Foto: Divulgação/EMBRAPA
Foto: Divulgação/EMBRAPA

MINAS GERAIS: agricultores recebem da Embrapa soluções para otimizar uso de fertilizantes

Caravana FertBrasil fica no estado até esta terça-feira (7) para passar soluções caseiras e tecnologias que visam driblar a crise dos fertilizantes e economizar insumos. Medidas podem refletir na baixa de preço dos alimentos


Chegou a vez de os produtores agrícolas de Minas Gerais receberem a Caravana Embrapa FertBrasil, ação de curto prazo do Plano Nacional de Fertilizantes. O projeto fica no estado até terça-feira (7), com as mais atuais técnicas de utilização de fertilizantes. Além disso, serão apresentadas soluções caseiras que podem baratear custos da próxima safra e, ainda, impactar positivamente no preço dos alimentos.

Após a escassez dos insumos importados – a demanda brasileira por fertilizantes vindos do exterior chega a 85% –, a Embrapa a preparou material com soluções e tecnologias que têm o objetivo de mitigar essa dependência nos próximos anos, mas que já podem ser efetivas na próxima safra, com possível economia de US$ 1 bilhão ao setor no primeiro ano.

A equipe da Caravana, formada por, pelo menos, cinco palestrantes e três pesquisadores da Embrapa, vai visitar ao todo 48 polos agrícolas, o que corresponde a 70 milhões de hectares, abrangendo os 230 maiores produtores de grãos e perenes no Brasil. Depois de passar por Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná, as novidades serão transmitidas agora aos produtores mineiros. Entre elas a utilização de insumos que são encontrados no Brasil e que não são aplicados em larga escala, como agrominerais, coprodutos de resíduos com potencial agrícola e remineralizadores. O objetivo é evitar o desperdício, baixar o custo da produção e aumentar a eficiência.

Jefferson Costa, pesquisador da Embrapa e coordenador estratégico da Caravana FertBrasil, explica que um dos objetivos do projeto é mostrar aos produtores que o consumo de insumos nacionais pode ser potencializado e diminuir a dependência do exterior já nos próximos anos.

“Hoje, esses produtos só compõem cerca de 5% do uso nacional de fertilizantes e nossa expectativa nos próximos dois, três, quatro anos é já chegar a 40% da inserção desses produtos no mercado, o que diminuiria a necessidade de importação, essa dependência tão forte que a gente tem hoje”, destaca Jefferson.

Segundo o pesquisador da Embrapa, a ideia é maximizar o uso de, pelo menos, dois dos três principais nutrientes usados na fertilização do solo: nitrogênio e fósforo. “A gente espera, ao final da Caravana, habilitar o setor produtivo a aumentar a eficiência de uso de nitrogênio em 20%. Mas de fósforo, nossa expectativa é dobrar a eficiência de uso. A eficiência hoje é de 20% e nós queremos levar a 30% ou até 40%”, destaca Jefferson Costa.

O deputado federal Domingos Sávio (PL-MG), que também é profissional da área agrícola e produtor rural, ressalta que a questão dos fertilizantes está sendo tratada pelo governo com a devida seriedade, uma vez que é fundamental para alimentar o país e mais um bilhão de pessoas no mundo, já que o Brasil é um dos maiores exportadores de alimentos. Segundo o parlamentar, o papel da Embrapa é primordial no processo de evolução do setor em relação ao aumento de eficiência e produção nacional do insumo.

“Fertilizante é desenvolvimento científico. É saudável, produz alimento de qualidade. Agora, nós temos que investir na ciência, na Embrapa, na tecnologia e temos que ter o mínimo de regulação no mercado. Nós precisamos investir em duas coisas, de imediato aprimorar a forma de usar, para usar de maneira racional. E nós precisamos de ampliar a capacidade de produção nacional”, destacou o parlamentar.

Depois de Minas Gerais, a Caravana chega ao Rio Grande do Sul, no dia 26 de julho. Na sequência, passa por Mato Grosso, Rondônia, Santa Catarina, Acre, Goiás, Distrito Federal, Bahia, Tocantins, Piauí, Maranhão, Sergipe, Alagoas, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Pará, Roraima e Amapá.

