Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o usuário realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Política de privacidade

Nós do Brasil 61 coletamos e usamos alguns dados dos nossos leitores com o intuito de melhorar e adaptar nossas plataformas e nossos produtos. Para isso, agimos conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) e nos esforçamos para sermos transparentes em todas nossas atividades.

Para podermos oferecer melhores serviços e veicular peças publicitárias de nossos anunciantes, precisamos conhecer certas informações dos nossos usuários.

COMO O BRASIL 61 COLETA SEUS DADOS

– Quando você se cadastra e cria um usuário no Brasil 61

Quando você entra no nosso site, fornece informações (dados) para a criação do usuário. Estes dados são usados para orientar a estratégia do Brasil 61 e o desenvolvimento de novos serviços e/ou produtos. Essas informações são fornecidas voluntariamente por você leitor e não são compartilhadas com nenhum terceiro.

– Quando você acessa o site do Brasil 61 (www.brasil61.com.br) ou abre uma de nossas newsletters enviadas por e-mail

O Brasil 61 usa tecnologias como cookies e pixel tags para entender como é a sua interação com as nossas plataformas. Esses dados permitem saber, por exemplo, de que dispositivo você acessa o site ou em que links você clicou e quanto tempo permaneceu lendo as notícias. 

COMO O BRASIL 61 USA OS SEUS DADOS

Nós, do Brasil 61, usamos seus dados sempre com a principal intenção de melhorar, desenvolver e viabilizar nossos próprios produtos e serviços a você leitor.

Seus dados são sempre analisados de forma não individualizada, mesmo os que são fornecidos vinculados seu nome ou ao seu endereço de e-mail. 

Os dados em conjunto são analisados para criar relatórios estatísticos de audiência sobre as páginas, textos e meios de acesso ao site e às newsletters. 

Esses relatórios são compartilhados com nossos anunciantes e patrocinadores e servem para modelar estratégias e campanhas institucionais.

As informações que você fornece durante a criação do cadastro do seu usuário no Brasil 61 são utilizadas para a formulação de estratégia comercial e desenvolvimento de novos produtos e/ou serviços.

Essas informações individualizadas podem ser usadas pelo Brasil 61 para o envio de campanhas comerciais e divulgação de serviços e/ou produtos próprios. Não são compartilhadas com nenhum terceiro.

As informações captadas por meio de cookies e pixel tags são usadas em relatórios internos de monitoramento da audiência e também em relatórios para os anunciantes verificarem a efetividade de suas campanhas. Essas informações não estão vinculadas a nome ou e-mail dos leitores e são sempre avaliadas de forma não individualizada.

O Brasil 61 compartilha informações captadas por meio de cookies e pixel tags com terceiros, como anunciantes, plataformas de redes sociais e provedores de serviço – por exemplo, o serviço de envio de e-mails. O Brasil 61 também em seu site cookies de terceiros que captam informações diretamente do usuário, de acordo com suas próprias políticas de privacidade e uso de dados. 

O QUE O BRASIL 61 NÃO FAZ COM SEUS DADOS

– Não monitoramos ou coletamos dados de páginas que não pertencem ao Brasil 61.
– Não compartilhamos ou vendemos para terceiros nenhuma informação identificável.

O QUE VOCÊ PODE FAZER SE NÃO QUISER MAIS QUE SEUS DADOS SEJAM USADOS PELO BRASIL 61

– Caso não queira que o Brasil 61 use nenhum tipo de cookies, altere as configurações do seu navegador. Nesse caso, a exibição de anúncios e mensagens importantes do Brasil 61 e de nossos anunciantes pode ser prejudicada.

– Caso queira deixar de receber algum newsletter ou e-mail de alertas de notícias, basta clicar em “Unsubscribe”, na parte de baixo do e-mail enviado pelo Brasil 61. 

