Vacinas começam a ser distribuídas aos estados para conter o avanço da dengue. Foto: Genilton Vieira/Instituto Oswaldo Cruz
Vacinas começam a ser distribuídas aos estados para conter o avanço da dengue. Foto: Genilton Vieira/Instituto Oswaldo Cruz

Dengue avança: Brasil ultrapassa 740 mil casos prováveis da doença

Segundo o Ministério da Saúde, o país registrou 151 mortes pela doença


Até o  momento, o Brasil  já registrou 740.942 casos prováveis de dengue — e 151 mortes pela doença foram confirmadas nesta quinta-feira (22). Outras 501 mortes estão sob investigação, segundo dados do Painel de Arboviroses, divulgado pelo Ministério da Saúde.

Conforme a pasta, a incidência de casos prováveis é maior entre mulheres (55,1%). A faixa etária que apresenta o maior número de notificações são os adultos entre 30 e 39 anos. Com relação aos homens da mesma idade, o número de notificações é de 65.536, contra 79.083 de mulheres.

As unidades federativas mais afetadas pela epidemia são: Minas Gerais com 258.194 registros; São Paulo (124.597); Distrito Federal (83.284); Paraná (75.499); Rio de Janeiro (55.187) e Goiás (45.682). Esses estados inclusive  já declararam estado de emergência pela dengue.

Vacinação

Em meio ao crescimento do número de casos, Minas Gerais, Espírito Santo, Paraná, Santa Catarina, Roraima e Rio de Janeiro receberam na quinta-feira (22) os primeiros lotes da vacina contra a dengue. Ao todo, 523.005 vacinas vão ser distribuídas entre esses estados. A entrega também vai contemplar o Tocantins, e a segunda remessa do imunizante se destinará  para os estados da Bahia, Goiás e Mato Grosso do Sul.

Em Minas Gerais, 22 municípios foram selecionados para receber a vacina. De acordo com a Secretaria de Saúde do estado (SES-MG) foram entregues 78.790 doses de vacinas contra a dengue. A SES-MG irá distribuir o imunizante às Unidades Regionais de Saúde de Belo Horizonte e Coronel Fabriciano/Timóteo. 

No Paraná, foram entregues  35.025 doses do imunizante. Conforme informa a Secretaria de Saúde do Paraná, a distribuição das vacinas será concluída nesta sexta-feira (23) para 21 municípios. No Espírito Santo, as 58.530 doses de vacina vão ser distribuídas para 23 cidades. Segundo a pasta, ao todo, 58.525 crianças de 10 e 11 anos deverão ser imunizadas no estado. 

Em Santa Catarina, 29.100 doses vão ser compartilhadas entre 13 municípios da região nordeste do estado. Já em Roraima, a Secretaria de Saúde do estado (Sesau) informou que vai distribuir entre 10 municípios as 20.670 doses de vacinas. No Rio de Janeiro, as 231.928 doses da vacina contra a dengue serão distribuídas entre a capital e todas as cidades da baixada fluminense.

Nove estados já iniciaram a vacinação

A vacina começou a ser entregue aos estados e municípios selecionados pelo Ministério da Saúde no dia 8 fevereiro. Ao menos nove estados já iniciaram a vacinação contra a dengue em crianças de 10 e 11 anos.

Segundo a pasta, o lote inicial — com 712 mil doses— foi enviado para 315 municípios nos estados: Goiás, Bahia, Acre, Paraíba, Rio Grande do Norte, Mato Grosso do Sul, Amazonas, São Paulo; e  também ao Distrito Federal. A primeira remessa atende a 60% dos 521 municípios. Todas as capitais contempladas já iniciaram a vacinação.

Moradora de Santa Maria, região administrativa do Distrito Federal, a dona de casa Eloísa Fontenele levou o filho de 10 anos para vacinar contra a dengue, no dia 15 fevereiro. Ela enfatiza a necessidade da vacinação.

“A importância de levar as crianças para serem vacinadas é justamente para protegê-las e evitar que tenham sintomas mais sérios e que cause problemas mais sérios neles”, diz. 

