Image by Freepik
Image by Freepik

IPCA fecha 2022 com alta de 5,79%

Os grupos que mais tiveram uma alta na inflação no acumulado do ano foram os de vestuário e cuidados pessoais, saúde, alimentação e bebidas


Pelo quarto ano consecutivo, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) apresentou elevação e fechou 2022 com uma alta maior do que a média esperada pelo governo.

De acordo com dados divulgados pelo IBGE, o IPCA de dezembro foi de 0,62%, ou seja, 0,21% a mais do que em novembro do mesmo ano, fazendo com que o acumulado de 2022 fechasse em 5,79%. Apesar da alta expressiva, o número ficou abaixo do registrado em 2021, fechado em 10,06%.

O economista Cesar Lima explica que esse aumento foi significativo por conta da alta nos preços de praticamente de todos os grupos de produtos e serviços, principalmente o combustível. 

“Esse número foi dado pelo aumento do combustível. As desonerações continuam bem acima dos valores praticados em 2021, o que levou a um aumento geral de preços, uma vez que o nosso modal de transportes se baseia em combustíveis fósseis. O diesel, por exemplo, teve uma alta significativa que chega a ser mais caro que a gasolina”, pontua.

De acordo com os indicadores, os grupos que mais tiveram uma alta na inflação no acumulado do ano foram os de vestuário e cuidados pessoais, saúde, alimentação e bebidas. Em seguida vieram as despesas pessoais e, por último, transportes, que tiveram uma baixa nos últimos meses, o que causou  desaceleramento da inflação. 

Confira os produtos e serviços e os resultados no acumulado de 2022: 

  • Vestuário: 18,02%
  • Alimentação e bebidas: 11,64%
  • Saúde e cuidados pessoais: 11,43%
  • Artigos de residência: 7,89%
  • Despesas pessoais: 7,77%
  • Educação: 7,48%
  • Habitação: 0,07%
  • Transportes: -1,29%
  • Comunicação: -1,02%

A expectativa para 2023 é de que o IPCA passe do teto esperado, segundo Cesar Lima. “Para 2023 nós já temos a expectativa de um número acima da média do Banco Central. Esperamos o resultado de 5,23%”, projeta.

Esse aumento pode refletir na economia, deixando os créditos mais caros, com custo de vida maior e salário mais desvalorizado, fazendo a população perder ainda mais o poder de compra, devido à alta generalizada dos preços. 

O que é IPCA? 

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) é o índice que mede a variação dos preços dos produtos consumidos pela população urbana, que recebe na faixa de 1 a 40 salários mínimos. Esse indicador é calculado através de uma média entre todos os estados da variação desses produtos.
 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, IPCA, fechou o ano de 2022 com alta de 5,79%, estourando a meta de inflação. Os dados foram divulgados pelo IBGE. O indicador mede a variação dos preços dos produtos consumidos pela população urbana, que recebe na faixa de 1 a 40 salários mínimos. 

O IPCA é calculado através de uma média entre todos os estados da variação desses produtos. O economista CesaR Lima explica o que fez o cálculo ultrapassar o teto esperado pela meta do governo.  
 

TÉC./SONORA: “Esse número foi dado pelo aumento do combustível. As desonerações continuam bem acima dos valores praticados em 2021, o que levou a um aumento geral de preços, uma vez que o nosso modal de transportes de baseia em combustíveis fósseis. O diesel, por exemplo, teve uma alta significativa que chega a ser mais caro que a gasolina.”


LOC.: Mesmo com essa alta expressiva, o número ficou abaixo do registrado em 2021, fechado em 10,06%. Mas a meta de 2022 era fechar com 3,5%, com teto de 5%. Já para 2023, espera-se uma inflação de 5,23% no acumulado geral do ano. 

Reportagem, Daniela Gomes