– Caso queira excluir seu usuário e apagar seus dados individuais da base do Brasil 61, basta enviar um e-mail para: privacidade@brasil61.com

 Última atualização: 24 de dezembro de 2020 

Ethel Maciel - Foto: Fernando Madeira
Ethel Maciel - Foto: Fernando Madeira

Terceira dose da vacina contra a Covid-19 deve ser aplicada 8 meses após a segunda, diz especialista

A epidemiologista da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Ethel Maciel, disse ao portal Brasil61.com que a dose de reforço da vacina contra o coronavírus já deveria estar sendo preparada para os vacinados em janeiro


As discussões e estudos sobre a aplicação da terceira dose da vacina contra a Covid-19 na população brasileira estão a todo o vapor. Na semana passada, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, confirmou a necessidade da dose de reforço, principalmente em idosos e pessoas com comorbidades. Para explicar melhor sobre a importância da terceira aplicação dos imunizantes contra o coronavírus, o Brasil 61 Entrevista conversou com a epidemiologista da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Ethel Maciel.

Inicialmente, os estudos apontavam a necessidade da dose de reforço apenas em grupos selecionados (idosos, comórbidos e imunossupressores). Porém, com o surgimento de novas cepas do SARS-COV-2, a ideia é que agora toda a população receba a terceira dose. “Com o tempo, a resposta imunológica de todos nós, independente de termos o sistema de defesa bom ou comprometido, cai. Então, além da terceira dose em grupos específicos, todas as pessoas, depois de 8 meses da segunda vacina, vão tomar uma dose de reforço”, explica Ethel Maciel.

O Ministério da Saúde já encomendou uma pesquisa para avaliar a necessidade de uma terceira dose para verificar a intercambialidade da Coronavac com outros imunizantes disponíveis no País: Astrazeneca/Oxford, Pfizer e Janssen. Entretanto, a pasta ainda não sabe informar quando o processo de imunização da dose de reforço terá início, pois ainda são necessários mais dados científicos. 

Posso tomar doses diferentes da vacina para Covid-19?

Covid-19: será preciso tomar a terceira dose da vacina?

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) também autorizou estudos de terceira dose das vacinas da Pfizer e AstraZeneca no Brasil, que também estão em fase de testes.

Segundo Ethel Maciel, dados dos Estados Unidos indicam que a população americana que tomou a vacina contra o coronavírus no início da campanha de imunização já apresenta doenças mais graves, mesmo que vacinada. Ou seja, o Brasil já deveria estar aplicando a dose de reforço nas primeiras pessoas que se vacinaram para evitar maiores complicações de saúde.

“O Brasil tinha comprado doses para esse ano, com o intuito de terminar uma campanha. Agora, já estamos com novas evidências, tendo a necessidade de fazer uma terceira dose para grupos específicos e pensar na dose de reforço para todos os grupos vacinados. Isso tudo precisa entrar no planejamento do Programa Nacional de Imunização (PNI).”

A epidemiologista destaca, ainda, que o surgimento das variantes do coronavírus impactou nas discussões sobre a necessidade da terceira dose no Brasil. Confira a entrevista na íntegra e mais detalhes sobre o assunto no vídeo abaixo.

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Olá, sejam bem vindos ao Brasil 61 Entrevista. Eu sou Laísa Lopes e hoje vamos receber a epidemiologista Ethel Maciel, membro do Grupo Técnico da Organização Mundial de Saúde (OMS) para Tuberculose e professora da Universidade Federal do Espírito Santo para falar sobre a terceira dose da vacina contra a Covid-19.

Doutora, seja bem-vinda
 

TEC./SONORA:  Ethel Maciel, epidemiologista e professora da Universidade Federal do Espírito Santo

“É um prazer estar aqui com você, Laísa.”
 

LOC.: No início do processo de imunização da população brasileira, era discutido a terceira dose apenas da Coronavac, agora, já se fala de reforço de imunização para as outras vacinas também, porque?
 

