Pessoas em escritório. Foto: Israel Andrade/Unsplash
Pessoas em escritório. Foto: Israel Andrade/Unsplash

Mercado público e privado devem ser integrados em tecnologia e conhecimento, dizem especialistas da saúde

Durante webinar, foram discutidas formas de integração da saúde para enfrentamento de futuras crises sanitárias e o avanço do Brasil no setor


Empresas públicas e privadas da área da saúde devem se manter integradas durante os momentos de crises sanitárias como a pandemia da Covid-19. É o que defendem especialistas durante o evento on-line “Um programa único para empresas e startups de HealthTech”, realizado nesta quinta-feira (14).

Presente no evento, Luiz de Luca, conselheiro e advisor em setor saúde, defendeu a integração de diferentes conhecimentos para melhorias da saúde no Brasil. “Não é o mercado público versus mercado privado. Eles não são oposições, e sim, devem ser integrados em tecnologia e conhecimento”, disse.

Segundo Luiz, a forma de realizar esta união é revisitar as dificuldades que o país teve com a pandemia da Covid-19 para que os mesmos problemas não se repitam no futuro. “Tivemos dificuldades físicas, como infraestrutura, tecnológicas com os respiradores, e de insumos. De forma colaborativa, nós podemos avaliar essas prioridades.”

O especialista ainda relembra a crise de H1N1 em 2009 e reforça que é impossível não falar desse panorama global, pois “a Covid-19 não foi a primeira e nem será a última pandemia. Nós estamos vivendo em um momento de riscos muito eminentes, entre eles, o epidemiológico. Portanto, temos que estar sempre preparados.”

Brasil tem menor média móvel de óbitos por Covid-19 em 11 meses: o que isso quer dizer?

Pandemia pode prejudicar a saúde mental de crianças e adolescentes por longos anos

Integração na prática

O InovaHC é um hub de inovação em saúde do Hospital das Clínicas, da Universidade de São Paulo. Durante o evento on-line, o CIO Marco Bego declarou que recebeu diversas propostas e estudos de startups para enfrentamento como a atual crise sanitária brasileira - causada pelo coronavírus. Para ele, essa integração do setor público e privado se trata sobre trazer mais conhecimento onde se está faltando.

“Nós somos um hospital e somos bons em algumas coisas, mas tem gente muito melhor do que nós em outras. Por exemplo, o hospital é excelente em organizar dataset, homologar, mas por outro lado, não somos bons em desenvolver algoritmos. Matemáticos, engenheiros, as startups, fazem isso muito melhor do que a gente”, explicou Marco.

Na prática, o InovaHC já vem realizando parcerias com startups, entre elas, um setor de inteligência artificial. “É questão de organizar a nossa vocação e deixar com que o mercado nos ajude. Para a inovação na saúde funcionar, ela precisa desse apoio mais estruturado”, disse o CIO.

Outro ponto destacado pelos especialistas durante o evento é a liderança na área da saúde. Bruno Pina, diretor de inovação da plataforma Distrito, fez um apelo para que os líderes do setor busquem juntos um fator em comum: o avanço do Brasil.

“É importante que cada líder da saúde se sensibilize. Não existe isso de sermos concorrentes, vamos nos juntar, fomentar essa discussão, chamar outras lideranças. Se não, a gente não muda, vamos ser sempre um país atrasado, apenas observando os avanços e inovações de outros países.”

MDR fecha parceria com instituição britânica para atrair investimentos em saneamento básico

Empresas brasileiras na Espanha

Organizado pela Américas Continental Health Alliance (ACHA), o webinar teve como objetivo apoiar empresas de tecnologia e startups de saúde interessadas em se internacionalizarem na Espanha e construírem uma rede global de sócios. Através do programa Go Global – Go to Spain, a interação e a colaboração entre as empresas e os investidores internacionais é facilitada, dando visibilidade a projetos de impacto social e soluções tecnológicas para o sistema de saúde.

Membro fundador da ACHA no Brasil, Cláudia Toledo explica que a proposta de internacionalização vem crescendo a cada ano: “Estamos construindo um forte hub da saúde da América Latina atuando na Espanha. O nosso objetivo é mostrar como os empresários e empreendedores brasileiros têm potencial e podem fazer parte desse processo se estabelecendo na Europa.”

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Empresas públicas e privadas da saúde devem se manter integradas durante momentos de crises sanitárias como a pandemia da Covid-19. É o que defenderam especialistas durante evento on-line realizado pela Américas Continental Health Alliance.

Luiz de Luca, conselheiro e advisor em setor saúde, defendeu a integração a fim de que diferentes tecnologias e conhecimentos fossem compartilhados para melhorias da saúde no Brasil e no enfrentamento de possíveis futuras pandemias.

TEC./SONORA: Luiz de Luca, conselheiro e advisor em setor saúde

“Não é o mercado público versus o mercado privado. Eles não são oposições, eles devem ser integrados em tecnologia e conhecimento.”

LOC.: Outro ponto destacado pelos especialistas durante o evento é a liderança na área da saúde. Bruno Pina, diretor de inovação da plataforma Distrito, fez um apelo para que os líderes do setor busquem juntos o avanço do Brasil.

TEC./SONORA: Bruno Pina, diretor de inovação da plataforma Distrito

“Para cada líder da saúde que estiver ouvindo, se sensibilize. Deixa de fora as amarras, não existe isso de sermos concorrentes, vamos nos juntar, o objetivo é outro. Traz pra gente, discute, chama outras lideranças, constrói essa discussão. Acho que a gente precisa fomentar mais isso. Se não, a gente não muda, vamos ser sempre um país atrasado.”

LOC.: O evento on-line também teve o objetivo de apoiar empresas de tecnologia e startups de saúde interessadas em se internacionalizarem na Espanha e construírem uma rede global de sócios. Através do programa Go Global – Go to Spain, a interação e a colaboração entre as empresas e os investidores internacionais é facilitada, dando visibilidade a projetos de impacto social e soluções tecnológicas para o sistema de saúde.

Reportagem, Poliana Fontenele