Foto: Miguel Padriñán (Pexels)
Foto: Miguel Padriñán (Pexels)

ABM solicita que entidades municipalistas participem do Comitê para Enfrentamento da Covid-19

Essa solicitação foi defendida por meio de um ofício enviado aos presidentes da República, Jair Bolsonaro, e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG)


A Associação Brasileira de Municípios (ABM) solicitou que todas as entidades municipalistas com representação nacional façam parte do Comitê de Coordenação Nacional para Enfrentamento da Pandemia da Covid-19. Essa solicitação foi defendida por meio de um ofício enviado aos presidentes da República, Jair Bolsonaro, e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

Confira os valores do FPM referentes ao primeiro decêndio de abril

Apenas três estados brasileiros têm ocupação de UTI abaixo de 80%

O Comitê foi criado no final de março para coordenar o diálogo com entes da Federação diante do agravamento da crise em saúde pública. Para a ABM, essa foi uma iniciativa positiva e necessária para os municípios brasileiros, por conta da aceleração dos casos de Covid-19, gradual escassez de medicamento, insumos hospitalares e da insuficiência de vacinas para atender o Plano Nacional de Imunização (PNI).

De acordo com o documento, a maioria das ações de combate a pandemia acontecem nos municípios. São as prefeituras que gerenciam os atendimentos hospitalares, aplicam as vacinas, orientam as políticas de prevenção e o acolhimento aos necessitados. Por isso a importância de ter a representação de entidades municipais no comitê. 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: A Associação Brasileira de Municípios (ABM) solicitou que todas as entidades municipalistas com representação nacional façam parte do Comitê de Coordenação Nacional para Enfrentamento da Pandemia da Covid-19. Essa solicitação foi defendida por meio de um ofício enviado aos presidentes da República, Jair Bolsonaro, e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).
O Comitê foi criado no final de março para coordenar o diálogo com entes da Federação diante do agravamento da crise em saúde pública. Para a ABM, essa foi uma iniciativa positiva e necessária para os municípios brasileiros, por conta da aceleração dos casos de Covid-19, gradual escassez de medicamento, insumos hospitalares e da insuficiência de vacinas para atender o Plano Nacional de Imunização (PNI). De acordo com o documento, a maioria das ações de combate a pandemia acontecem nos municípios. São as prefeituras que gerenciam os atendimentos hospitalares, aplicam as vacinas, orientam as políticas de prevenção e o acolhimento aos necessitados. Por isso a importância de ter a representação de entidades municipais no comitê.