A farmacêutica já apresentou dados para a Anvisa analisar a recomendação. Foto: Torstensimon (Pixabay)
A farmacêutica já apresentou dados para a Anvisa analisar a recomendação. Foto: Torstensimon (Pixabay)

Pfizer acredita em liberação da vacina para crianças menores de 12 anos ainda em 2021

A líder médica da área de vacinas da Pfizer Brasil, Dra. Julia Spinardi, explicou que o processo ainda está no começo, mas já foram apresentadas informações favoráveis em estudos europeus, recomendando a vacina para crianças.


As crianças menores de 12 poderão ser beneficiadas com a liberação da vacina contra a Covid-19 ainda este ano. De acordo com informações da Pfizer Brasil, a farmacêutica já apresentou dados para a Anvisa analisar a recomendação ou não das vacinas para essa população aqui no Brasil. A líder médica da área de vacinas da Pfizer Brasil, Dra. Julia Spinardi, explicou que o processo ainda está no começo, mas já foram apresentadas informações favoráveis em estudos europeus, recomendando a vacina para crianças. 

“Nós já iniciamos a tratativa de submissão, junta à Anvisa, com o mesmo pacote e os mesmos dados para essa população. A gente espera que até o final de novembro, seja possível concluir esses trâmites de análise e de apresentação de dados, para que a agência possa se posicionar a respeito da autorização ou não do uso da vacina para a população de 5 a 12 anos de idade”, destacou a Dra. Spinardi.

Essa declaração foi realizada nesta quinta-feira (11), durante a apresentação do resultado de uma pesquisa sobre o que a população brasileira acha da vacinação contra a Covid-19 e outras vacinas rotineiras no calendário de todo cidadão, como poliomielite e sarampo. Essa pesquisa foi encomendada em conjunto entre a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) e a Pfizer Brasil.

De acordo com a pesquisa, 75% dos entrevistados dizem se sentir muito seguros com o aumento na taxa de pessoas vacinadas. Apenas 20% se declararam inseguros ou muito inseguros, porque gostariam que mais pessoas já estivessem imunizadas. Apesar disso, a preocupação com uma nova onda de Covid-19 é real, já que 86% afirmam ter muito ou um pouco de medo de acontecer novamente.

Para infectologista, redução de mortes comprova eficácia da vacinação

Estados e municípios recebem R$ 308 milhões para ações de enfrentamento da pandemia

A maioria das pessoas mostra entender a importância da  imunização contra a doença e afirma ter incentivado outros a se vacinarem. Quando questionados sobre os grupos que encorajaram a tomar a vacina, 85% responderam familiares, 61% amigos, 38% colegas de trabalho e/ou funcionários e 36% vizinhos.

Entre outros assuntos, a pesquisa abordou as formas de comunicação em relação às vacinas, e o número revela que 72% dos entrevistados acreditam que as fake news atrapalham a vacinação. Sobre conteúdos relacionados ao assunto em que não há certeza de que sejam verdadeiros, 49% afirmam não compartilhar a informação mesmo sabendo que é verídica ou por não terem costume de confirmar se de fato aquela é real. Apesar disso, 2% dizem compartilhar mesmo sem saber se  as informações recebidas são verdadeiras.

De acordo com o presidente da SBIm, Dr. Juarez Cunha, em 2019 a Organização Mundial da Saúde lançou um alerta de que a baixa vacinação contra doenças rotineiras poderia se tornar uma ameaça à saúde pública. Com a pandemia em 2020, o número de pessoas protegidas por vacinas não ligadas à Covid-19 caiu ainda mais e, em parte, pela desinformação e fakes news que circulam contra a vacinação.  

“A hesitação em vacinar, que é a responsável pelas baixas coberturas vacinais. É o atraso em aceitar ou a recusa das vacinas recomendadas apesar da disponibilidade nos serviços de saúde. Por que se a pessoa tem alguma dúvida, ela tá hesitante, e ela recebe um recado de desconfiança, ela com certeza não vai se vacinar ou vacinar o seu filho”, avaliou o Dr. Cunha. 

