicas petroquímicas de primeira e segunda geração.    
 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O presidente Jair Bolsonaro vetou a prorrogação de incentivos fiscais à indústria química que seria até 2027. O prazo havia sido estabelecido pelo Congresso Nacional, durante a análise da Medida Provisória 1095/2021, que trata do Regime Especial da Indústria Química (Reiq). 

Alguns estados brasileiros se mostram preocupados com a decisão, como é o caso da Bahia. Na Unidade da Federação, a extinção do Reiq deve comprometer R$ 2,4 bilhões da produção anual, o que pode acabar com mais de 10 mil postos de trabalho. 

Originalmente, a MP enviada pelo governo federal estabelecia o fim abrupto do Reiq. Mas os deputados conseguiram criar uma alternativa, com uma fase de transição até 2027, e extinção do regime em 2028. O diretor de Relações Institucionais da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), André Passos, expressou insatisfação com a decisão. 
 

TEC./SONORA: André Passos, diretor de Relações Institucionais da Abiquim

“O regime especial da indústria química reduzia a tributação de PIS/Cofins sobre o setor. Então, a extinção do Reiq leva a uma elevação de carga tributária. A carga tributária do setor químico no Brasil hoje, com o regime especial, é em torno de 43%, contra 25% do restante do mundo, em média.”
 

LOC.: Parlamentares também se dizem preocupados com a decisão do Executivo Federal. O deputado federal Daniel Almeida (PCdoB-BA) teme pelas consequências do fim do Reiq. 

TEC./SONORA: Daniel Almeida, deputado federal (PCdoB-BA)

“A decisão só perturbou o ambiente jurídico, porque é um tema que já foi deliberado três vezes aqui no Congresso Nacional, e o governo insistiu em não cumprir a decisão do parlamento. Isso estabelece uma insegurança sobre os próximos passos.”
 

LOC.: Criado em 2013, o Reiq concede incentivos tributários à indústria química. Na prática, o regime especial isenta em 3,65% o PIS/Cofins sobre a compra de matérias-primas básicas petroquímicas de primeira e segunda geração.    

Reportagem, Marquezan Araújo