Cinco pilares

O conteúdo transmitido pela Caravana foi discutido pelos 40 melhores especialistas da área, para reunir todo o conhecimento da Embrapa a respeito e modular tudo em cinco pilares. O objetivo é dialogar com o setor produtivo, levar informações e novidades aos produtores e mapear as demandas de cada macrorregião, de cada polo agrícola que está sendo visitado.

Confira os cinco temas abordados pela Caravana:

  • Planejando quando e onde plantar: hoje já existem tecnologias, como novas análises de solo, que permitem apontar com precisão que solo deve ser utilizado para o plantio, quando e com que quantidade de fertilizantes;
  • Boas práticas: a Embrapa preparou uma apresentação com as principais práticas agrícolas que existem no país para uso eficiente de fertilizantes, muitas delas que não chegaram ao conhecimento do produtor;
  • Novos fertilizantes e insumos: na terceira etapa entram em discussão os novos fertilizantes, agrominerais, remineralizadores e bioinsumos. Tecnologias que são novas. Algumas carecem de mais pesquisas e testes, enquanto outras já possuem comprovação de eficácia.
  • Soluções digitais: a Caravana também está levando as melhores soluções digitais que existem no mercado para aumentar a eficiência das aplicações dos fertilizantes, a chamada agricultura de precisão. São novas ideias de como maximizar o uso desses produtos, com, por exemplo, a nanotecnologia na aplicação de fertilizantes.
  • Manejo e sustentabilidade: a última etapa da conversa com os produtores influenciadores e os técnicos fala sobre o manejo agrícola associado à maior sustentabilidade.
     

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Chegou a vez dos produtores agrícolas de Minas Gerais receberem a Caravana Embrapa FertBrasil, ação de curto prazo do Plano Nacional de Fertilizantes. O projeto fica no estado até terça-feira (7) para passar técnicas atuais de utilização de fertilizantes. Além disso,  serão apresentadas novidades e tecnologias para evitar desperdício, baixar o preço da produção e garantir a próxima safra. E tudo isso pode refletir na queda do preço dos alimentos.

A Caravana percorre 48 dos principais polos agrícolas do país e espera que as soluções e tecnologias apresentadas gerem uma economia de 1 bilhão de dólares já no primeiro ano. Entre as soluções está a utilização de insumos que são encontrados no Brasil e que não são aplicados em larga escala, como agrominerais, coprodutos de resíduos com potencial agrícola e remineralizadores. É o que explica o coordenador estratégico da Caravana FertBrasil Jefferson Costa.
 

TEC. SONORA:  Jefferson Costa, pesquisador da Embrapa

“Hoje, esses produtos só compõem cerca de 5% do uso nacional de fertilizantes e nossa expectativa nos próximos dois, três, quatro anos é já chegar a 40% da inserção desses produtos no mercado, o que diminuiria a necessidade de importação, essa dependência tão forte que a gente tem hoje”
 

LOC.: O deputado federal Domingos Sávio, do PL de Minas Gerais, ressalta que o papel da Embrapa é primordial no processo de evolução do setor em relação ao aumento de eficiência e produção nacional do insumo.

TEC .SONORA: deputado federal Domingos Sávio (PL-MG)

“Fertilizante é desenvolvimento científico. É saudável, produz alimento de qualidade. Agora, nós temos que investir na ciência, na Embrapa, na tecnologia e temos que ter o mínimo de regulação no mercado. Nós precisamos investir em duas coisas, de imediato em aprimorar a forma de usar, para usar de maneira racional. E nós precisamos de ampliar a capacidade de produção nacional”
 

LOC.: O conteúdo transmitido pela Caravana foi dividido em cinco pilares que estão sendo discutidos com os produtores: boas práticas; novos fertilizantes e insumos – sendo que a maioria pode ser encontrada no Brasil; soluções digitais, como a nanotecnologia; e manejo e sustentabilidade.

A Caravana, que já passou pelo Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná, tem como próximo destino o Rio Grande do Sul, no dia 26 de julho. Depois disso, os especialistas visitam polos agrícolas em outros 16 estados e o Distrito Federal.

Reportagem, Luciano Marques