Ministério da Saúde/Banco de imagens
Ministério da Saúde/Banco de imagens

Governo verifica 50 mil inconsistências nas vacinações, como doses aplicadas em falecidos

Controladoria-Geral da União vem estudando todos os registros de vacinados no sistema de informações do Ministério da Saúde para evitar fura-filas


O governo federal encontrou cerca de 50 mil inconsistências nas vacinações do País. Os casos incluem vacinas contra a Covid-19 aplicadas em pessoas falecidas, mais de duas aplicações no mesmo CPF e imunização de cidadão que não atua na área da saúde dentro desse grupo prioritário. 

A Controladoria-Geral da União (CGU) vem observando todos os registros de pessoas que receberam doses da vacina, para evitar fura-filas e garantir que os imunizados fazem parte dos grupos prioritários do Plano Nacional de Imunizações (SIPNI).

A análise é feita a partir do sistema de informações do Ministério da Saúde, por meio de cruzamento de dados. As inconsistências serão discutidas entre a pasta e a CGU, para a adoção de providências junto aos estados e municípios.

Brasil recebe 1,02 milhão de vacinas por meio do consórcio Covax

Imunização lenta leva mais de 2.400 cidades à busca por vacina

Brasil vive “maior colapso hospitalar da história” e especialistas projetam futuro dramático

O governo federal avalia que o percentual de falhas das aplicações é considerado pequeno, chegando ao máximo de 0,5% das vacinações de todo o país, mas lembra que, além de grave desvio ético, furar-fila pode resultar em “responsabilização administrativa ou judicial dos envolvidos”. 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

O governo federal encontrou cerca de 50 mil inconsistências nas vacinações do País. Os casos incluem vacinas contra a Covid-19 aplicadas em pessoas falecidas, mais de duas aplicações no mesmo CPF e imunização de cidadão que não atua na área da saúde dentro desse grupo prioritário. 

A Controladoria-Geral da União vem observando todos os registros de pessoas que receberam doses da vacina, para evitar fura-filas e garantir que os imunizados fazem parte dos grupos prioritários do Plano Nacional de Imunizações.

A análise é feita a partir do sistema de informações do Ministério da Saúde, por meio de cruzamento de dados. As inconsistências serão discutidas entre a pasta e a CGU, para a adoção de providências junto aos estados e municípios.

O governo federal avalia que o percentual de falhas das aplicações é considerado pequeno, chegando ao máximo de 0,5% das vacinações de todo o país, mas lembra que, além de grave desvio ético, furar-fila pode resultar em “responsabilização administrativa ou judicial dos envolvidos”.