Eloísa Fontenele ainda relata as ações que tem adotado para evitar a doença. “As medidas que estou tomando para evitar a dengue são eliminar água parada onde os mosquitos reproduzem; usar repelente, vestir roupa que cubra o corpo e instalar telas em janelas. A vacinação também é uma maneira para proteger, principalmente os meus filhos”, ressalta.

Para a infectologista Joana D’arc Gonçalves, a vacina representa uma nova fase no combate à dengue, mas o controle do vírus continua dependendo de uma série de ações.

“A vacina é uma ferramenta a mais. A Qdenga tem uma eficácia geral em torno de 80% e reduz hospitalização. É mais que isso: vai te dar uma proteção após a primeira dose, depois de 30 dias. Mas essa eficácia vai ser completa após as 2 doses, com o intervalo de 3 meses. Então, a vacina é uma estratégia nesse momento, mas vai ser melhor ainda lá na frente, para aquelas pessoas que estão imunizando agora, para ter uma proteção duradoura no futuro. Neste momento, a gente precisa juntar as ações”, destaca. 

A infectologista ainda ressalta que o imunizante não é recomendado a alguns grupos. “Não é todo mundo que pode tomar. Tem que ficar atento se você tem alguma doença imunossupressora ou se está gestante. em que ter cuidado porque a vacina é de vírus vivo atenuado. Então tem que saber com o seu profissional médico se você pode ou não tomar a vacina”, adverte. 
 

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Os casos de dengue no Brasil já chegam, oficialmente, a mais de 740 mil. Conforme o Ministério da Saúde, foram confirmadas 151 mortes pela doença e outras 501 estão sob investigação. Em meio à alta de casos, a distribuição da vacina contra a dengue avança no país. Uma nova remessa com mais 523 mil doses da vacina contra a dengue começou a ser distribuída pelos estados selecionados pelo MS, na quinta-feira (22). A entrega contemplou os estados de Minas Gerais, Espírito Santo, Paraná, Santa Catarina, Roraima e Rio de Janeiro. 

Para a infectologista Joana D’arc Gonçalves, a vacina representa uma nova fase no combate à dengue, mas o controle do vírus continua dependendo de uma série de ações.
 

TEC./SONORA: Joana D’arc Gonçalves, infectologista

“A vacina é uma ferramenta a mais. A Qdenga tem uma eficácia geral em torno de 80% e reduz hospitalização. É mais que isso, vai te dar uma proteção após a primeira dose, depois de 30 dias. Mas essa eficácia vai ser completa após as 2 doses, com o intervalo de 3 meses. Então a vacina é uma estratégia nesse momento, mas vai ser melhor ainda lá na frente, para aquelas pessoas que estão imunizando agora, para ter uma proteção duradoura no futuro. Nesse momento, a gente precisa juntar as ações”.
 


LOC.: Nove unidades da federação já iniciaram a vacinação. São elas: Goiás, Bahia, Acre, Paraíba, Rio Grande do Norte, Mato Grosso do Sul, Amazonas, São Paulo e o Distrito Federal.

Moradora de Santa Maria, cidade-satélite da região administrativa do Distrito Federal, a dona de casa Eloísa Fontenele levou o filho de 10 anos para vacinar contra a dengue, no dia 15 fevereiro. Ela enfatiza a necessidade da vacinação — e relata as medidas que passou a adotar para evitar a dengue. 
 

TEC./SONORA: Eloísa Fontenele, dona de casa

“A importância de levar as crianças para serem vacinadas é justamente para protegê-las e evitar com que tenham sintomas mais sérios e que cause problemas mais sérios neles. As medidas que estou tomando para evitar a dengue é eliminar água parada onde os mosquitos se reproduzem, usar repelente, vestir roupa que cubram o corpo e instalar telas em janelas. A vacinação também é uma maneira eficaz para proteger principalmente os meus filhos”.
 


LOC.: Segundo o Ministério da Saúde, os estados mais afetados pela epidemia de dengue são: Minas Gerais, com 258.194 registros; São Paulo (124.597), Distrito Federal (83.284), Paraná (75.499), Rio de Janeiro (55.187) e Goiás (45.682) casos prováveis de dengue.

Reportagem, Landara Lima