Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Apoiadores do voto impresso auditável foram às ruas neste domingo (1°) reivindicar transparência nas eleições

As manifestações deste domingo (1°) ocorreram em praticamente todas as capitais e em cidades do interior de todas as regiões do país. No Sudeste, por exemplo, houve atos em cerca de 40 cidades, entre elas Rio de Janeiro, Belo Horizonte e São Paulo


O primeiro domingo de agosto de 2021 foi marcado por manifestações espalhadas por todo o país, a favor do voto auditável impresso. As principais ruas de cidades como Campo Grande, Belo Horizonte e Rio de Janeiro foram tomadas por eleitores que anseiam por maior transparência e segurança nas eleições de seus representantes políticos.

O advogado Inácio Lins, de 36 anos, saiu de Arniqueiras, no DF, em direção à Esplanada dos Ministérios, para apoiar a aprovação da PEC 135/19, que estabelece a execução do voto auditável impresso. Segundo ele, a medida representa um ato de democracia.

“Transparência é um direito básico. Democracia é quando a vontade da maioria é prevalecida e respeitada. Por isso, estamos aqui apoiando o voto impresso, pela dignidade do povo brasileiro, pela dignidade da sua vontade e respeito à nossa pátria”, destaca.

Jairo Eliezer, aposentado de 56 anos, também foi às ruas manifestar sua vontade sobre a aprovação do voto impresso. Na avaliação do morador de Vicente Pires, no DF, esta é a única forma de se comprovar o voto no candidato escolhido pelo eleitor.

“Eu estou aqui a favor de ter o direito de conferir para onde o meu voto foi. É a mesma coisa de ir ao banco, sacar R$ 500 e não conferir aquele dinheiro na boca do caixa. Depois, quando for questionar que só recebeu R$ 450, não cabe mais essa reivindicação”, exemplifica.

Quem também participou do ato foi o funcionário público aposentado. Luiz Carlos Dysarz, de 60 anos, morador de Brasília. Segundo ele, “a principal reivindicação da manifestação popular democrática e pacífica é em prol do voto impresso e auditável. É uma ferramenta a mais para dar transparência à população brasileira. A avaliação com relação ao STF e TSE são questionáveis”, pontuou.

Atos em todo o Brasil

As manifestações deste domingo (1°) ocorreram em praticamente todas as capitais e em cidades do interior de todas as regiões do país. No Sudeste, por exemplo, houve atos em cerca de 40 cidades, entre elas Rio de Janeiro, Belo Horizonte, São Paulo e Vila Velha, localizada na Região Metropolitana de Vitória, no Espírito Santo.

Morador de Uberlândia (MG), Valmiro Mariano foi à manifestação pró-voto impresso realizada no município. O autônomo defende que a escolha do voto é livre, mas o eleitor ainda carece de certeza sobre a apuração, já que em todas as eleições há suspeitas de alterações nos resultados.

“O Brasil e o mundo já sabem que votação tem que ser explícita para quem vota. O povo tem direito de tomar conhecimento daquilo que ele escolhe. O povo também tem o direito de conferir. E a única forma de usar esse direito é por meio do voto impresso”, considera.

Já no Sul brasileiro, o povo foi às ruas nas três capitais e em diversas cidades do interior. No estado do Paraná, por exemplo, eleitores a favor do voto impresso ecoaram gritos de transparência nos pleitos em Curitiba, Cascavel, Londrina, Maringá e Pato Branco, entre outros municípios. No Rio Grande do Sul, pelo menos 15 cidades contaram com as manifestações.

No Centro-Oeste, por sua vez, houve manifestação em Brasília, Goiânia, Campo Grande e Cuiabá. Já na região Nordeste, cidades como Salvador, João Pessoa, Fortaleza, Teresina, Recife e Natal registraram manifestações a favor do voto impresso e contra críticas feitas por partidos políticos, TSE e STF ao presidente Jair Bolsonaro. No Norte, as manifestações ocorreram em Boa Vista, Belém, Macapá e Manaus.

PEC do voto impresso auditável

Os manifestantes foram às ruas neste domingo reivindicar a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição do Voto Impresso Auditável, (PEC 135/19), que está sob análise da Câmara dos Deputados.