TEC./SONORA:  Ethel Maciel, epidemiologista e professora da Universidade Federal do Espírito Santo

“Nesse momento, nós estamos discutindo duas coisas, a terceira dose para grupos populacionais que têm alguma doença que dificulta a resposta imunológica, pessoas que têm doenças que a gente chama de imunossupressoras, pessoas que estão tratando contra o câncer, pessoas que têm doenças renais, transplantados e idosos. Então, esses grupos se beneficiariam, porque a gente já sabe que a resposta imunológica deles quando tomam a vacina é menor do que outros grupos populacionais. Então, nós já temos, por exemplo, os Estados Unidos que aprovaram, na semana passada, a utilização de uma terceira dose para esse grupo. Israel já aprovou uma terceira dose para pessoas acima de 60 anos, então, isso é uma coisa. A outra coisa que nós já sabemos é que com o tempo, a resposta imunológica de todos nós, independente de termos um sistema de defesa bom, ou que tenha alguma doença que faça uma imunossupressão, independente disso, todo mundo, com o tempo, ao que parece agora, os estudos começam a apontar que há uma diminuição de resposta, e a gente precisa de uma dose de reforço chamada Booster. Então, além da terceira dose em grupos específicos, todas as pessoas, depois de 8 meses da segunda vacina, vão tomar uma dose de reforço.”
 

LOC.: Doutora, o surgimento de novas variantes impactou na discussão de ser necessário uma terceira dose dos imunizantes?
 

TEC./SONORA:  Ethel Maciel, epidemiologista e professora da Universidade Federal do Espírito Santo

“Impactou sim. Inclusive nessa carta das autoridades nos Estados Unidos eles dizem que o impacto da variante Delta, como também teve um impacto de eficácia em pessoas que tomaram uma dose, eles têm um grupo grande de pessoas também que não estão vacinados e está impactando no número de casos. A primeira vez depois do início maior da vacinação que eles chegaram a mais de mil mortos por dia, tudo isso começa também a acender para a gente um sinal de alerta, porque nós temos muito mais pessoas não vacinadas do que eles. E se a variante Delta lá causou essa mudança nos indicadores, a gente precisa ficar muito atenta aqui no Brasil né? Estamos vendo o Rio de Janeiro com uma predominância da variante Delta e já aumentando o número de internações de pessoas, inclusive necessitando de leitos.”
 

LOC.: A dose de reforço aumenta a eficácia das vacinas ou os níveis são mantidos?
 

TEC./SONORA:  Ethel Maciel, epidemiologista e professora da Universidade Federal do Espírito Santo

“Nós ainda vamos precisar fazer [a vacinação] e acompanhar. Então, nós esperamos que mantenha o mesmo nível ou aumente. É isso que está agora sendo proposto para que com a diminuição dos níveis, a gente, pelo menos, mantenha ou aumente. Então, vamos precisar aplicar e acompanhar essas pessoas para ver se infecção, se adoecimento e óbitos são minimizados, diminuídos ou que não existam a partir desse reforço.”
 

LOC.: Certo, doutora. E mesmo com a terceira dose, é necessário continuar com o distanciamento social e uso de máscaras?
 

TEC./SONORA:  Ethel Maciel, epidemiologista e professora da Universidade Federal do Espírito Santo

“Eu acredito que sim, porque enquanto a gente não tiver o controle da pandemia, nós não tivermos um número de casos bem baixos, preferencialmente não ter óbitos ou um número muito pequeno de mortes, vamos precisar ainda combinar essas medidas. Então é a vacinação, mas as outras medidas de prevenção: usar máscara, manter o distanciamento. Nós ainda estamos no meio de uma pandemia que dependendo de como agirmos, podemos colocar tudo isso que conquistamos a perder. Então tem que ser tudo muito bem planejado e avaliado. A gente analisa os dados, vê como aquela medida que está sendo tomada está impactando no número de casos, no número de internação, no número de óbitos, então tudo precisa ser feito com muita cautela e analisando os dados para que possamos tomar a melhor decisão.”
 

LOC.: Chegamos ao final da nossa conversa, obrigada pela colaboração, Dra. Ethel.

TEC./SONORA: Ethel Maciel, epidemiologista e professora da Universidade Federal do Espírito Santo

“Obrigada pelo convite, é um prazer estar aqui com vocês.”
 

LOC.: Obrigada a quem nos acompanhou até aqui. Lembrando que essa entrevista você acessa nas redes sociais e no canal do Brasil61.com, no Youtube. Até a próxima!

Reportagem, Laísa Lopes