Problemas climáticos podem afetar plantio do milho. Foto: Arquivo Agência Brasil
Problemas climáticos podem afetar plantio do milho. Foto: Arquivo Agência Brasil

MT: safra do milho em 2024 pode ser prejudicada com atraso no plantio de soja

Segundo a Conab, a segunda safra de milho estava prevista para outubro, no estado


O atraso na semeadura da soja em Mato Grosso tem preocupado também os produtores de milho. Isso porque a safrinha de milho é cultivada após a colheita da primeira safra de soja. Com o atraso que acontece por conta da falta de chuvas no estado, a safra do milho em 2024 pode ser afetada.

Segundo o diretor da Associação Brasileira dos Produtores de Milho, Zilto Donadello, atualmente o estado cultiva em torno de 5,5 milhões de hectares de milho. Ele explica que o potencial de produção do milho no estado está diretamente ligado à produção de soja.

“É tradicional do produtor mato-grossense fazer soja na primeira safra e milho na segunda. Então, a expansão da área de milho está em cima da área de soja”, explica.

De acordo com o vice-presidente sul da Aprosoja Mato Grosso, Jorge Diego Giacomelli, além de afetar a produtividade, o atraso no plantio da soja pode prejudicar a qualidade do milho.

“A segunda safra que seria do milho, depende de uma janela ideal também. E como você já atrasa na soja, você vai colher essa soja mais tarde e se conseguir plantar esse milho, já não vai plantar numa janela ideal. O que pode afetar em produtividade lá na frente do milho e não entregar os resultados que o produtor estava esperando. Vai atrapalhar com a questão tanto da produtividade quanto de qualidade do grão. Os prejuízos são enormes e até o momento ainda são incalculáveis”, diz.

Conforme levantamento de SAFRAS & Mercado, até o momento em Mato Grosso o cultivo de milho atinge 1% da área de 24 mil hectares. Já em Mato Grosso do Sul, o plantio de milho ocupa 18% da área de 27 mil hectares. E em Goiás/Distrito Federal, o cultivo atinge 17,8% da área prevista de 316 mil hectares.

Segundo o IBGE, os municípios que produzem  as maiores quantidades de milho em Mato Grosso são: Sorriso, Nova Ubiratã e Nova Mutum.

Estimativas para a safra 23/24

Segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), a área total de milho para a safra 23/24 no Brasil ficou projetada em 21,18 milhões de hectares. A estimativa indica uma redução de 4,82% em comparação com a safra 22/23. A queda foi puxada pelo declínio de 4,92% na área de Mato Grosso  —  o maior produtor —  em conjunto com o recuo de 7,07% e 3,65% nas áreas dos estados do Paraná e do Mato Grosso do Sul, respectivamente. 

A estimativa da produção brasileira do grão também reduziu em 9,46% em relação à safra 22/23, totalizando 119,40 milhões de toneladas. A Conab ainda informou que o cenário é reflexo da queda nos preços disponíveis e futuros do cereal, devido à maior produção na safra 22/23 — o que afetou a rentabilidade, desmotivando o produtor a fazer investimentos na cultura.

Queda no preço do milho diminui o investimento do produtor mato-grossense na safra 2023/24

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O atraso na semeadura da soja em Mato Grosso tem preocupado também os produtores de milho. Isso porque a safrinha de milho é cultivada após a colheita da primeira safra de soja. Com o atraso que acontece por conta da falta de chuvas no estado, a safra do milho em 2024 pode ser afetada.

Segundo o diretor da Associação Brasileira dos Produtores de Milho, Zilto Donadello, atualmente o estado cultiva em torno de 5,5 milhões de hectares de milho. Ele explica que o potencial de produção do milho no estado está diretamente ligado à produção de soja.
 

TEC./SONORA: Zilto Donadello, diretor da Abramilho

“É tradicional do produtor mato-grossense fazer soja na primeira safra e milho na segunda. Então, a expansão da área de milho está em cima da área de soja”.
 


LOC.: Segundo o vice-presidente sul da Aprosoja Mato Grosso, Jorge Diego Giacomelli, além de afetar a produtividade, o atraso no plantio da soja pode prejudicar a qualidade do milho.
 

TEC./SONORA: Jorge Diego Giacomelli, vice-presidente sul da Aprosoja Mato Grosso

“A segunda safra que seria do milho depende de uma janela ideal também. E como você já atrasa na soja, você vai colher essa soja mais tarde e se conseguir plantar esse milho já não vai plantar numa janela ideal. O que pode afetar em produtividade lá na frente do milho e não entregar os resultados que o produtor estava esperando. Vai atrapalhar com a questão tanto da produtividade quanto de qualidade do grão. Os prejuízos são enormes e até o momento ainda são incalculáveis”.
 


LOC.: Conforme levantamento de SAFRAS & Mercado, até o momento em Mato Grosso o cultivo de milho atinge 1% da área de 24 mil hectares. Já em Mato Grosso do Sul, o plantio de milho ocupa 18% da área de 27 mil hectares. E em Goiás/Distrito Federal, o cultivo atinge 17,8% da área prevista de 316 mil hectares.

Reportagem, Landara Lima