Secretário do MDR destaca papel das políticas públicas para alavancar desenvolvimento regional

PL que moderniza mercado cambial contribui para criação de empregos nos mais variados setores

Governo Federal promove oficina sobre revitalização de bacias hidrográficas no País

O texto determina que os votos registrados nas urnas eletrônicas sejam impressos em cédulas de papel. Após conferidos pelos eleitores, devem ser automaticamente depositados em urnas lacradas para fins de auditoria. O argumento de segurança, neste caso, se baseia, entre outros pontos, nas vulnerabilidades dos sistemas computacionais.

A matéria é defendida pelo presidente Jair Bolsonaro e por seus apoiadores. Atualmente, a proposta se encontra na comissão especial da Câmara criada para debater o tema.

A PEC havia sido derrubada pouco antes de os parlamentares entrarem no recesso legislativo. No entanto, por meio de um ato regimental, a base do governo conseguiu adiar a votação para depois da volta dos deputados aos trabalhos na Câmara, a partir desta segunda-feira (2). A expectativa é de que o texto seja votado na quinta-feira (5).

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O primeiro domingo de agosto de 2021 foi marcado por manifestações espalhadas por todo o país, a favor do voto auditável impresso. As principais ruas de cidades como Campo Grande, Belo Horizonte e Rio de Janeiro foram tomadas por eleitores que anseiam por maior transparência e segurança nas eleições de seus representantes políticos.

O advogado Inácio Lins, de 36 anos, saiu de Arniqueiras, no DF, em direção à Esplanada dos Ministérios, para apoiar a aprovação da PEC 135/19, que estabelece a execução do voto auditável impresso. Segundo ele, a medida representa um ato de democracia.

TEC./SONORA: Inácio Lins, advogado

“Transparência é um direito básico. Democracia é quando a vontade da maioria é prevalecida e respeitada. Por isso, estamos aqui apoiando o voto impresso, pela dignidade do povo brasileiro, pela dignidade da sua vontade e respeito à nossa pátria."

LOC.: Jairo Eliezer, aposentado de 56 anos, também foi às ruas manifestar sua vontade sobre a aprovação do voto impresso. Na avaliação do morador de Vicente Pires, no DF, esta é a única forma de se comprovar o voto no candidato escolhido pelo eleitor.

TEC./SONORA: Jairo Eliezer, aposentado

“Eu estou aqui a favor de ter o direito de conferir para onde o meu voto foi. É a mesma coisa de ir no banco, sacar R$ 500 e não conferir aquele dinheiro na boca do caixa. Depois, quando for questionar que só recebeu R$ 450, não cabe mais essa reivindicação.”

LOC.: Quem também participou do ato foi o funcionário público aposentado Luiz Carlos Dysarz, de 60 anos, morador de Brasília. Segundo ele, “a principal reivindicação da manifestação popular democrática e pacífica é em prol do voto impresso e auditável. Trata-se de uma ferramenta a mais para dar transparência à população brasileira".

As manifestações ocorreram em praticamente todas as capitais e em cidades do interior de todas as regiões do país. No Sudeste, por exemplo, houve atos em cerca de 40 cidades. Morador de Uberlândia (MG), Valmiro Mariano, de 64 anos, foi à manifestação pró-voto impresso realizada no município. O autônomo defende que a escolha do voto é livre, mas o eleitor ainda carece de certeza sobre a apuração.

TEC./SONORA: Valmiro Mariano, autônomo

“O Brasil e o mundo já sabem que votação tem que ser explícita para quem vota. O povo tem direito de tomar conhecimento daquilo que ele escolhe. O povo também tem o direito de conferir. E a única forma de usar esse direito é por meio do voto impresso.”

LOC.: Os manifestantes foram às ruas neste domingo reivindicar a aprovação da PEC 135/19, que está sob análise da Câmara dos Deputados. A proposta havia sido derrubada; no entanto, por meio de um ato regimental, a base do governo conseguiu adiar a votação para depois do recesso legislativo e a expectativa é de que o texto seja votado na quinta-feira (5).

Reportagem, Marquezan Araújo