Outros números da pesquisa sobre os motivos pelos quais as pessoas não pretendem atualizar a carteira de vacinação contra doenças recomendadas apontam que 21% dizem acreditar que as vacinas tomadas na infância já são suficientes, 6% não acreditam na eficácia da vacina e 6% têm medo das reações adversas. Apesar disso, 40% afirmaram estar com a carteira de vacinação em dia. O questionário foi realizado de forma on-line e respondido por 2 mil internautas entre 16 anos ou mais de todas as regiões do país, entre os dias 19 e 29 de outubro de 2021.

Dados da Covid-19

O Brasil registrou mais 12.273 casos e 280  óbitos por Covid-19, nas últimas 24h, de acordo com o balanço mais recente do Ministério da Saúde. Desde o início da pandemia, mais de 21.909.298 milhões de brasileiros foram infectados pelo novo coronavírus. 

O Rio de Janeiro ainda é o estado com a maior taxa de letalidade entre as 27 unidades da federação: 5,17%. O índice médio de letalidade do País está em 2,8%. 

Taxa de letalidade nos estados

  • RJ    5,16%
  • SP    3,46%
  • AM    3,22%
  • PE    3,17%
  • MA    2,83%
  • PA    2,80%
  • GO    2,67%
  • AL    2,62%
  • PR    2,60%
  • CE    2,60%
  • MS    2,56%
  • MG    2,54%
  • MT    2,52%
  • RO    2,43%
  • RS    2,42%
  • PI    2,18%
  • BA    2,17%
  • SE    2,17%
  • ES    2,13%
  • PB    2,12%
  • DF    2,10%
  • AC    2,10%
  • RN    1,98%
  • TO    1,70%
  • SC    1,62%
  • AP    1,61%
  • RR    1,60%

Os números têm como base o repasse de dados das Secretarias Estaduais de Saúde ao órgão. Acesse as informações sobre a Covid-19 no seu estado e município no portal brasil61.com/painelcovid

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC: A vacina contra Covid-19 para crianças menores de 12 pode ser liberada ainda este ano. A líder médica da área de vacinas da Pfizer Brasil, Dra. Julia Spinardi, explicou que o processo ainda está no começo, mas já foram apresentadas informações favoráveis em estudos europeus, recomendando a vacina para crianças dessas idades. 
 

TEC./SONORA: líder médica da área de vacinas da Pfizer Brasil, dra. Julia Spinardi. 

“Nós já iniciamos a tratativa de submissão, junta à Anvisa, com o mesmo pacote e os mesmos dados para essa população. A gente espera que até o final de novembro, seja possível concluir esses trâmites de análise e de apresentação de dados, para que a agência possa se posicionar a respeito da autorização ou não do uso da vacina para a população de 5 a 12 anos de idade”.
 

LOC: A declaração foi realizada nesta quinta-feira (11), durante a apresentação do resultado de uma pesquisa sobre o que a população brasileira acha da vacinação contra a Covid-19 e outras vacinas rotineiras. A pesquisa foi encomendada pela Pfizer em conjunto entre a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm). De acordo com o presidente da SBIm, Dr. Juarez Cunha, com a pandemia em 2020, o número de pessoas protegidas por vacinas não ligadas à Covid-19 caiu e, em parte, pela desinformação e fakes news que circulam contra a vacinação.  

TEC./SONORA: presidente da SBIm, dr. Juarez Cunha.

“A hesitação em vacinar, que é a responsável pelas baixas coberturas vacinais. É o atraso em aceitar ou a recusa das vacinas recomendadas apesar da disponibilidade nos serviços de saúde. Por que se a pessoa tem alguma dúvida, ela tá hesitante, e ela recebe um recado de desconfiança, ela com certeza não vai se vacinar ou vacinar o seu filho”.

LOC: De acordo com a pesquisa, 75% dos entrevistados dizem se sentir muito seguros com o aumento na taxa de pessoas vacinadas. Apenas 20% se declararam inseguros ou muito inseguros, porque gostariam que mais pessoas já estivessem imunizadas.