Orçamento de 2024 precisa ser aprovado pelo Congresso. Foto: Reprodução Agência Brasil
Orçamento de 2024 precisa ser aprovado pelo Congresso. Foto: Reprodução Agência Brasil

PLOA: previsão de orçamento para municípios em 2024 é de R$ 376 bi

De acordo com o Projeto de Lei Orçamentária Anual do próximo ano, os municípios brasileiros devem receber 21% a mais da União do que em 2023


Um montante de R$ 379 bilhões. Esse é o valor previsto pelo projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) para ser distribuído para os 5.570 municípios brasileiros em 2024. O valor é 21% maior que o previsto no PLOA de 2023, quando os municípios receberam do governo federal R$ 296 bilhões. 

O crescimento é expressivo, ainda mais quando comparado com os orçamentos municipais previstos para 2024. Que em muitos casos estão mais enxutos e preveem gastos semelhantes aos de 2023.  

Um exemplo disso é o crescimento pouco expressivo de cidades de menor porte como São João D’Aliança, em Goiás. Em 2023 o orçamento do município de 15 mil habitantes foi de R$ 95 milhões. Para o ano que vem, a previsão é que sejam gastos R$ 109 milhões, como explica a prefeita Débora Domingues.

“Como as perspectivas não são muito boas, a gente já fez o orçamento mantendo o deste ano. Não chegamos a diminuir, mas a gente manteve justamente por não ter muitas expectativas para o ano que vem.”

“É lamentável. Vem governo, vai governo e a gente vê que os recursos ficam concentrados na União. Onde acontece o problema  —  que é no município —  o recurso chega bem reduzido. De um tempo para cá, cada vez mais vão criando obrigações para os municípios cumprirem, sem repasse de determinadas receitas. O prefeito tem se tornado em mero gestor de folha de pagamento.”

O que diz a LOA

A Lei Orçamentária anual deve ser entregue pelos gestores municipais à Câmaras Municipais, existe um prazo limite de quando esse projeto deve ser entregue ao legislativo local, mas fica definido pela Lei Orgânica de cada município. “Normalmente, essa data é de 15 a 30 dias após a entrega do orçamento federal — que acontece em 31 de agosto —,  mas pode variar de acordo com cada cidade.

Segundo o especialista em orçamento público e mestrando em políticas públicas pelo IPEA, Dalmo Palmeira, depois de entregue à Câmara, o projeto precisa ser aprovado  e sancionado pelo governo.

“A lei de orçamento é um projeto de lei como qualquer outro, então ele precisa passar por aquele processo de aprovação de uma lei. Isso em qualquer nível: municípios, estados e União. Em quase todos os municípios passa por uma comissão de finanças para fazer uma discussão prévia e depois segue para plenário.”

O segredo para um 2024 otimista 

Na contramão da maior parte dos municípios brasileiros, Ribeirão Preto (SP), cidade com 711 mil habitantes, não só deve fechar as contas de 2023 no azul, como já entregou à Câmara Municipal a Lei Orçamentária Anual (LOA) do próximo ano com orçamento recorde. 

Segundo o prefeito Duarte Nogueira, a estimativa de receita para 2024 é de mais de R$ 4,8 bilhões, o que só foi possível graças a um processo de “ancoragem e de colocação da casa em ordem que começou em 2017”, explica o prefeito. 

“Nós tivemos uma melhora nas receitas de ISS, de IPTU — sem aumentar o imposto. Nós cortamos pela metade os cargos em comissão, hoje metade desses cargos em comissão que foram extintos são preenchidos por funcionários de carreira da prefeitura. E uma boa gestão administrativa sempre com os olhos voltados para a redução de despesas, sem aumento de receitas de impostos e uma melhor qualidade do gasto público.” 

O documento apresenta despesas e receitas da prefeitura além da previsão de onde os recursos serão aplicados. Saúde e Educação devem receber um percentual mínimo específico por Lei. O restante da receita pode ser aplicado pela prefeitura em outras ações, obras e programas. Benefício que reverte em investimento para a população

Segundo o prefeito, serão feitos em 2024 investimentos em diversas áreas como saúde, educação, mobilidade urbana e assistência social. 
 

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Um montante de 379 bilhões de reais. Esse é o valor previsto pelo projeto de Lei Orçamentária Anual para ser distribuído para os 5.570 municípios brasileiros em 2024. O valor é 21% maior que o previsto no PLOA de 2023, quando os municípios receberam do governo federal 296 bilhões de reais.
O crescimento é expressivo, ainda mais quando comparado com os orçamentos municipais previstos para 2024. Esses orçamentos, em muitos casos, estão mais enxutos e preveem gastos semelhantes aos de 2023.  
Um exemplo disso é o crescimento pouco expressivo de cidades de menor porte como São João D’Aliança, em Goiás. Em 2023 o orçamento do município, na Chapadas dos Veadeiros,  de 15 mil habitantes, foi de 95 milhões de reais. Para o ano que vem, a previsão é que sejam gastos 109 milhões. Para a prefeita Débora Domingues, a carga aumenta para os municípios —  e a população é quem sofre com isso. 
 

TEC/SONORA: Débora Domingues prefeita de São João D'Aliança

“É lamentável. Vem governo, vai governo e a gente vê que os recursos ficam concentrados na União. Onde acontece o problema — que é no município —  o recurso chega bem reduzido. De um tempo para cá, cada vez mais vão criando obrigações para os municípios cumprirem, sem repasse de determinadas receitas. O prefeito tem se tornado em mero gestor de folha de pagamento.”
 


LOC.: Na contramão da maior parte dos municípios brasileiros, Ribeirão Preto (SP), cidade com 711 mil habitantes, não só deve fechar as contas de 2023 no azul, como já entregou à Câmara Municipal a Lei Orçamentária Anual (LOA) do próximo ano com orçamento recorde. 
Segundo o prefeito Duarte Nogueira, a estimativa de receita para 2024 é de mais de 4,8 bilhões de reais, o que só foi possível graças a um processo de ancoragem e de colocação da casa em ordem que começou em 2017, explica o prefeito. 
 

TEC/SONORA: Duarte Nogueira, prefeito de Ribeirão Preto SP

“Nós tivemos uma melhora nas receitas de ISS, de IPTU — sem aumentar o imposto. Nós cortamos pela metade dos cargos em comissão, hoje metade desses cargos em comissão que foram extintos são preenchidos por funcionários de carreira da prefeitura. E uma boa gestão administrativa sempre com os olhos voltados para a redução de despesas, sem aumento de receitas de impostos e uma melhor qualidade do gasto público.” 
 


LOC.: O documento apresenta despesas e receitas da prefeitura além da previsão de onde os recursos serão aplicados. Saúde e Educação devem receber um percentual mínimo específico por Lei. O restante da receita pode ser aplicado pela prefeitura em outras ações, obras e programas. 

Reportagem, Lívia Braz