Infectolologista defende a continuidade da vacinação contra a Covid. Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Infectolologista defende a continuidade da vacinação contra a Covid. Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Brasil registra 1.127 mortes em decorrência da Covid-19 em 2024

Infectologista destaca a importância da vacinação para combater a doença


Em 2024, foram registrados 196.463 novos casos confirmados de Covid-19 e 1.127 mortes em decorrência do vírus no Brasil. Desde 2020, são 38.407.327 casos e 709.765 mortes acumuladas. As informações são do Painel Nacional: Covid-19 do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass).

Os estados que mais apresentaram casos de Covid-19 foram: São Paulo (6.785.57), Minas Gerais (4.248.232), Rio Grande do Sul (3.097.480), Paraná (2.989.805) e Rio de Janeiro (2.904.967).

O infectologista Julival Ribeiro explica que está havendo aumento de casos de Covid-19 no mundo inteiro, e para evitar isso, é “fundamental” que os brasileiros tomem a vacina contra a doença. 

“É muito importante para as pessoas que nunca tomaram a vacina da Covid, ou seja, o esquema básico, fazê-lo. E aquelas pessoas que segundo o Ministério da Saúde têm que fazer reforço com a dose bivalente da Pfizer, devem procurar também para atualizar a sua vacina, porque quando tomamos novas vacinas, esses reforços, ocorre um novo estímulo que aumenta a nossa proteção em relação à Covid”, explica o infectologista.

Segundo o Ministério da Saúde, o número de doses contra Covid-19 aplicadas é de 517.487.75, até o momento. Essa contagem inclui as doses de primeira, segunda e terceira aplicação, bem como as doses de reforço.

No que se refere à vacina bivalente, recomendada pelo Ministério como reforço para pessoas com mais de 12 anos que apresentam comorbidades, ou para adultos sem comorbidades, o total de doses aplicadas no Brasil foi de 33.296.229.

Além da vacina, Ribeiro recomenda que pessoas do grupo de risco tenham cuidados como:

  • utilizar máscara;
  • fazer a higienização das mãos;
  • evitar locais aglomerados, fechados e com baixa ventilação.

A advogada e comunicadora Nathália Queiroz, 27 anos, moradora de Brasília, relembra que pegou Covid-19 em fevereiro deste ano. 

“Foram os sintomas de uma gripe bem forte, então bastante coriza, pigarro na garganta, cansaço, muito sono. Esses foram alguns sintomas. Eu descobri que era Covid porque uma pessoa próxima testou positivo. Então eu fiz o teste, que também foi positivo”, afirma.

A advogada explica que não foi necessário internação e que realizou o isolamento social por cinco dias, período em que se recuperou da doença. Queiroz ainda diz que tomou três doses da vacina e ainda pretende tomar a quarta dose.

Leia mais:

Dengue Hemorrágica: o que é e quais os sinais de alerta?

É preciso tomar a segunda dose da vacina? Especialistas respondem

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Em 2024, foram registrados mais de 196 mil novos casos confirmados de Covid-19 e 1.127 mortes em decorrência do vírus no Brasil. Desde 2020, são cerca de 38 milhões de casos e mais de 709 mil mortes acumuladas. As informações são do Painel Nacional: Covid-19 do Conselho Nacional de Secretários de Saúde.

Os estados que mais apresentaram casos de Covid-19 foram: São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná e Rio de Janeiro.

O infectologista Julival Ribeiro explica que está havendo aumento de casos de Covid-19 no mundo inteiro, e para evitar isso, é “fundamental” que os brasileiros tomem a vacina contra a doença. 

TEC./SONORA: Julival Ribeiro, infectologista

“É muito importante para as pessoas que nunca tomaram a vacina da Covid, ou seja, o esquema básico, fazê-lo. E aquelas pessoas, que segundo o Ministério da Saúde, tem que fazer reforço com a dose bivalente da Pfizer, devem procurar também para atualizar. Quando tomamos novas vacinas, esses reforços, ocorre um novo estímulo que aumenta a nossa proteção.”


LOC.: Segundo o Ministério da Saúde, o número de doses contra Covid-19 aplicadas é de mais de 517 milhões até o momento. Essa contagem inclui as doses de primeira, segunda e terceira aplicação, bem como as doses de reforço.

A advogada e comunicadora Nathália Queiroz, 27 anos, moradora de Brasília, relembra que pegou Covid-19 em fevereiro deste ano. 

TEC./SONORA: Nathália Queiroz, 27 anos, advogada e comunicadora, moradora de Brasília

“Foram os sintomas de uma gripe bem forte, então bastante coriza, pigarro na garganta, cansaço, muito sono. Esses foram alguns sintomas. Eu descobri que era Covid porque uma pessoa próxima testou positivo, então eu fiz o teste, que também foi positivo.”


LOC.: A advogada explica que não foi necessário internação e que realizou o isolamento social por cinco dias, período em que se recuperou da doença. Queiroz ainda diz que tomou três doses da vacina, sendo uma delas a de reforço. Ela ainda pretende tomar a quarta dose.

Reportagem, Nathália Guimarães