Foto: Divulgação/SSPDF
Foto: Divulgação/SSPDF

DF: lei que concede auxílio a órfãos de feminicídio é sancionada

A Lei nº 7.314/2023 estabelece o pagamento, em caráter temporário, de um auxílio a órfãos de feminicídio no DF


A Lei nº 7.314/2023, de autoria do Poder Executivo e sancionada pela vice-governadora Celina Leão na última segunda-feira (4) no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF), estabelece o pagamento, em caráter temporário, de um auxílio a órfãos de feminicídio no DF. Segundo a secretária da mulher do DF, Giselle Ferreira, a lei fornecerá um auxílio financeiro de até um salário mínimo por órfão. A previsão para a realização do primeiro pagamento é em outubro.

A proposta entrou em vigor no dia de sua publicação e tem como objetivo amparar crianças e adolescentes que ficaram sem suas mães devido a esse crime, assegurando suas necessidades fundamentais, que abrangem alimentação, moradia, educação, saúde, cultura e lazer. Vale ressaltar que as despesas do programa sairão do orçamento da Secretaria da Mulher do Distrito Federal (SMDF).

“A violência contra as mulheres é uma cruel realidade em nosso país, especialmente o feminicídio, um crime que deixa as marcas profundas, principalmente na família que é totalmente destroçada”, comenta a secretária. 

Para ter direito ao benefício, é necessário atender alguns requisitos:

  • Ser órfão devido ao feminicídio;
  • Menos de dezoito anos ou estar em situação de vulnerabilidade até os 21;
  • Residir no Distrito Federal por pelo menos dois anos;
  • Comprovar vulnerabilidade economica.

A secretária informou que apenas no ano de 2023, 26 mulheres foram mortas por feminicídio no DF. “Não são apenas números que a gente fala, são vidas, mães, mulheres, irmãs, tias… nossa luta é para que nenhuma a menos esteja em nossa cidade”, apela. 

Encaminhado à Câmara Legislativa (CLDF) em 16 de agosto, o projeto de auxílio foi aprovado no dia 22 de do mesmo mês por unanimidade. O benefício parte de uma força-tarefa do GDF contra o feminicídio, integra um conjunto de 37 ações divulgadas em abril pela administração. Além disso, foram emitidos decretos para valorizar mulheres, combater machismo em escolas públicas e estabelecer multas de R$ 500 a R$ 500 mil para coibir a violência feminina.

Veja Mais:

DF: Expoabra espera movimentar 300 mil pessoas
DF: agricultura familiar produz 20 toneladas por semana e atende mais de 40 mil pessoas por dia
 

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.:  A Lei nº 7.314/2023, de autoria do Poder Executivo e sancionada pela vice-governadora Celina Leão na última segunda-feira (4) no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF), estabelece o pagamento, em caráter temporário, de um auxílio a órfãos de feminicídio no DF. Segundo a secretária da mulher do DF, Giselle Ferreira, a lei fornecerá um auxílio financeiro de até um salário mínimo por órfão. A previsão para a realização do primeiro pagamento é em outubro.

A proposta entrou em vigor no dia de sua publicação e tem como objetivo  amparar crianças e adolescentes que ficaram sem suas mães devido a esse crime, assegurando suas necessidades fundamentais, que abrangem alimentação, moradia, educação, saúde, cultura e lazer.

TEC./SONORA: Giselle Ferreira - secretária da mulher do DF

“A violência contra as mulheres é uma cruel realidade em nosso país, especialmente o feminicídio, um crime que deixa as marcas profundas, principalmente na família que é totalmente destroçada.”
 


LOC.: Para ter direito ao benefício, é necessário atender alguns requisitos: Ser órfão devido ao feminicídio; Menos de dezoito anos ou estar em situação de vulnerabilidade até os 21; Residir no Distrito Federal por pelo menos dois anos e comprovar vulnerabilidade econômica.

A secretária informou que apenas no ano de 2023, 26 mulheres foram mortas por feminicídio no DF.
 

TEC./SONORA: Giselle Ferreira - secretária da mulher do DF

“Não são apenas números que a gente fala, são vidas, mães, mulheres, irmãs, tias… nossa luta é para que nenhuma a menos esteja em nossa cidade.”
 


LOC.: Vale ressaltar que as despesas do programa sairão do orçamento da Secretaria da Mulher do Distrito Federal (SMDF). Segundo a secretária, a previsão para a realização do primeiro pagamento é em outubro.

Reportagem, Sophia Stein